Artigo feito a partir do trabalho de Robert Morning Sky (um índio nativo Pele Vermelha):

Origens – História secreta do Planeta Terra  – Livro 1

Quando eles chegaram ao local do acidente, acharam um dos seres extraterrestre ainda vivo. Eles o tomaram e o levaram consigo para o acampamento de sua tribo, esconderam-no do governo dos EUA e cuidaram dele para que ele se restabelecesse. Chamaram-no “Ancião Estelar” (Star Elder), por respeito; mas com o passar do tempo ele lhes revelou seu nome. Chamava-se Bek’Ti.

Usando um pequeno cristal de criar imagens, o visitante começou a se comunicar. Os jovens sentaram-se ao redor de seu amigo, examinando todas as imagens cristalinas com grande cuidado, juntando a incrível história do nosso sistema solar e da própria humanidade.

A Mensagem do Ancião Estelar era simples:

“Seres Estelares estiveram aqui desde que a Terra era uma rocha árida. Eles estavam aqui quando o homem foi criado e estiveram aqui ao longo de sua evolução. Em alguns casos a sua participação foi benevolente, em alguns casos, não foi. O homem foi guiado… e ele foi enganado. Os Seres Estelares foram seus Deuses… e os seus demônios…”

Eles sempre estiveram aqui, e eles ainda estão aqui… agora.

Quando pressionado a explicar a sua presença na Terra, o Ancião Estelar surpreendeu os seis. Havia uma guerra nos céus acima. Sua nave tinha sido abatida pelas forças inimigas!

Eu me chamo Morning Sky… Robert Morning Sky.

Meu avô era um dos seis jovens índios que resgataram o Ancião Estelar. Quando eu era jovem, meu avô me contava a história sobre esse visitante estelar.

No final da década de sessenta, eu participava de um programa de Estudos Religiosos de uma Universidade. Ao final dos meus estudos, eu submeti um trabalho que resumidamente contava a história do ser humano e da Terra, como dito por Bek’Ti. Eu dei o nome de “Terra, a História Secreta do Planeta Terra”. Eu tinha certeza da boa qualidade das pesquisas e que era um trabalho bem documentado.

A história do ser humano e da Terra apresentada por Bek’Ti é, excitante e amedrontadora. A criação do homem e seu lugar na Galáxia é deixada clara, mas no processo, sua nobreza e seu orgulho, sairão feridos.

Os fenômenos de abdução e a aparição dos seres cinzas (Grey’s) são mostrados como fazendo parte integral da história da humanidade, mas são explicadas à luz do painel maior dos propósitos dos seres estelares para a humanidade.

As fontes das religiões humanas e as origens de figuras lendárias como Zeus, o Minotauro, Osíris e Ísis, e várias outras figuras mitológicas são explicadas e também inseridas no painel da História do Planeta Terra.

E, também, eventos futuros podem ser preditos. Não por alguma habilidade psíquica ou canalização, mas por padrões de um esforço sem fim para controlar o Planeta Terra.

Uma guerra galáctica de conquista está acontecendo sobre nossas cabeças…

A Terra e a humanidade… são seu prêmio.

Esta é a minha história…Esta é a história de meu avô… e… esta é a história do Extraterestre Bek’Ti.

GÊNESE

A explosão balançou o Nada do vórtice.

Essência primordial foi lançada violentamente para fora. Como um oceano primário, onda após onda escapava para a escuridão do poço do vórtice. O Nada continha o caos, o caos derramou para fora do Nada.

Enquanto as águas primárias saíam para fora, rios de essência escura giravam juntas, formando imensos rodamoinhos. À medida que os rodamoinhos giravam para dentro de si, a essência se condensou em nuvens de gás. Explosão após explosão formava enormes bolas de fogo, supernovas vermelhas brilhantes e estrelas anãs azuis radiantes.

Como ilhas nas águas da essência, as estrelas se formaram dos giros das galáxias rodopiantes. Vez após vez o processo se repetiu no vórtice… vez após vez uma galáxia nascia.

Em tempo, uma dessas galáxias ficou conhecida como ERIDANUS. Esta é a história de uma pequena parte de ERIDANUS… e de um pequeno mundo conhecido por nós como… TERRA.

ERIDANUS

Nas agitadas águas primordiais de ERIDANUS, muitas estrelas criaram planetas ao redor de si mesmas.

Dos gases e poeira jogados para fora dos sóis, os planetas se condensaram e resfriaram. Gases elementares combinados formaram umidade, a chuva caiu para formar oceanos. Tempestades ecoaram, os oceanos remexiam e revolviam, batendo nas costas das terras acima do nível do mar. E no meio dos relâmpagos e da fúria, uma única faísca acendeu, criando e um microssegundo uma única célula de vida.

Formas de vida unicelulares combinadas para surgir criaturas multicelulares, que se tornaram seres complexos com bilhões de células: ostras, peixes, insetos, pássaros, répteis, plantas e mamíferos. Vieram a existir diferentes tipos de criaturas tantas quanto há estrelas no céu.

E, finalmente, os humanoides evoluíram. Baseados em peixe, pássaros, répteis, mamíferos, humanoides de todos os tipos tornaram-se o produto natural e consistente da evolução.

À medida que o HOMEM ERIDANOS primitivo evoluiu, suas cavernas deram lugar a acampamentos, que deram lugar a assentamentos, que deram lugar a cidades. A caça aos animais cedeu lugar à troca de pelagens, que cedeu lugar a mercados. Coleta cedeu lugar ao cultivo e cultivo a fazendas.

As necessidades do HOMEM ERIDANUS tornaram-se desejo… desejo tornou-se ganância. Homens compassivos tornaram-se líderes, líderes transformaram-se em conquistadores, e um mundo primitivo tornou-se civilizado. Diferenças de opinião tornaram-se divergências, que tornaram-se guerras. Curiosidade e necessidade fizeram surgir a tecnologia.

Os primeiros HOMENS ERIDANUS haviam conquistado seu mundo.

Então os HOMENS ERIDANUS olharam para cima, para os céus. E eles viram sua lua. Eles criaram naves para levá-los para cima, e sua conquista da lua começou. Enquanto eles ficaram na lua, enquanto eles cuidavam das cidades lunares, eles olharam para as estrelas acima deles. Buscando por mais, eles moveram-se para cima novamente. Desta vez, planetas vizinhos eram desbravados. O HOMEM ERIDANUS havia conquistado o ambiente de um mundo novo e o ciclo recomeçou.

Então, o HOMEM ERIDANUS encontrou seus semelhantes na galáxia.

Os HOMENS PÁSSARO conheceram os HOMENS MAMÍFERO, HOMENS RÉPTEIS conheceram os HOMENS INSETO, e o HOMEM RÉPTIL os saudou a todos. Os muitos seres evoluídos dos mundos de ERIDANUS renuíram-se e comunicaram-se. Eles fizeram comércio, dançaram, eles partilharam e uniram-se. Em tempo, eles aprenderam uns dos outros e viveram juntos.

E… eles foram à guerra.

O HOMEM ERIDANUS primitivo tornou-se o HOMEM ERIDANUS “civilizado”, guerra primitiva cedeu lugar à guerra científica. A morte em todo o seu horror tornou-se um instrumento de progresso. Reinos galácticos em ERIDANUS surgiram e caíram, civilizações prosperaram e morreram. Uma série contínua de guerras tomou conta de toda a galáxia.

Nenhum império durou muito tempo. Nenhum foi salvo…

O IMPÉRIO “SSS”

Na galáxia de ERIDANUS, guerra, violência e conturbação tornou-se coisa comum.

Existindo acima de outras raças como os Mestres Supremos da Guerra, os seres ‘SSS’, (assim chamados por conta do som sibilar que faziam quando falavam), espalhavam a guerra e o caos para manter uma boa porção do Nono Setor da galáxia. Embora originalmente governados por Reis de reputação, foi sob a égide das Rainhas SSS que o Império atingiu seu ápice. Conhecidas como as ‘SSS-T’, as Rainhas e suas técnicas de governança tornaram-se a base do poder Real.
A simples menção do nome do trono ‘AST’, era suficiente para incutir pavor da letalidade das Rainhas reptilianas.

Em uma galáxia de caos e Guerra, os seres SSS não sofriam ameaça ou competição. Implacáveis no comando, e eficientes em sua crueldade, as Rainhas SSS-T eram políticas e estrategistas militares brilhantes, usando eventos para sua vantagem e manipulando guerras para seu ganho.

Para garantir à Realeza o poder de conquistar e reger sobre os inimigos havia uma poderosa força militar, inigualada por nenhuma outra. Composta de figuras altas e impositivas, os Guerreiros SSS eram de guerreiros sangue frio com rostos assustadores parecidos com de dragões. Embora e evolução há muito ter removido as escamas de suas peles, as placas em suas armaduras davam a impressão de ferozes dinossauros.

Somente uma longa crista óssea começando na testa e voltando por sobre a cabeça permanecia como lembrança de sua herança reptiliana. Conhecidos como os ‘M-K’ ou ‘M-G’, a simples aparência dos Guerreiros SSS era suficiente para impor medo no coração de um oponente.

Incontáveis guerras ao longo de bilhões de anos ensinaram as Rainhas SSS uma lição vital, um inimigo ou individuo rebelde não tem valia se executado. Mas se o cérebro fosse reprogramado, a resistência seria eliminada e um corpo capaz era adicionado à força de trabalho. Controle mental foi a ciência principal das Rainhas SSS-T.

Chamadas por outras raças como ‘ARI’ ou ‘Mestres’, depois seriam conhecidos como ‘ARI’ de ‘AH’ (céu), ou ‘ARI-AN’. Hoje conhecidas como ÓRION.

Mas embora tivesse se tornado o símbolo máximo de poder e força, um símbolo de governo brutal e agressivo, o destino pregaria uma peça curiosa nos ARI-AN. Em busca de poder galáctico, os Guerreiros SSS-T haviam saqueado os tesouros palacianos dos mundos vitimizados por eles. As riquezas culturais dos mundos conquistados eram expostos nos museus de ARI-AN, fazendo do Império o centro de cultura e conhecimento do Nono Setor.

ARI-AN tornou-se o mundo/vitrine para a poesia, música, arte e dança.

Entretanto, foi um passo involuntário, para a evolução comportamental da psique dos SSS-T.

O IMPÉRIO “ASA-RRR”

Entretanto, o reinado das Rainhas SSS-T no Nono Setor foi desafiado, para grande preocupação das Rainhas ARI-AN, os movimentos e a expansão de uma outra raça chamada ‘RRR’.

Evolução de ferozes predadores mamíferos, os RRR ainda estavam nos primeiros estágios de desenvolvimento, sua sede expansionista impulsionada pelo arrefecimento de contínuas guerras e o tempo que lhes era disponível.

Para a raça RRR, guerra era o sentido da existência, todo o resto era sem importância. A própria vida significava obediência e total comprometimento com os Reis RRR, qualquer outra coisa significava a morte. Então, rapidamente eles criaram seu Império, tão impiedosas eram suas técnicas que os RRR ficaram conhecidos como ‘ASA’ ou ‘Senhores-Supremos’ (OVER-LORDS).

No Nono Setor, os mundos RRR seriam conhecidos como ‘ASA-RRR’.

Liderados pelos corajosos Guerreiros ‘IKU’, um exército bárbaro com uma frota de Naves Estelares (Starships) mortais com poder de fogo inimaginável, os Reis de ASA-RRR arrasavam os mundos nos arredores da Nona Passagem.

As forças de elite IKU desciam nos seus alvos desavisados atacavam impiedosamente e sem dar trégua, limpando os céus de qualquer potencial resistência e dizimando totalmente fortalezas na superfície. Rapidamente Guerreiros de Forças de Solo, os ‘BEH’, avançavam para eliminar toda e qualquer força militar remanescente.

Renomados pela prática de devorar a carne de seus inimigos, os IKU e BEH eram conhecidos como ‘D-K’ ou ‘T-K.

Agressivos e vorazes, incansáveis em sua expansão, os Reis Conquistadores RRR iniciaram a lenta e metódica tomada de ‘PESH-METEN’ (Nona Passagem), uma Via Estelar crucial.

Mas os Reis ASA-RRR eram uma potência formidável.

Os “Caminhos da Guerra” haviam sido a força motora de sua evolução. Cada rei havia exigido muito de suas forças militares. Os pilotos das Naves Estelares, os IKU, possuíam raios de luz que podiam derreter os alvos, cortá-los em pedaços ou desintegrá-los. As Forças elite de Solo, os BEH, usavam armas que emitiam sons que aturdiam o inimigo, desintegravam objetos sólidos ou podiam ser usados para transportar um objeto de um lugar para outro.

Resumindo, as forças ‘DAK’ haviam se tornado em pouco tempo um exército de poder devastador. A Ciência de Guerra dos ASA-RRR era uma Tecnologia da Morte chamada AT. E dessa nova ciência, a maior joia das Naves de Guerra foi produzida. Um globo do tamanho de um planeta, com os armamentos de todas as outras Naves Estelares… e mais, a Nave de Guerra era chamada de ‘RR’ ou ‘AR’.

Um mundo em miniatura capaz de uma destruição jamais vista no Nono Setor, o AR das forças DAK fez do Império uma força a ser temida. Os raios do sol refletindo na superfície da Nave da Morte faziam a AR brilhar como uma estrela nos céus. Embora uma estrela brilhante fosse geralmente uma esperança de coisas maravilhosas, essa estrela trazia morte e destruição.

À medida que os Reis ASA-RRR continuaram expandindo seus domínios, as Rainhas SSS-T fizeram um cuidadoso aceno pela paz para os Reis conquistadores na esperança de resolverem o dilema antes que uma guerra se tornasse necessária.

Os bilhões de anos de conflito haviam ensinado os SSS-T uma lição valiosa, a guerra traz morte para o vencido…e para o vencedor. Haviam outras maneiras de vencer o conflito. A vitória era, em alguns casos, obtida trazendo o inimigo para o seu lado. Os DAK poderiam ser vencidos de um modo mais inteligente e astuto.

As Rainhas de ARI-AN pediram uma reunião da Realeza. Se os Reis ASA-RRR jurassem lealdade para o Alto Trono das Rainhas SSS-T e se pusessem a serviço do Trono então eles ganhariam controle sobre as estrelas exteriores do Nono Setor. Percebendo a magnitude de poder contido na oferta, os Reis ASA-RRR rapidamente concordaram com a Aliança.

As forças DAK e o poderoso Planeta da Morte AR foram colocados a serviço das Rainhas SSS-T, o exterior do Nono Setor foi anexado ao Império ASA-RRR. Catapultados a um nível de super poderes pela Aliança, as estrelas ASA-RRR ficaram conhecidas como o Império ‘SSS-T.RRR.SSS-T’ / Império nascido dos SSS-T, morrendo pelos SSS-T, ou SS-RR-SS (SÍRIUS).

Com a Aliança ARI-AN a respaldá-los, os Reis ASA-RRR iniciaram um esforço ainda maior para conquistar e assegurar novos sistemas, novos mundos para anexar ao seu Império.

Solidificando seu poder, impondo pesadas taxas e embargos aos viajantes nas vias da Nona Passagem, o Império SS-RR-SS logo tornaria… (falta esse trecho). As Rainhas ARI-AN observavam com olhos atentos, o momento da traição deve ser cuidadosamente planejado.

Então, por um tempo, uma tênue paz existiu entre os dois Tronos. Tudo estava bem, até a era de um monarca conhecido como o Grande AN-AN, o Rei mais idoso dos ASA-RRR.

Assegurar a Passagem daria aos Reis ASA-RRR o controle de viagens para dentro e fora do Império ARI-AN, e essa possibilidade as Rainhas SSS-T não podiam permitir.

Na era o Grande Rei Ancião AN-AN a vida em ASA-RRR era boa.

Os luxos e benefícios que recebia uma raça conquistadora era deles para se deleitarem.

A aliança com o Império SSS-T fez os Reis de ASA-RRR mais poderosos como jamais visto e permitiu às pessoas de ASA-RRR a oportunidade de desfrutem de um modo de vida mais rico.

Mas o poder do Trono também fez a vida do Rei mais arriscada. Traições, mentiras e boatos rodeavam o Rei. Complôs de assassinatos, golpes militares e invasões alienígenas eram os assuntos diários do Rei. Era esperado que o Príncipe tramasse para a “saída” do pai, irmãos distantes e crianças ilegítimas pretendiam o Trono do Reinado.

Rei AN-AN olhava os céus procurando ataques inimigos, e cuidadosamente olhava por sobre os ombros para seus parentes e membros da corte real. Assim era a vida de um Rei de ASA-RRR e tal era a vida do Grande Rei Ancião AN-AN.

A paz reinava, o Império prosperava, até que estourou uma guerra nas Estrelas Centrais. Uma série de grandes conflitos, conhecidos como as Grandes Guerras Galácticas, arrastou ambos os Impérios ARI-AN e ASA-RRR para suas entranhas. O Grande AN-AN foi convocado/sumonado ao Palácio SSS-T para Comandar as forças combinadas dos Guerreiros M-K e D-K.

O Grande AL-SHAR, a mando do Rei AN-AN permaneceu no Palácio ASA-RRR. Vendo uma oportunidade para trair seu irmão, Príncipe AL-SHAR decidiu tomar controle das Forças Centrais ASA-RRR. O golpe bem-sucedido compeliu o Príncipe a tomar outras ações, Ele imediatamente despachou um grupo de assassinos de elite para caçar e tirar a vida do Rei Ancião.

Documentos históricos informariam da morte em batalha do Grande AN-AN, o Rei Herói que deu sua vida enquanto no comando de seus exércitos. Mas aqueles que estavam na Corte de ASA-RRR sabiam porque o Rei morreu, e quem era o responsável.

Príncipe AL-SHAR, Provador Real, era agora Rei AL-AL.

Lorde Príncipe AN-SHAR, filho do Rei Herói AN-AN e herdeiro legítimo, foi capturado e exilado pelo novo Rei de ASA-RRR, seu direito ao trono usurpado para sempre.

Para garantir sua segurança, o Grande Rei AL-AL fez do neto do Grande AN-AN seu próprio Provador Real. O Príncipe deposto ‘AN-U’ era refém e servo do seu Rei e Tio. A vingança teria de esperar.

Por enquanto ele serviria fielmente… mas ele aprenderia. Algum dia o Trono de ASA-RRR seria dele, isso ele jurou!

Naquele tempo, ainda outro evento significativo ocorreria, um que iria mudar para sempre o rumo do Nono Setor. Uma nova estrela estava começando a maturar, seus jovens mundos resfriando para formar planetas habitáveis. Rei AL-AL, reconhecendo o potencial para minérios preciosos, e a possibilidade de um posto militar estratégico, imediatamente mandou um confiável e fiel administrador para tomar posse do novo sistema solar.

Lorde AL-AL-IM, Mestre da Ciência de Gênese, tinha uma grande tarefa diante dele, desenvolver e colonizar o primitivo sistema planetário.

O jovem sol havia se formado originalmente somente com dois mundos em sua órbita, um minúsculo planeta interior, (agora conhecido como Mercúrio) e outro planeta maior, seu nome era eventualmente ‘TIAMAT’.

Com o tempo, mais seis planetas se formaram. Um par de mundos internos (Vênus e Marte), dois gigantes centrais (Júpiter e Saturno), e um par de planetas gêmeos (Netuno e Urano).

Mas era TIAMAT, o mundo tropical, que seria o primeiro planeta desenvolvido por Lorde AL-AL-IM na sua missão.

Já habitado por colonos de inúmeros sistemas estelares galácticos, TIAMAT era ao mesmo tempo um paraíso e um mundo a desbravar cheio de perigos. A presença de um contingente militar ASA-RRR e um elo direto com o Rei AL-AL e o Império ARI-AN eram bem-vindos pelos colonos e suas famílias. Proteção e mantimentos estariam agora disponíveis. TIAMAT seria um mundo totalmente independente.

Lorde AL-AL-IM começou imediatamente a explorar o novo sistema solar. O Sol era chamado “Bad”. Na proximidade imediata do jovem sol estava um pequeno mundo, batizado ‘MUM-MU’, ‘primeiro viajante nascido’. O próximo mundo seria um posto militar. Embora com uma superfície de temperaturas extremamente quentes, suas cavernas internas davam abrigo confortável para as forças IKU e BEH. Este mundo seria conhecido como ‘DAK-A-MU’, ‘lugar dos DAK dentro’.

O Planeta com Areias Vermelhas, em seguida, era um mundo com ar e água, árvores e um ambiente adequado para colonos habitarem. Um bom lugar para colonos, também dispunha de superfície sólida para uma fortaleza militar central. Este era o mundo de ‘DAK-MU’, ‘lugar dos DAK’.

Além do mundo das areias vermelhas estava TIAMAT, o centro dos esforços de colonização de Lord AL-AL-IM.

O maior dos mundos do sistema era um planeta gigante que tinha forças gravitacionais que o tornavam inadequado para habitação, mas excelente para a produção de super metais. Sob condições de super gravidade os metais podiam ser forjados em combinações impossíveis em outros mundos. ‘BAR-BAR-U’ era chamado, ‘Mundo dos Metais’.

O segundo Titã era o mais perigoso. As forças internas eram altamente instáveis. Possuindo uma nuvem de poeira e rochas constantemente circulando ao redor de seu furioso centro giratório e com forças gravitacionais que puxavam muitas naves para uma trajetória irrecuperável, o gigante seria conhecido como ‘TAR-GALLU’, o ‘Grande Destruidor’. De todos os planetas, ‘O Anelado’ provaria ser o mais perigoso.

Uma distância depois de TAR-GALLU havia um planeta grande, frio e pantanoso, gases venenosos na sua atmosfera. ‘SHANAMMA’ seria difícil de colonizar mas seria ideal pra experimentos de Gênese. O mundo mais exterior era chamado ‘IR-U’, um quase gêmeo de SHANAMMA em tamanho, IR-U era um mundo aquoso com uma cobertura nebulosa.

Embora a missão fosse difícil, Lorde AL-AL-IM teve sucesso. As forças gravitacionais extremamente altas de BAR-BAR-U simplificaram a manufatura de metais pesados, instáveis em ambiente com baixa gravidade. Os postos militares em DAK-A-MU e DAK-MU provaram ser seguros e fortes. Fazendas experimentais em SHANAMMA e IR-U mostravam potencial. As colônias das luas de BAR-BAR-U e TAR-GALLU também estavam prosperando.

Mas TIAMAT era a coroação gloriosa dos esforços de Lorde AL-AL-IM. Com o apoio de seu Rei AL-AL em sua terra natal, o Administrador fora capaz de desenvolver TIAMAT em um paraíso além de toda expectativa. Instalações para extrair minérios recém-descobertos foram construídas. Centros de Condicionamento Atmosférico logo começaram a tarefa tediosa de transformar a atmosfera em um ambiente mais adequado.

Como uma fonte de minérios preciosos e ponto estratégico no controle do tráfico das vias da Nona Passagem, o novo sistema fortaleceu a autoridade que o Rei AL-AL tinha sobre o Nono Setor exterior.

Como seu projeto final, Lorde AL-AL-IM construiu uma duplicata praticamente perfeita do Palácio dos Reis ASA-RRR, conhecido como ‘KI’, seu nome significava literalmente ‘Em Honra de’. O novo sistema solar de BAD havia sido conquistado. Em reconhecimento aos esforços de AL-AL-IM, o sistema foi nomeado ‘ARI-DU’, ‘O Local Perfeito’. E seu Senhor era AL-AL-IM, o ‘EN-GI’, ‘Senhor do Mundo em Honra de ASA-RRR’.

Sob a premissa de controlar as vias estelares do Nono Setor em nome das Rainhas SSS-T, AL-AL era capaz de controlar os viajantes que entravam na Galáxia pela Passagem. Ao recusar viagem pelas vias estelares, o Rei AL-AL podia impedir possíveis alianças de serem feitas com os ARI-AN. Negociações com outras galáxias estavam sujeitas à vontade do Rei AL-AL; uma situação intolerável para as Rainhas SSS-T.

O Império ASA-RRR podia atrasar ou desfazer todas as alianças políticas e econômicas cruciais a SSS-T. O Rei AL-AL havia transformado ARI-DU em um posto isolado de poder fenomenal.

E, embora o Grande AL-AL houvesse fortalecido ainda mais o Trono ASA-RRR, ele também enfraqueceu sua posição perante a Corte Real das Rainhas SSS-T ARI-AN. O que o Grande AL-AL não havia previsto, o que não poderia suspeitar, era que seu próprio futuro, sua própria sobrevivência, estava escondida nos mundos distantes que AL-AL-IM havia desenvolvido para ele.

À espreita no Palácio Real estava AN-U, o Príncipe de outrora e extremamente descontente neto do Grande AN-AN, esperando pacientemente o momento certo para agir contra seu Tio. Escolhendo um dia de Grande Celebração das vitórias em batalhas dos DAK, quando AL-AL não estaria em seu Palácio, o Príncipe agiu. Os leais seguidores do Grande AN-AN, ainda furiosos com a travão de AL-AL, juntaram-se a AN-U.

Com superioridade numérica, bélica e rapidez impressionante o Príncipe assegurou sucesso imediato. Fugindo por sua vida, o Grande AL-AL rumou para seu longínquo Palácio no Sistema de ARI-DU. Aqui os súditos agradecidos e seguidores leais receberam o Rei deposto como entusiasmo. Refúgio foi encontrado no posto isolado que AL-AL havia desenvolvido. Aqui ele seria um Rei, ainda adorado e bem-vindo.

De volta em ASA-RRR, o ex-Príncipe AN-U, celebrava sua tão esperada vingança. O trono era dele, agora ele é Rei AN-U.

Mas a vitória não estava totalmente completa. As forças de Guerreiros leais ao Grande AL-AL viajaram rápido para o novo sistema solar. Os esforços de AL-AL-Im e os recursos dedicados por AL-AL para desenvolver e explorar o novo posto trariam uma ótima recompensa ao Grande AL-AL afinal.

A consistente produção de metais pesados em BAR-BAR-U e a contínua descoberta e exploração de minerais preciosos, particularmente uma abundância de ouro, fizeram o sistema solar indispensável.

A força da presença de AL-AL no sistema solar; um comunicado extremamente contundente enviado pelas Rainhas SSS-T ‘pedindo’ para que uma guerra civil fosse evitada; e os recursos vitais trazidos pelo novo sistema, tudo isso combinado davam ao Rei AL-AL uma posição muito confortável na qual pudesse negociar uma trégua e até mesmo o perdão.

Com as Rainhas SSS-T às suas costas, o Rei ASA-RRR AN-U relutantemente aceitou o acordo… por enquanto.

Por um tempo, o Rei AL-AL continuou a providenciar um constante e abundante fluxo de minerais preciosos para ASA-RRR. O irado AN-U aceitava os carregamentos a serviço do Império de ASA-RRR e do Império ARI-AN, mas continuou procurando qualquer sinal de fraqueza, qualquer problema que pudesse justificar o envio de sua armada DAK para atacar AL-AL.

AN-U posicionou sua própria elite de pilotos-estelares IKU, os ‘IKIKI’ em órbitas ao redor do sistema solar. Qualquer transgressão, qualquer erro cometido por AL-AL, deflagaria a ira de sua Alteza, Rei AN-U.

Para assegurar futuramente o sistema solar, o Rei AN-U colocou seu próprio filho, Príncipe ‘AN-EN’, no comando das Naves Estelares de elite IKU, e de um grupo especial chamado IKIKI, os ‘Observadores’. Seu título era ‘EN-LIL’, ‘Senhor em Comando’. Para assegurar que os carregamentos de recursos cruciais permanecessem intactos e no cronograma. Rei AN-U designou seu filho mais velho, Lorde Príncipe ‘EA’ ( EN-KI ), também um Mestre nas Ciências de Gênese, para a posição de EN-GI, exatamente a mesma posição ocupada anteriormente por AL-AL-IM.

O Príncipe Lorde EN-LIL ficaria baseado em TIAMAT, assim como seu irmão, Príncipe ‘EN-KI’.

EN-LIL viajaria pelas vias celestes, EN-KI desenvolveria os mundos do sistema e continuaria conduzindo experiências de Gênese no mundo aquoso de SHANAMA, Mineração, produção e operações metalúrgicas também ficariam sob os domínios do Príncipe EA. Desse modo, o Rei asseguraria que sua autoridade se estenderia sobre o sistema solar de AL-AL.

E assim foi por muitas eras. O rei deposto AL-AL manteve sua palavra, produzindo recursos e mantendo em ordem a Nona Passagem, enquanto o Rei AN-U, relutantemente permitia o anteriormente odiado inimigo que permanecesse no poder da Nona Passagem. Mas AN-U jamais esqueceria as humilhações sofridas enquanto sob os ‘cuidados’ de seu tio AL-AL. Quando falava sobre o Palácio réplica do Rei AL-AL, o Grande AN-U sempre o fazia de um modo raivoso com desprezo.

Um ‘Palácio Impuro’, ele o chamava, seu próprio Palácio em ASA-RRR era ‘O Puro’, o Palácio de ‘ARI-DU’ era ‘O Escuro’. O próprio TIAMAT era o ‘Mundo de Escuridão’, apesar de suas realizações.

Rei AN-U jamais esqueceria os tormentos que seu pai experimentou. O ódio de uma vida transbordando de dentro de si. Rei AL-AL viveria, mas ele pagaria por seus pecados contra a família de AN-U.

Mas a história estava prestes a se repetir. Pois no coração de ARI-DU, o neto do Rei AL-AL, AL-AL-GAR, herdeiro do Trono do sistema solar, havia se tornado uma figura muito mais poderosa para os seguidores do Rei AL-AL do que o Rei de ASA-RRR queria.

Filho de um dos pilotos IKIKI, os ‘Observadores’ celestiais de AN-U, AL-AL-GAR aprendeu cedo os caminhos dos Pilotos Estelares e suas Naves de Guerra.

Suas habilidades de pilotagem se desenvolveram rapidamente, e em pouco tempo ele recebeu o status de ‘Mestre’ IKU. Ele, como seu pai, era IKU!

Mas AL-AL-GAR tinha um plano.

Após o treinamento IKU, o Príncipe foi ao Alto Palácio de seu avô, ‘AM-BAHU’, ‘O Palácio do Encontro’. Ele faria um estranho pedido. Ao invés de descansar sobre sua glória, o Príncipe pediu para receber mais treinamento, só que desta vez, nas disciplinas militares da elite Guerreira BEH. Tropas de Solo disciplinadas que eram equivalentes aos Guerreiros DAK nos céus, os BEH eram igualmente temidos no Nono Setor.

Exibindo incríveis habilidades, o Príncipe mais uma vez completou o treinamento em curto tempo. Ascendendo rapidamente de patentes. Lorde Príncipe AL-AL-GAR ganharia o título ‘IKU-MAR-BEH’, ‘Ele é Um Grande IKIKI e BEH’.

Mas AL-AL-GAR, um grande Mestre de ambas as disciplinas Guerreiras, conseguiria mais um título. Ele receberia o título de ‘ZU, ‘O que é o Mestre Supremo’, um status dado somente aos melhores Guerreiros, um punhado muito seleto de lutadores.

O Grande AN-U estava preocupado! Um Mestre da Guerra surgia no longínquo reino de AL-AL… e ele era um Príncipe!

O modo como IKU-MAR-BEH conquistou as disciplinas militares em tão pouco tempo revelou muito ao Rei AN-U. Ele lembrou-se o que AL-AL havia feito a ele quando ele era Príncipe. E agora, o neto de AL-AL, um Príncipe, sofreu o mesmo destino nas mãos do Rei AN-U!

AN-U tinha certeza de conhecer o coração do jovem Príncipe. Ele sabia quão raivoso IKU-MAR-BEH deveria estar. Rei AN-U teria de tomar medidas imediatas para evitar que IKU-MAR-BEH aumentasse seu poder, e possivelmente incitasse as colônias ARI-DU à rebelião.

Então, preocupado AN-U agiu, assim como seu tio agiu contra ele há muito tempo. IKU-MAR-BEH foi nomeado o Provador Real. Convocado ao Palácio ASA-RRR, IKU-MAR-BEH foi colocado no Assento de Provador Real, uma posição aos pés do Rei AN-U, onde ele poderia ser constantemente vigiado.

Em um esforço de apaziguar IKU-MAR-BEH, AN-U cobriu o jovem Príncipe com muitas honrarias, mas sem sucesso. O Rei ainda podia sentir o ódio do Príncipe. Rei AN-U sabia que nada funcionaria, nada mudaria a mente de IKU-MAR-BEH. Por essa razão, ele ficaria sempre alerta. O Rei AN-U não tinha escolha além de manter uma severa vigilância sobre o Príncipe.

Mas haviam mais preocupações para o Rei no longínquo sistema solar. Lorde Príncipe EN-LIL, filho de AN-U, o Senhor Supremo nomeado para o novo sistema, reclamou de sua localização em uma região tão longe do Palácio ASA-RRR. Talvez ele também chegara a pensar em tentar destronar seu próprio pai. Os Guerreiros BEH eram leais, mas eles também eram uma força poderosa que não podia ser ignorada.

Uma ameaça podia surgir de um grupo rebelde dentre os IKIKI. Eles eram leais a AN-U, mas tinham famílias no novo sistema solar e o Príncipe IKU-MAR-BEH já havia sido um deles. Eles também podia se tornar uma ameaça ao seu governo. As preocupações vindas do reino de AL-AL eram muitas.

AN-U tinha esperanças que a presença de seus filhos ajudasse, mas as diferenças entre eles ficou maior enquanto estiveram em ARI-DU. Embora Senhores Supremos de seus próprios domínios, nenhum dos Príncipes estava feliz. Cada um queria controle completo, total domínio sobre o Reino de AL-AL, ARI-DU. Ambos os Príncipes fizeram ameaças perigosas. Rei AN-U não podia arriscar nada em ARI-DU. Forçado a rumar ao longínquo sistema solar, o Rei estava determinado a botar ordem na situação. Para proteger-se de um golpe do vingativo Príncipe IKU-MAR-BEH, Rei AN-U levou o Príncipe consigo na viagem.

Sentindo-se seguro, o Rei AN-U viajou aos mundos em discórdia. Mas na sua chegada, Principe IKU-MAR-BEH pediu um favor ao Rei. Muitos dos familiares e amigos de IKU-MAR-BEH dentre os IKIKI organizaram uma recepção para ele, o Príncipe pediu autorização para visitá-los.

Distraído com os assuntos pendentes, o Grande Rei dobrou a guarda DAK ao redor do jovem Príncipe e ordenou que as naves IKIKI fossem bem vigiadas. Talvez isso aplacasse Lorde IKU-MAR-BEH por um tempo. Certo de que a situação estava bem, Rei AN-U concordou com o pedido.

A caminho do Palácio em TIAMAT, o Rei esperava que lhe apresentassem uma solução para a batalha entre seus filhos.

Mas a disputa pelo domínio de TIAMAT, Trono dos Mundos do sistema solar, não se resolvia. Príncipe EN-LIL deixou bem claro a seu pai que se era para ele residir em tão distante e primitivo sistema solar, ele queria residir no Palário do Rei de ARI-DU. Príncipe EA argumentou que já que ele era o mais velho ele merecia mais, e ele era um Cientista de Gênese, uma Disciplina que era perfeita para o Reinado em ARI-DU.

Não enxergando solução para o dilema, Rei AN-U concordou em lotear o destino de ARI-DU. Príncipe EN-LIL tornou-se o Senhor de ARI-DU, o mundo, e ARI-DU, o sistema. Príncipe EA permaneceria como o EN-GI e continuaria a organizar o desenvolvimento e operações de recuperação em toda ARI-DU. Embora a decisão fizesse pouca diferença na resolução das dificuldades, ela deu ao Rei tempo… muito pouco tempo.

Rei AN-U embarcou em sua pequena nave que o levaria para a sua Nau-capitânia, a AR Real. Quando AN-U se aproximava da Nave da Morte de tamanho planetário, ele não poderia estar mais orgulhoso. A nave reluzente era realmente uma nave Majestosa.

Mas uma surpresa inesperada aguardava o Rei.

Sobrepujando os guardas designados para vigiá-lo, o jovem IKU-MAR-BEH e seus leais Guerreiros IKIKI haviam capturado a Nau-capitânea AR. IKU-MAR-BEH teria sua vingança. Enquanto AN-U se aproximou, a armadilha se armou.

Mas um aviso ecoou – um alerta de um leal Guerreiro de AN-U. No último momento, AN-U virou para fugir. IKU-MAR-BEH reagiu rapidamente, danificando a nave do Rei.

As forças de AN-U, superadas em número e força, contra-atacaram.

A batalha foi feroz em intensidade e curta em duração.

A Guarda Real de Elite DAK tinha poucas chances de vitória, tudo que podiam fazer era ganhar tempo suficiente para permitir ao Rei escapar. Enquanto AN-U fugia para as estrelas em uma nave de escolta, uma última explosão marcou o derradeiro ato de seus leais defensores DAK.

Lorde Príncipe IKU-MAR-BEH agiu rapidamente. Com leais Guerreiros IKIKI nos céus e Guerreiros BEH nos planetas, a tomada do sistema solar foi rápida e decisiva. Príncipe IKU-MAR-BEH encontrou pouca resistência. Os habitantes do Reino de AL-AL apoiaram sua rebelião, eles se opunham ao governo do Império ASA-RRR. Pequenos grupos leais a AN-U foram capturados e neutralizados. Príncipe IKU-MAR-BEH vencera!

Então em sua vitória, ele havia capturado o poderoso AR, Nau-capitânia da armada de Guerra ASA-RRR. Os gritos de celebração foram retumbantes! Vida longa ao Príncipe! Longa vida ao Poderoso ZU!

O Príncipe vencera. Como Rei do reino rebelde ele seria conhecido como Rei ‘ZU-ZU’, ou ‘ZUZ’ (Zeus). A captura da AR de AN-U garantiria a ZU-ZU ainda outro nome, ‘AR-ZU’, ‘Supremo Lorde do AR’. Em honra de sua vitória, o Palácio de seu avô, previamente chamado ‘AL AMBAHU’ foi renomeado ‘AL AMBAHU ZU’ ou ‘AL-AMBA-ZU’ (Olympus – Olímpo), ‘Lugar da Reunião de AL e ZU’.

A glória do Trono de ARI-DU era dele.

A Batalha de AN-U e KUMARBI’, uma antiga lenda encontrada em tábuas de argila Babilônicas, descreviam a batalha real nos céus na qual o Príncipe KUMARBI luta e derrota o Rei AN-U, que fugiu para o céu. Antes do fim da batalha, KUMARBI ‘morde os genitais de AN-U’, ferindo-o.

Isso quer dizer que KUMARBI ‘usou seus dentes’ (DAK) na ‘esfera de poder’ (o AR) de AN-U.

O IMPÉRIO REBELDE

O Rei ZU-ZU (Zeus) sabia que não podia saborear a vitória por muito tempo. Uma nova Guerra estava para começar, uma Guerra que colocava seu jovem sistema solar e seus habitantes contra um sistema estelar mais antigo, lar de seus ancestrais.

De volta a ASA-RRR, Rei AN-U entrou esbaforido em seu Palácio.

Exatamente o que ele tentara evitar, uma revolta liderada pelo Príncipe IKU-MAR-BEH, não só ocorrera, como havia forçado o próprio AN-U a fugir humilhantemente. AN-U esbraveja em uma ira quase incontrolável. Ele ordena que sua segunda Nave da Morte AR seja imediatamente preparada para a Guerra. O Lorde Príncipe rebelde IKU-MAR-BEH pagaria por sua audácia! Muitos batalhões de Guerreiros de elite BEH foram embarcados na AR.

Antigas palavras egípcias para a origem de AR:

Os melhores pilotos Estelares IKU foram convocados e a AR foi municiada e armada. Escoltada por Caças Estelares RRR e Naves de Batalha, a armada AR passou no céu sobre o Palácio do Rei. Essa visão levantou a moral do Rei, a vitória certamente seria dele! Príncipe IKU-MAR-BEH seria punido por seu vil comportamento!

Mas Rei ZU-ZU estava aguardando. A AR capturada também foi preparada. Lorde Rei AR-ZU (ZU-ZU) e seus leais IKU planejaram uma recepção para a força invasora que se aproximava. Escolhendo não esperar a chegada da armada, AR-ZU e suas forças planejaram emboscar a Nave da Morte (AR) de AN-U enquanto ela ainda estivesse fora do sistema solar de ARI-DU.

Enquanto a frota Estelar ASA-RRR se aproximava, AR-ZU esperava. Quando ele sentiu que o momento estava certo, as forças IKU e BEH do Império Rebelde atacaram a armada de surpresa e com uma fúria igualando uma tempestade galáctica. As naves de escolta que foram pegas de surpresa explodiram em enormes bolas de fogo! A batalha começara, clarões de raios brancos e verdes brilhantes cruzavam a escuridão.

AR-ZU observava o progresso da batalha atentamente. O momento para atacar com sua AR tinha que ser exato. Enquanto suas naves de ataque disparavam com grande precisão, subitamente uma brecha apareceu na formação das forças invasoras de AN-U. AR-ZU imediatamente convocou a AR Nave da Morte capturada.

Por um breve momento tudo parou enquanto as duas imensas Naves de Guerra se encaravam. Como dois grandes touros com as cabeças abaixadas, a pausa precedia o ataque frontal. Caos, trovões e relâmpagos enchiam os céus. O poder das armas era inconcebível. Lorde Rei AR-ZU virou os olhos da luz cegante e do barulho ensurdecedor.

Quando os flashes de luz pararam, AR-ZU levanto seu visor e esforçou-se para enxergar através da fumaça e fragmentos que passavam por sua nave. Quando a poeira dissipou, AR-ZU percebeu o que foram aquelas últimas explosões. Elas vieram de sua AR Nave da Morte capturada. A enorme explosão lançou pedaços de metal em todas as direções. Pedaços externos da AR batiam na nave do próprio AR-ZU.

A poderosa Nau-capitânia de AN-U havia derrotado a Nave da Morte de AR-ZU e continuava a mover-se imponente.

AR-ZU observou horrorizado enquanto o que restou de sua Nave de Guerra despencava em chamas para baixo em direção à órbita do mundo de KAKKAB SHANAMMA (Urano), o planeta onde experimentos de plantas e animais estavam sendo realizados pelo Príncipe EA. Ao entrar na atmosfera, a nave de metal do tamanho de uma lua, soltou uma chuva de luzes.

Flashes de luzes azuis saíam da nave para a superfície do planeta.

Os céus sobre KAKKAH SHANAMMA estavam em caos mesmo antes que o multi quilométrico globo de metal colidisse com o planeta. Batendo em certo ângulo, a AR danificada caia sobre o planeta, declinando, tremendo e balançando, e então sendo catapultada para o Vórtice negro. KAKKAB SHANAMMA foi inclinado em seu eixo. Tremores pulsaram por todas as cavernas internas do planeta, sua crosta sofria terremotos violentos. Uma vez um planeta ereto, agora pendia para o lado.

Espaçonave de Guerra “AR”

Lorde AR-ZU observava impotente enquanto seus valentes pilotos caiam na escuridão do Vórtex dentro da AR agonizante. Eles golpearam mortalmente uma boa parte das forças invasoras mas deram seu último sacrifício ao fazerem isso.

Afastando-se dessa visão, AR-ZU manobrou sua nave em um arco em direção à AR Nave da Morte de AN-U, que ainda avançava. Imponente em seu tamanho, a AR era verdadeiramente magnífica em sua capacidade destrutiva. Enquanto AR-ZU observava, ele notou que a AR movia-se de uma maneira estranha, era um trajeto tortuoso. Ele rapidamente percebeu. Os raios de destruição de seus IKIKI haviam danificado a Nave da Morte! O resultado da batalha ainda não estava decidido! AR-ZU ainda poderia obter a vitória!

Com a esperança renovada, ele ordenou às suas Naves de Guerra que atacassem a AR Nave da Morte novamente, com o próprio AR-ZU liderando. Usando Caças-estelares para distrair as naves-escolta, AR-ZU na sua própria Nave-Estelar foi no encalço da AR danificada. Onda após onda de Naves-Estelares atacavam a nave danificada, de novo e de novo, enquanto ela continuava a penetrar no sistema solar de AR-ZU.

Com seus próprios arsenais de poderosos raios da morte, as Naves de Guerra abriram caminho passando pelo distante IRU (Netuno) e o agora tombado mundo de KAKKAB SHANAMMA.

Mas a constante barragem de fogo das Naves-Estelares de AR-ZU finalmente trariam algum resultado. Ao se aproximar de TAR-GALLU (Saturno), a enorme gravidade do planeta anelado puxou a poderosa mas ‘cambaleante’ AR-Nave da Morte para longe de seu caminho direto para TIAMAT. Quase fora de controle, a nave lutava para manter-se em seu curso.

Lorde AR-Zu reuniu suas forças para um último ataque. Em um último e decisivo golpe Lorde AR-ZU e suas Naves-Estelares lançaram tudo o que tinham contra a AR. Cada vez que um dos Caças-estelares descia para descarregar seu arsenal, a AR tremia e balançava. Os barulhos de metais retorcidos das explosões internas soavam como gritos demoníacos guturais. Subitamente, a AR explodiu em chamas. Cada parte do Planeta da Morte tremeu violentamente.

Fumaça e chamas irromperam de cada fresta da nave. Grossas nuvens negras faziam uma trilha atrás da nave moribunda, a AR de AN-U estava ‘morrendo’. AR-ZU recostou-se em sua nave. Ele havia conseguido derotar a orgulhosa frota ASA-RRR.

Mas de repente ele enclinou-se para frente.

Os valentes pilotos IKU de AN-U miraram o planeta TIAMAT com a única arma que lhes sobrara… a própria AR-Nave da Morte! Manobrando a Nave de Guerra em chamas e desintegrando-se, eles se lançaram diretamente contra TIAMAT!

O Grande Palácio de AL-AMBAHU-ZU mergulhou em pânico. Os alertas foram lançados. A morte estava para chegar vinda dos céus. Naves-Estelares, de carga, naves de todos os tipos foram convocadas para a evacuação. Mas era tarde demais! Nada podia ser feito! Os habitantes de TIAMAT não tinham chance, eles não podiam ser resgatados… era tarde demais!

Lorde AR-ZU podia ouvir os gritos de seu povo através dos raios comunicadores. Virando seu rosto, AR-ZU desligou o áudio. Os pilotos de AR-ZU mudaram as rotas de suas naves. Lorde AR-ZU deveria ser salvo!

A colisão estava a apenas alguns momentos.

Quando a AR agonizante atingiu o planeta, a nave de Lorde AR-ZU foi engolfada por uma luz cegante.

Momentos depois, a onda de choque atingiu a nave, jogando-a como se fosse uma folha pega em uma onda de maré. ‘Capotando’ e virando-se, a nave de Lorde AR-ZU foi jogada na direção de TAR-GALLU (Saturno), quase atingindo os anéis de rochas.

Quando seus pilotos retomaram controle sobre a nave rodopiante, um agoniado Lorde AR-ZU olhou em direção ao seu amado TIAMAT. Ele não mais existia. A colisão havia partido o mundo paraíso. Enormes pedaços do planeta voavam em todas as direções. Magma, metal, fogo e chamas se misturavam para criar uma chuva de morte flamejante. Pedaços de TIAMAT ainda estavam voando ao redor dele enquanto AR-ZU aproximou-se para ver o planeta destruído.

Através de uma nuvem de poeira, fumaça e gás, fazendo uma trilha de fumaça, Lorde AR-ZU, esperando pelo melhor, manobrou para o lugar onde TIAMAT uma vez ficava. Ao sair da nuvem escura, ele viu!

TIAMAT… ou o que sobrou dele.

O planeta enorme, com um imenso buraco na sua lateral, com uma trilha de fumaça, afastando-se dele em direção ao sol. O Príncipe olhou para o outro lado novamente. TIAMAT se precipitava mergulhando rumo à destruição no sol abaixo dele. Sua gente estava morta.

AR-ZU estava em silêncio. Enquanto observava, seu olhar encontrou um sistema solar destruído e dizimado. A Guerra deixou suas marcas nas luas e planetas de ARIDU. As vidas, as cidades e o próprio sistema solar foram seriamente danificados e talvez irreparavelmente.

Lorde AR-ZU olhou para a trilha de destroços entre DAK-MU, o planeta vermelho (Marte) e o mundo gigante de BAR-BAR-U.

TIAMAT não mais existia! Somente as rochas permaneciam.

Lorde AR-ZU, e os IKIKI remanescentes, retornaram a DAK-MU, a fortaleza central. DAK-MU, um mundo fantástico por si, tornaria-se o Novo Planeta Real. Em DAK-MU, Lorde e Rei AR-ZU recomeçaria, reconstruindo a glória de TIAMAT e construindo uma nova Era de Ouro, independente de ASA-RRR.

Enquanto Lorde AR-ZU, agora Rei ZU-ZU, descansava em seu Palácio em uma montanha de DAK-MU, uma surpreendente mensagem foi recebida. O maior fragmento de TIAMAT diminuiu de velocidade em sua queda em direção ao sol, ele não mais desapareceria nas suas chamas! Ele descansaria em sua própria órbita, perto da órbita de DAK-MU.

Lorde Rei ZU-ZU não desperdiçou tempo. Convocando suas próprias equipes de cientistas de Gênese, ele os ordenou a reconstruir os restos queimados de TIAMAT.

De alguma forma, Rei ZU-ZU traria a glória ao mundo Paraíso novamente.

O sucesso dos cientistas de Gênese elevou a moral do Rei. Ele imediatamente ordenou a construção de um grande monumento, um palácio, para homenagear os leais Guerreiros de ARIDU mortos. Seria, também, um monumento para seu pai e seu avô.

No salão de AL-AL-U (Valhala) no mundo reconstruído, eles seriam honrados, para nunca serem esquecidos.

Por um tempo, a destruição da AR e suas naves de escolta, junto com a captura da Nona Passagem e seus postos avançados, deixaram o Rei AN-U sem ação. A força de ZU-ZU e suas brilhantes táticas de guerra surpreendeu o grande Rei ASA-RRR e suas forças militares.

Levaria tempo para reavaliar, para planejar um outro ataque.

O “Theogony”

Uma lenda grega da antiguidade, conta a saga de Zeus (ZU-ZU) e os Deuses do Olímpio (AL-AMBAHU-ZU) que batalha contra os Deuses Antigos do Monte Othyres (OSÍRIS ou SIRIÚS).

O “Theogony” revela que quando Zeus foi à Guerra contra os Deuses Antigos, Tufão, um grande e horrendo monstro, foi enviado pelos Deuses Antigos para destruir Zeus.

“Quando Zeus derrotou (Tufão),
(Tufão) foi lançado em ruínas.
O grande planeta Gemeu.
Uma grande parte do imenso planeta foi queimada Pelo terrível vapor…
Derretendo como latão…
No brilho de um fogo escaldante o planeta derreteu.”

(TYPHON/Tufão era um nome do AR de AN-U.)

Mas o Rei ZU-ZU sabia que isso não duraria para sempre.

Rei AN-U sofrera muito. Ele não permaneceria quieto, não por muito tempo. AN-U sofrera um ataque pessoal e colateral, ele perdera sua Nau-Capitânia em um golpe, e ele perdera um segundo Planeta da Morte em batalha. ZU-ZU havia provocado muitos danos e perdas para AN-U, e ele havia tomado controle de um elemento chave do controle do Imperador na Nona Passagem. AN-U estava compreensivelmente furioso. Seu Império havia sido desafiado!

Mas AN-U havia muito mais a pensar, o futuro da Nona Passagem estava sob risco e essa era sua garantia no trono. A perda do controle sobre o Sistema da Nona Passagem talvez desse às Rainhas Guerreiras de ARI-AN razões para se aliarem ao rebelde ZU-ZU. A mineração de minerais preciosos e a produção de metais preciosos eram muito cruciais.

As Rainhas não tolerariam interferência nessa indústria vital. Obviamente o Rei deveria agir rápido antes que as Rainhas ARI-AN decidissem permitir que ZU-ZU permanecesse no poder como haviam permitido a seu avô AL-AL.

E isso não era tudo que preocupava AN-U, Príncipe EN-LIL, também forçado a fugir do sistema ARIDU, voltou a sentar na Corte Real de ASA-RRR. A ameaça potencial que ele representava também não poderia ser ignorada. O Rei encarava perigos em todos os lugares.

Mas antes que ele pudesse agir, o Rei recebeu mensagem de que as Rainhas SSS-T requisitavam sua presença no Palácio ARI-AN. Isso preocupou AN-U. Ele sabia que elas exigiriam um acordo. Sua derrota nas mãos do rebelde Lorde AR-ZU precisava de uma solução e uma forma de contenção.

AN-U apresentou-se diante das Rainhas, um plano para um contra-ataque havia sido elaborado por seus Comandantes DAK. O argumento para a ação imediata parecia óbvio para ele.

As Rainhas ARI-AN ouviram em silêncio enquanto AN-U falava. Em suas palavras ele argumentava pela continuação do ataque ao sistema estelar rebelde. Ao completar sua fala, AN-U sentiu-se confiante que haveria de impor seu ponto de vista. Enquanto ele se sentava, virou-se para ver as portas da Câmara se abrirem. Para sua surpresa o Rei rebelde ZU-ZU adentrou a Corte. AN-U levantou-se para protestar, mas foi ordenado a permanecer sentado e em silêncio.

Enquanto o Rebelde arrogante começava a falar às Rainhas, AN-U não conseguiu permanecer sentado. Saltando sobre seus pés, ele foi novamente ordenado a se sentar.

Rei ZU-ZU deixou clara a sua posição. Ele era o legítimo Rei de ARIDU e a população o apoiava. O sistema não havia sido destruído, a produção de metais e o suprimento de minerais preciosos poderiam continuar. O acordo celebrado com seu avô seria honrado, assim como promessas anteriores… mas SEM a presença de AN-U.

Ao terminar, Rei ZU-ZU sentou-se.

As Rainhas nada disseram.

Mas após algum tempo, uma Rainha Anciã levantou-se. Suas palavras eram severas. A guerra civil, qualquer que fosse a causa, havia causado a destruição de TIAMAT, um mundo crucial para ARIDU, e os Impérios ASA-RRR e ARI-AN. Milhões de vidas foram ameaçadas, incontáveis guerreiros de ambos os sistemas haviam morrido.

As Rainhas SSS-T exigiram o fim das hostilidades!

Não haveria mais destruição! Os acordos com Rei AL-AL, sob a égide do Rei ZU-ZU, continuariam! A guerra havia acabado!

Para o horror do Rei AN-U, ao Rebelde seria permitido viver! Mais uma vez, um membro Real da Casa de AL-AL havia lhe atravessado o caminho!

Rei AN-U estava furioso. Isto ele não podia permitir! Chegaria o dia, ele jurou, quando o sistema solar seria parte do Império ASA-RRR novamente.

E assim a Era de Ouro de ZU-ZU floresceria… embora por um curto período.

As lendas do mundo sob as mãos do Rei ZU-ZU foram muitas. Embora um salvador de sua gente, ele ainda era um Rei… e sujeito a caprichos arbitrários. Ainda assim, as coisas iam bem.

Mas o destino mais uma vez interferira com o futuro do sistema solar de ARIDU.

Pouco tempo depois do confronto no Palácio SSS-T, as Rainhas ARI-AN se veriam frente ao espectro da guerra com um inimigo de eras. Infelizmente para ZU-ZU, a ameaça veio de um sistema solar vizinho, não muito longe de seu sistema solar de ARIDU.

Avisado da situação ameaçadora, AN-U reconheceu a oportunidade para remover o Rebelde do poder. Procurando as Rainhas ARI-AN, Rei AN-U argumentou pela remoção do jovem Rei ZU-ZU. A Nona Passagem era vital para o Império ARI-AN. ZU-ZU, em sua ambição para expandir seu Império, poderia ser levado a aceitar o apoio dos mesmos inimigos que ameaçavam guerrear contra as Rainhas SSS-T.

Se ZU-ZU havia se rebelado contra o Império ASA-RRR SEM ajuda, porque ele não se rebelaria contra as Rainhas SSS-T COM a ajuda dos inimigos de ARI-AN?

As Rainhas ARI-AN pensaram e concordaram. Elas ajudariam o Rei ASA-RRR em seu retorno ao sistema solar da Nona Passagem para subjugar o Rei ZU-ZU. Lorde Rei AN-U estava radiante! Nesta missão ele não falhará! Desta vez, as armadas de guerra dos Impérios SSS-T e ASA-RRR juntariam forças!

Ao comandar ambos, suas próprias Naves Estelares e Guerreiros ao lado das forças das Rainhas SSS-T, AN-U havia reunido uma armada que nunca havia sido reunida antes.

Os céus dos mundos SIRIANOS estavam repletos de Naves de Guerra e Naves Estelares. O povo ASA-RRR, os ASA-RR-U, saudavam enquanto o poderoso exército do Rei preparava-se para partir.

A vitória estava escrita nos céus!

Lorde Rei ZU-ZU fora informado de que uma missão diplomática estava a caminho de seu Reinado no sistema solar. Quando ele ficasse sabendo da traição, seria tarde demais. Camuflados e em silêncio, a armada de Naves de Guerra chegou à periferia do sistema ARIDU antes de serem detectadas. Este erro provaria ser fatal ao Rei e seu jovem Império.

A batalha foi rápida e decisiva.

As forças invasoras desceram sobre os sistema solar. As forças IKIKI e BEH de AR-ZU foram superadas pela superioridade numérica das Naves de Guerra ASA-RRR e ARI-AN. Em pouco tempo, as forças invasoras cercaram o Planeta da Guerra. Mas as ordens de ataque, dadas pelo Rei AN-U, não permitiam prisioneiros. DAK-MU deveria sofrer total aniquilação.

Os Caças Estelares foram furiosos em sua dizimação de tudo na superfície de DAK-MU. As bolas de fogo criadas pelos ataques de mísseis reduziram tudo, incluindo edifícios de pedra, a cinzas. Ataques finais com os destrutivos raios de luz e os raios de calor cauterizaram tudo que permanecera. O que não fora explodido em pedaços, fora queimado e derretido além do reconhecimento.

Rei ZU-ZU foi capturado e subjugado, sentenciado a retornar para o sistema Estelar Siriano para punição. Todas as forças rebeldes de guerreiros do Rei ZU-ZU foram sumariamente executadas, bem como os seguidores leais. A totalidade da população do Império seria brutal e cruelmente punida… culpada ou não.

A superfície do Planeta de Guerra fora obliterada. Todos os traços de vida sob Rei ZU-ZU fora destruída. Cidades foram achatadas, florestas destruídas.

A beleza do planeta e de sua civilização não mais existia. Todas as formas de vida foram destruídas. Com nenhum animal ou planta para alimentar sua atmosfera, o outrora vivo e pulsante planeta morrera. Só as suas areias vermelhas permaneceram. A poeira vermelho-sangue tornou-se um memorial perfeito para o banho-de-sangue da Guerra do Sistema Solar na qual morreram bilhões.

O Grande Rei AN-U estava aliviado. O Malvado, Rei rebelde ZU-ZU fora derrotado. As mãos de ASA-RRR mais uma vez controlavam a Nona Passagem, e o reino das Rainhas ARI-AN SSS-T foi fortalecido novamente.

E então, por um tempo, a paz reinou…

Os Anunnaki

A Nave Estelar de Príncipe EA moveu-se lentamente por sobre a Terra.

Ele examinava a superfície cuidadosamente. Enormes blocos de gelo cobriam quase totalmente os hemisférios superior e inferior, uma faixa equatorial era a única parte intocada.

O Príncipe e sua tripulação haviam analisado os dados cuidadosamente, a área de pouso já havia sido escolhida. Enquanto o Príncipe observava e examinava a área, as palavras de seu pai, Rei AN-U, ecoaram. ‘Reconstrua o sistema devastado’, ele ordenara Príncipe EA.

A destruição do mundo de ZU-ZU foi completa. O planeta das areias vermelhas fora reduzido a poeira e escombros. Todo traço de vida fora destruído. Sem vida e plantas, a atmosfera morreu. Placas de gelo formaram-se dos pólos quase até o equador, DAK-MU era gelado em sua morte. E seu mundo-irmão DAK-A-MU, fora transformado em um planeta de terras áridas e queimadas e oceanos de venenos letais.

ERIDU, o outrora reconstruído lar do Rebelde ZU-ZU, também fora devastado. Somente IRU, TARGALLU, e BAR-BAR-U permaneceram relativamente intactos.

O Príncipe não podia imaginar o que teria sido estar no meio de tudo aquilo, no meio das batalhas. Ele, como seu irmão, fora forçado a fugir. Ele olhou para os céus. O Príncipe sabia que seu irmão estava lá em cima. Em algum lugar, dentro de um cruzador militar orbitando o planeta, ele estava lá em cima, vigiando-o. Príncipe EN-LIL era o Lorde das Aerovias.

Reconstruir, Príncipe EA fora ordenado. O Príncipe olhou para o mundo destruído. A tarefa seria enorme, ele asseguraria que as ordens de seu pai fossem cumpridas. Ele reconstruiria e ele estabeleceria uma operação de mineração, extração de minerais vitais e preciosos. Ele reconstruiria o mundo-paraíso a partir do mundo destruído pela guerra… e talvez, ele faria um pouco mais. EA alegrou-se com o pensamento.

Então eles começaram, Príncipe EA e sua tripulação de voluntários, os “ANUNNAKI“. O local escolhido tinha muita água e solo fértil. Estudos haviam revelado depósitos de minerais preciosos logo abaixo. Era o local lógico para se começar.

Cada um dos membros da tripulação do Príncipe fora escolhido por suas habilidades especiais. Cada um recebera o título de Lorde, cada um recebera propriedades em ERIDU, e a cada um fora dada uma divisão justa dos futuros retornos financeiros das novas colônias.

As recompensas eram generosas, os perigos consideráveis. O Príncipe selecionou sua tripulação com cuidado, as exigências eram elevadas. Mas ele estava orgulhoso, eles eram bons.

A primeira missão era a construção da base de Operações. O complexo seria construído de pedra, naturalmente durável e facilmente disponível. Mas assim que os ANUNNAKI começaram a preparar as luzes cortantes e os guindastes sonoros, os geradores pararam de operar. A grade natural de linhas de energia, comum a todo planeta, estavam flutuando violentamente no planeta.

A ‘Grande Colisão’, o evento que havia criado o mundo em que estavam, havia causado a instabilidade das camadas internas, provocando constantes flutuações nas linhas de energia.

Para fornecer um suprimento estável de energia, Príncipe EA selecionou um local onde seis linhas de energia formavam uma interseção natural. Ali, na interseção, o Príncipe ergueu uma grande Casa de Energia, um centro focal que extrairia energia suficiente para alimentar os equipamentos de construção. Cristais de energia, especialmente para tais propósitos, foram colocados nas Câmaras de Energia.

A Casa de Energia também abrigaria o Centro de Reanimação dentro de suas paredes. Técnicos fatalmente feridos deveriam ser cuidados imediatamente. Príncipe EA  (EN-KI) não podia arriscar perder nem um único de seus tripulantes cuidadosamente escolhidos.

Enquanto os bravos D-K eram ‘Destruidores de Vida, os ANUNNAKI eram conhecidos como os K-D, os ‘Que Davam Vida’.

EA (ENKI) e ENLIL manipulando a Árvore da vida (Cadeias de DNA).

Por conta da irregularidade das linhas de energia pulsantes fazerem os instrumentos das Naves Estelares, a Casa de Energia foi construída com quatro lados triangulares altamente refletivos que permitiam uma orientação espacial para os pilotos voando.

Devagar, os problemas de energia foram resolvidos.

Mas, na maior parte do tempo, as anomalias energéticas dificultavam o progresso em muitos aspectos dos projetos de mineração e construção. Técnicos de campo era forçados a realizar trabalho físico inesperado para compensar falhas nos equipamentos. Os ANUNNAKI eram poucos, o trabalho, muito. Os ANUNNAKI reclamaram. Príncipe EA transmitiu as reclamações ao Rei AN-U, mas o Rei não queria saber de seus problemas. A produção ainda teria que aumentar!

Os ANUNNAKI sentiram que trabalhavam demais e eram ignorados, eles protestaram e ameaçaram parar seu trabalho. Príncipe EA prometeu um aumento nas recompensas futuras. Contrariados, mas com promessa adicional de recompensa, os ANUNNAKI retomaram o trabalho.

As equipes de construção e mineração/recuperação, mudaram para luzes cortantes e movedores de ondas sonoras de menor consumo. Mas menos consumo significava menos produção. A produção foi diminuída, causando preocupação ao Rei AN-U. A este ponto, Príncipe EA começou a usar bestas de trabalho para ajudar os ANUNNAKI. O progresso nas operações diminuiu, mas havia progresso.

Mas, com o tempo, a operação foi capaz de mandar carregamentos de ouro dentro do cronograma. Naves de carga aterrissavam em ARIDU e partiam com sua carga vital. O ouro era imediatamente enviado a ASA-RRR, outros minerais precisos eram enviados diretamente às refinarias de BAR-BAR-U e TARGALLU. Até mesmo o ‘cambaleante’ e errático KAKKAB-SHANAMMA começaram a mostrar sinais de vida em sua superfície.

Equipes de construção completaram as construções de pedra do complexo de ERIDU, fazendo o acampamento parecer mais como uma cidade. E no centro do complexo, uma magnífica central Bio-agrícola estava rapidamente tornando-se a estrutura principal da cidade de pedra.

O Príncipe havia tido sucesso, o Grande AN-U estava satisfeito.

A operação do Prícipe EA havia permitido a AN-U retomar o controle do sistema solar de ERIDU e manter posse das vias da Nona Passagem. EA conseguira superar as expectativas de seu pai. Seus talentos como Mestre de Gênese foram postos à prova e ultrapassaram as expectativas.

TIAMAT renascera!

Rei AN-U imediatamente mandou uma mensagem. ‘Velha ERIDU’, o ‘Lugar Conquistado’, estava morto! ‘ERIDU’, o ‘Lugar Escravizado’, estava vivo! Ninguém jamais duvidaria do poder, força e vingança do Rei ASA-RRR novamente! O nome da colônia serviria para lembrar e alertar a qualquer um que pensasse em desafiar ou questionar a força do Grande AN-U!

As mãos de AN-U sempre estariam sobre ERIDU!

De ERIDU vieram as palavras para Terra (EARTH):

ERDE (alemão); ERDA (alemão arcaico); JORDH (islandês);

AIRTHA (gótico); JORD (holandês); ERTHE (inglês arcaico).

Príncipe EA recebera o título de EN-GI, ‘Lorde de ERIDU’. O mundo devastado era um lugar de vida novamente!

EA cuidadosamente manipulou e combinou formas de vida animal e vegetal que poderiam sobreviver no ambiente selvagem e ar venenoso de nitrogênio do planeta. Unidades de condicionamento atmosférico começaram a deixar o ar respirável e morno. Trabalhando incessantemente por longos períodos, o Príncipe pouco pensava em descanso.

Mas os contínuos esforços de Príncipe EA não eram sem recompensa.

Uma de suas ambições, o estabelecimento de um Centro para Ciências da Vida, um centro Bio-agrícola, fora atingido. Um laboratório acima do solo, o Centro de Vida, que produzia as espécies híbridas e criaturas híbridas que podia ser realocado ao redor do globo.

O Centro tornou-se o orgulho e alegria do Príncipe EA, o Jardim da Vida.

Mais uma vez, o mundo começou a parecer e sentir como um mundo-paraíso. Mais uma vez, o planeta estava vivo! Mas embora ERIDU fosse novamente um arauto de vida, os planetas de DAK-MU (Marte) e DAK-A-MU (Vênus) foram proibidos de abrigar vida em sua superfície. O Grande AN-U decretou que ambos os planetas permaneceriam estéreis, eles serviriam como alerta para qualquer inimigo potencial.

A Ira de AN-U fora grande!

O Centro Bio-agrícola também estava tendo grande progresso em criar novas formas de vida capazes de sobreviver na atmosfera de ERIDU. Mas os experimentos ocupavam Príncipe EA por muito tempo, afastando-o dos deveres administrativos exigidos de um Lorde.

O Grande Rei AN-U estava insatisfeito.

O Rei de ASA-RRR havia posto o Príncipe EA no comando de ERIDU por conta de suas habilidade de Gênese.

Príncipe EN-LIL, seu segundo filho, ficou a cargo das vias aéreas e espaciais do sistema solar de ERIDU. Mas Príncipe EN-LIL estava novamente reclamando de ser colocado tão longe do Palácio Real de ASA-RRR. Isso preocupou demais o Rei.

Então ele agiu para resolver os problemas.

Príncipe EN-LIL recebeu o controle administrativo de ERIDU, o sistema solar, o planeta e a cidade. Mas o controle sobre o desenvolvimento e exploração dos planetas permaneceria com Príncipe EA. Portanto, o domínio sobre ERIDU seria compartilhado! Desse modo, Rei AN-U acreditava que poderia manter um irritado EN-LIL longe da Corte, preencher suas ambições como Lorde de Poder, e ainda usar as habilidades de Príncipe EA.

Príncipe EA, ainda EN-GI, ficou contrariado e irritado. Todos os seus esforços e sucessos foram ignorados, sua posição no distante império foi-lhe tirada. Com raiva, o Príncipe da Vida deixou ERIDU, indo para uma região distante para construir outro Centro Bio-agrícola.

Aqui, também, ele desenvolveria uma operação de mineração de ouro, mas aqui, ele focaria em sua paixão, a engenharia da Vida. Junto com sua irmã, Princesa NIN-HUR-SAG, também uma Cientista de Gênese, ambos começaram um esforço renovado na criação de formas de vida no planeta de ERIDU. E nesse esforço, Princesa NIN-HUR-SAG seria a criadora de uma criatura híbrida que mudaria para sempre o destino de ERIDU e de seus Mestres ASA-RRR.

Enquanto isso, Príncipe EN-LIL usaria suas próprias habilidades para ‘turbinar’ a Operação. Aumentando a produção, chamando mais vôos cargueiros, e exigindo mais trabalho dos ANUNNAKI, Príncipe EN-LIL produziu maiores quantidades de minerais com menores custos, e em menos tempo. Isso agradou imensamente ao Grande Rei AN-U.

Mas a exigência por mais produtividade estressou os trabalhadores ANUNNAKI além do limite. Alimentada pelo isolamento e distância dos entes amados, a raiva dos ANUNNAKI provocou uma interrupção nos trabalhos: uma greve. Ao serem ameaçados de punição, um grupo de ANUNNAKI atacou o palácio do próprio EN-LIL. Com sua vida ameaçada, Príncipe EN-LIL chamou imediatamente o Rei AN-U para vir ao Reino distante.

Irritado, o Rei respondeu ao chamado de ERIDU. Ambos, Príncipe EN-LIL e os ANUNNAKI exigiam uma audiência com o Rei.

Os trabalhadores descontentes pediram a remoção imediata do Príncipe EN-LIL. Até o próprio Príncipe pediu para ser removido, seu desejo era retornar à distante Alta Corte Real de ASA-RRR. Calmamente, mas com firmeza, Lorde Príncipe EA adicionou a sua voz aos pedidos de recolocação de se irmão. Novamente enfrentando uma situação séria, Rei AN-U fora forçado a viajar ao problemático posto avançado!

Ao chegar ao Palácio de ERIDU, AN-U ouviu a todos para encontrar uma solução. As vozes eram raivosas e o tom elevado. Todos apresentaram suas exigências pelo retorno do Príncipe EN-LIL para a Corte de ASA-RRR. Ninguém pediu para ele continuar reinando. Quando as vozes silenciaram, os desejos de cada membro na assembléia estava claro, EN-LIL deveria partir.

Todos voltaram-se para o Rei. Ele sentou em silêncio, ele não se mexeu. Ele estava em sérios apuros, ele esperava que Lorde Príncipe EN-LIL pudesse, de alguma forma, permanecer em ERIDU. O Grande e Sábio AN-U viu-se querendo, precisando de uma solução.

Enxergando uma oportunidade, Príncipe EA adiantou-se. Com a Princesa NIN-HUR-SAG ao seu lado, o Príncipe propôs ao seu Pai e à Assembléia uma solução simples. Nos Centros de Vida ele e a Princesa haviam ‘feito’ muitos híbridos para uso nos trabalhos de campo. Utilizando substâncias genéticas dos próprios ASA-RRR e dos materiais genéticos das feras de ERIDU, criaturas híbridas de sangue meio ASA-RRR foram criadas.

As criaturas mantiveram suas forças naturais, mas também ganharam inteligência suficiente para entender comandos. Os sucessos anteriores dos Lagartos híbridos ‘H-N’, trabalhadores das minas subterrâneas provaram a validade de tais experimentos.

Outras feras fabricadas, bem-sucedidas somente em tarefas especializadas, foram os híbridos ‘SEMT-UR’, metade cavalo, metade ASA-RRR, capazes de levar pesadas cargas por longas distâncias; e os poderosos seres ‘MENT-UR’, metade touro, metade ASA-RRR capazes de fenomenais demonstrações de força. O sucesso dos híbridos havia encorajado Príncipe EA e Princesa NIN-HUR-SAG a tentar outra combinação, uma que resolveria o problemas que enfrentaram.

Rei AN-U inclinou-se para frente em seu trono. A possibilidade de uma fera híbrida como solução para seus problemas era intrigante.

Príncipe EA, vendo o interesse do Rei, virou-se para a Princesa NIN-HUR-SAG, que aguardava. Ele acenou para ela, ela gesticulou em direção à entrada do salão. O show estava para começar.

Para a surpresa de todos os presentes, uma enorme fera de pelos pretos aproximou-se. Era o ‘APA’, uma fera das selvas, renomado por sua força e ferocidade. (NT: note que APA parece com a palavra inglesa Ape).

Gritos de protesto e medo levantaram da assembléia, a fera não estava acorrentada! Mas antes de qualquer um se mexer Princesa NIN-HUR-SAG deu à fera uma ordem, à qual foi calma e obedientemente cumprida. E por mais algum tempo, enquanto todos observavam, a fera obedeceu a todos os comandos da Dama da Ciência de Gênese.

Quando a demonstração terminou, o Príncipe explicou sua ideia ao Rei. A criatura, uma fera de grande força e inteligência limitada poderia ser geneticamente alterada para tornar-se um trabalhador nas minas, tirando o trabalho duro dos ANUNNAKI e liberando-os para tarefas mais importantes de construção.

O Grande AN-U estava impressionado. Realmente o híbrido proposto parecia ser a solução. Os murmúrios dos ANUNNAKI pareciam aprovar a idéia, sentiu EA. Ele sorriu, na certeza de ter removido seu irmão de ERIDU.

Rei AN-U levantou-se. Príncipe EA esperava boas novas, ERIDU seria dele agora. EN-LIL partiria em breve. O domínio do sistema solar seria, por direito, finalmente dele.

Rei AN-U fez seu pronunciamento. Príncipe EA começaria imediatamente as mudanças genéticas de modo a alterar as feras! Todos os trabalhadores ANUNNAKI retornariam a seus postos até a nova criatura estar pronta para o trabalho nos campos!

Mas para o horror do Príncipe EA, o Rei terminou suas palavras com um anúncio que cortou como uma faca… EN-LIL permaneceria no comando de ERIDU! As Feras de Príncipe EA aliviariam a situação e permitiriam a permanência de EN-LIL!

Essas foram as palavras do Rei, assim deveria ser! Príncipe EA estava despedaçado! Novamente lhe fora negado o Trono de ERIDU! EN-LIL, seu eterno adversário, havia vencido mais uma vez!

Deixando o Palácio furioso, Príncipe EA jurou que ele jamais entraria no Palácio de ERIDU novamente até que o trono fosse dele! Embora ele fosse o primeiro filho do Rei AN-U, ele jamais ascenderia ao Trono de ASA-RRR pois Príncipe EN-LIL, o filho mais novo, nascera do Rei AN-U de sua meia-irmã, um requisito pelas Regras de Suceção de ASA-RRR.

E agora o Trono de ERIDU também fora afastado dele!

O antagonismo entre os dois havia chegado até ao conceito da própria vida. EN-LIL, acreditava que o propósito da vida era serviço eterno aos Reis e ao Trono de ASA-RRR. Mas a Ciência de Gênese havia revelado algo muito diferente ao Príncipe EA. Vida controlada não era vida evoluída, por mais que isso fosse visto como blasfêmai em ASA-RRR.

Príncipe EA enxergava a vida como uma oportunidade de o ser conhecer-se a si mesmo. Nascidos do mesmo sangue e no mesmo mundo, dois irmãos não poderiam ser mais diferentes em seus caminhos.

Então, as palavras do Grande AN-U só piorou as diferenças entre os dois Príncipes. Príncipe EN-LIL seria Lorde do Mundo (Comando) e continuaria reinando com mãos-de-ferro, enquanto Príncipe EA permaneceria o Lorde de Gênese, desenvolvendo ERIDU pelas expectativas de seu pai.

Príncipe EA resignou-se à sua tarefa, redesenhar a fera que sua irmã havia iniciado, para adequar-se às necessidades da comunidade trabalhadora dos ANUNNAKI. Com sua irmã a seu lado, Príncipe iniciou os intrincados procedimentos. Mas a raiva estava em seu coração, e não sairia de seus pensamentos.

E então, a vingança de EA nasceu. Embora orientado a usar o material celular de um dos Lordes ANUNNAKI, escolhidos especialmente pelo Príncipe EN-LIL, Príncipe EA substituiu as células por outras de sua própria escolha para o experimento. O momento para a revelação da verdadeira identidade das feras um dia viria à tona, e ele, Príncipe EA, riria por último. (NT: Especula-se que o DNA foi do próprio EA, fazendo da raça humana uma raça de sangue real ASA-RRR e, portanto, detentora dos direitos sobre o sistema solar.)

Protótipo após protótipo foi tentado. Lentamente, a fera era desenvolvida em inteligência sem sacrificar a força.

Através de experimentações em campo, o produto final foi apresentado. Colocado imediatamente para trabalhar, a fera provou seu valor. Com braços e costas fortes, destreza nas mãos e bastante inteligência para seguir instruções, a versatilidade da criatura logo faria os ANUNNAKI demandarem por criaturas adicionais. O híbrido APA, conhecido como ‘ADAPA’, era uma fera capaz, pronto para servir seus mestres.

Príncipe EN-LIL não gostou da fera desde o começo. Ele não confiava no temperamento da criatura e nem em seu irmão. A fera era perigosa, controlá-los era uma tarefa que ele não desejava fazer. Havia um pressentimento, um sentimento angustiante dentro de EN-LIL que ele não conseguia apaziguar.

Mas, forçado a usar a fera por Ordem de seu pai, Príncipe EN-LIL decidiu por as feras nas mais perigosas situações de trabalho e nos ambientes mais hostis. A criatura era um experimento e, portanto, descartável. Exigindo que as feras que caíssem/se machucassem, não fossem substituídas, nem recebessem cuidados, o Príncipe foi responsável pelas mortes de muitas das criaturas. Elas era, no fim das contas, somente feras.

Príncipe EA recebia as notícias horrorizado! As criaturas, suas feras ‘ADAPA’ experimentais, trabalhavam até a morte por ordem de seu irmão. As criaturas não eram ajudantes; tornaram-se escravas… descartáveis.

Príncipe EA jamais sentira tanta raiva antes. Tudo, todo o seu esforço, estava sendo sistematicamente destruído, sua posse de ERIDU, o planeta, a construção bem-sucedida de ERIDU, a cidade, e a criação e ‘fabricação’ de uma fera trabalhadora. Havia uma injustificada destruição de tudo o que Príncipe EA havia trabalhado tanto. Toda a sua vida fora uma sucessão de submissões aos desejos de seu irmão.

Mas agora isso teria um fim! Príncipe EA atacaria de volta. Ele não aceitaria mais a dominação de seu irmão sobre ele. Ele faria seu irmão pagar por seus pecados… através de um veículo inesperado – a fera!

Voltando ao Centro Agrícola de ERIDU, Príncipe EA foi até onde as feras do Jardim se alimentavam. Encontrando várias sozinhas, ele se aproximou. Planejamento cuidadoso e cronogramas de reprodução permitiam somente a algumas feras acasalarem, e somente sob estrita supervisão. Nenhuma fera acasalava sem a aprovação do Lorde do Mundo, os resultados poderiam ser desastrosos.

Mas Príncipe EA, no Jardim, apresentou às feras um simples prazer… o prazer do sexo espontâneo e não supervisionado. Reagindo aos instintos básicos, as feras rapidamente entenderam as instruções de Lorde EA. No começo, por curiosidade, depois fervorosos em seu prazer, as feras brincaram no Jardim.

O Príncipe observou enquanto as feras descobriam os prazeres da intimidade. Em uma vida curta, cheia de agonia e trabalho, os breves momentos de prazer eram bênçãos divinas. E com esse novo conhecimento, as feras podiam ser como seus Mestres, escolhendo o momento de prazer sem horários, sem aprovação!

As feras olharam para o Príncipe, pois ele havia lhes dado uma pequena amostra de felicidade.

Seu Criador, um Cientista de Gênese cuja marca eram duas fileiras entrelaçadas de DNA, como serpentes acasalando, havia lhes dado o conhecimento do ‘saber’.

Em tempo, o ‘comportamento’ clandestino das feras chegou ao conhecimento de seus Mestres. Lode Príncipe EN-LIL, informado da desobediência das feras quanto aos Comandos de Conduta estabelecidos, ficou furioso. Uma ordem foi dada imediatamente para reunir todas as criaturas culpadas; toda e qualquer criatura renegada deveria se severamente punida e instantaneamente jogada para fora do Centro de Vida.

Príncipe EN-LIL não toleraria desobediência!

Príncipe EN-LIL sabia que, de alguma forma, seu irmão fora a causa do comportamento horrendamente criminoso das criaturas. Somente um Cientista de Gênese poderia afetar o temperamento das criaturas, somente Príncipe EA poderia ter tido acesso às criaturas. EN-LIL estava sendo sabotado por seu irmão, isso ele sabia!

Mas EN-LIL não seria enganado. Para prevenir futuras transgressões, um novo grupo de Comandos estritos, para as criaturas ADAPA ainda dentro do Centro de Vida e nas operações de campo, foi lançado.

Então, estes foram os Comandos do Lorde do Mundo:

Todas as feras no Centro Agrícola devem total e completa obediência a Lorde Príncipe EN-LIL somente! Lealdade ao Príncipe EA ou qualquer outro Lorde Criador (K-D) era estritamente proibida.

Todas as feras no Centro Agrícola somente darão total e completa obediência a Lorde EN-LIL. Todos os traços de Príncipe EA e qualquer outro Lorde Criador (K-D) seriam removidos. Qualquer fera carregando qualquer lembrança de Príncipe EA seria punida!

Todas as feras do Centro Agrícola deveriam dar total e completa obediência a Lorde EN-LIL. Qualquer criatura que emitisse sons guturais ou raivosos sobre Lorde EN-LIL seria punida.

Todas as feras no Centro Agrícola deveriam dar total e completa obediência a Lorde EN-LIL. Todas as feras deveriam comparecer a uma aula de obediência a cada sétimo período!

Todas as feras no Centro Agrícola deveriam dar total e completa obediência a Lorde EN-LIL. O acasalamento de feras para procriação deveria ser aprovado por Lorde EN-LIL. Nenhuma fera poderia acasalar à revelia do que fora aprovado pelo Lorde.

Estes eram os Comandos do Lorde do Mundo!

Príncipe EN-LIL não seria desafiado! Ele manteria uma Mão de Ferro sobre ERIDU.

Deixe as feras morrerem no ambiente selvagem! Deixe Príncipe EA cuidar deles! Eles são ‘MUS’, ‘monstros’ e não merecem ajuda! Que as feras renegadas, de agora em diante, sejam chamados de ‘ADA-MUS’! Deixe as fêmeas sofrerem as dores do parto! As câmaras de nascimento não mais estariam disponíveis a elas!

Se as feras do Jardim permanecessem leais, eles seriam permitidos ficar. Eles seriam chamados ‘ADAPA’. E então, as feras foram divididas em dois grupos, os leais e os desleais, os ADAPA e os ADAMUS.

Apesar disso, Príncipe EA estava feliz, pois nos banidos, uma chance de continuar o experimento de criar vida independente ainda existia. Seu desejo de fabricar uma forma de vida que era inteligente, mas independente do ‘Sistema’ no qual Príncipe EA e Príncipe EN-LIL haviam crescido, ainda era possível. As feras teriam uma chance de liberdade e independência; algo que ele, como Príncipe de ASA-RRR, não tivera.

As feras eram testemunha das habilidades de Gênese de Príncipe EA, um Lorde K-D. Arquitetando a combinação de força bruta com alguma medida de inteligência fora uma tarefa tediosa, mas o Príncipe esperava mais da criatura. Desenvolvendo as habilidades da fera para falar havia sido uma prioridade para o Príncipe EA, isso permitia comunicação com os K-D’s e dava meios para medir progressos. Embora o vocabulário das feras fosse mínimo, era compreensível.

Localizando grupos de feras rejeitadas no ambiente selvagem, EA e sua irmã NIN-HUR-SAG começaram a ensiná-los as habilidades necessárias para sobreviver naquele ambiente cruel.

Da primeira fogueira ao feitio de roupas simples, a fazer desenhos nas paredes das cavernas à leitura de símbolos, as feras foram conduzidas a um caminho de maior inteligência pelos dois Lordes Cientistas de Gênese. O ‘protótipo’ experimental da Princesa NIN-HUR-SAG havia passado por vários estágios de desenvolvimento, mas provou ser único em suas habilidades.

Com o tempo, diversas criaturas exibiram excepcionais habilidades de aprendizado e comunicaram seus conhecimentos a outras criaturas. Príncipe EA e sua irmã começaram a focar a maior parte de sua atenção nesses, ensinando-os para que eles começassem a espalhar o conhecimento aos outros.

Esses ‘professores’ ensinados pelo próprio K-D, ficaram conhecidos como os ‘SU’, ‘Aqueles que sabiam’.

Os ‘EA-SU’, os professores que espalhavam ‘O Caminho de EA’.

Mais tarde, um ‘Professor de Retidão’ carregaria o nome de IESU (Jesus), uma variação de EA-SU.

IESU (Jesus), uma variação de EA-SU (Professores do Caminho de EA).

Enquanto as feras no ambiente selvagem progrediam através dos esforços de Príncipe EA, Lorde Príncipe EN-LIL tornou-se ainda mais irado com a criatura. E embora a maioria das criaturas ADAPA ainda servissem fiel e lealmente no complexo de ERIDU, o Lorde do Mundo ainda sentia ódio e desconfiança pela criatura.

A Nau-capitaneá AR, a Nave de Estado de ASA-RRR, era esperada para breve em ERIDU. Sabendo que a massiva Nave da Morte causava enormes distúrbios gravitacionais, o Príncipe decidiu alterar o curso da AR para uma rota que lhe fosse útil. Ao realizar o caminho sobre os pólos gélidos, os distúrbios gravitacionais seriam fortes o bastante para causar a queda das geleiras nos oceanos.

Isso, por sua vez, causaria, necessariamente, mudanças ambientais. Se o dilúvio resultante destruísse as criaturas, que assim fosse!

O Príncipe do Mundo justificaria o sacrifício das criaturas em troca de um aquecimento do planeta, o aumento de águas oceânicas usáveis, e o fim de uma era glacial que abarcava os hemisférios de cima e de baixo. Tudo isso era significativamente mais importante do que a sorte das criaturas.

Quando Lorde K-D EA descobriu os planos de seu irmão, ele protestou de imediato. Mas o Lorde do Mundo não lhe daria atenção. E para piorar as coisas, Príncipe EN-LIL proibiu mesmo que um único ADAMUS fosse salvo. Somente os leais ADAPA teriam abrigo das águas diluvianas. As criaturas renegadas seriam sacrificadas se necessário. Elas haviam quebrado as Regras. E o Lorde do Mundo avisou o Príncipe EA, que avisar as criaturas era ajudar um inimigo do Estado, um crime hediondo.

Príncipe EA estava de mãos atadas! Trabalhar com criaturas rejeitadas era uma coisa, dar ajuda Real era outra. Sem muita escolha, Príncipe EA deu seu juramento solene de permanecer em silêncio, não avisando sobre o dilúvio vindouro. Embora desconfiado ao aceitar a Palavra de seu irmão, Príncipe EN-LIL continuou os planos para a cerimônia de chegada do AR.

Mas o Príncipe de Gênese não podia permitir que suas criaturas morressem. Secretamente, Lorde EA fez planos. Levando várias criaturas para as cavernas subterrâneas dos híbridos ‘HEN-T’, e outras criaturas para as montanhas. Príncipe EA assegurou a sobrevivência ao menos de algumas delas. Como última medida, Lorde EA possuía uma nave de carga especial construída para navegar muito longe oceano adentro, longe das regiões mais prováveis de sofrerem danos.

Com esses planos secretos, Príncipe EA manteria seus ADAMUS vivos e seu experimento intacto.

Quando a poderosa AR retornou, o dilúvio começou, como EN-LIL esperava. Ele sentiu-se aliviado, as criaturas não mais estariam por ali perturbando-o.

Quando o dilúvio passou e Lorde EN-LIL descobriu o ardil de seu irmão, sua fúria era incontrolável. Os dois Príncipes se confrontaram no Palácio de ERIDU. Haviam traído um ao outro.

Lorde EN-LIL tentara destruir os protótipos de criaturas de Príncipe EA em suas etapas iniciais. Lorde EA tentara minar a administração de seu irmão ao permitir a reprodução descontrolada das criaturas. EN-LIL havia tentado destruir as criaturas com um dilúvio. EA havia quebrado a promessa de não avisar sua criação, as feras.

Ambos os Príncipes haviam cometido crimes contra o Império. Atos de sabotagem deliberada das tarefas designadas a um Príncipe Real do Trono. Nenhum jamais alcançaria o trono se aquele tipo de comportamento continuasse. Mas Príncipe EA jamais acreditara que o Trono de ASA-RRR seria dele; as Regras de Sucessão lhe asseguravam disso. Príncipe EN-LIL, entretanto, era o Herdeiro Lógico. Ele poderia perder tudo!

Príncipe EN-LIL, Lorde do Mundo, não tinha escolha. Ele tomou uma decisão. Deveria haver uma trégua. Nunca mais ele ou qualquer de seus Administradores interfeririam com as obrigações de Lorde EA: o desenvolvimento de ERIDU e de suas formas de vida. Lorde EA não tinha outra alternativa do que retribuir a promessa. Ele e todos os K-D jamais interfeririam com Lorde EN-LIL novamente.

Como sinal de boa-fé, Príncipe EN-LIL deu a seu irmão implementos agrícolas para as criaturas, ferramentas para que a criatura pudesse aprender a cultivar sua própria comida. O Cientista de Gênese ficou surpreso, mas agradecido pelos presentes de seu irmão. Em troca, Príncipe EA prometera aumentar as habilidades de certos híbridos especiais usados por Lorde EN-LIL na administração de ERIDU.

Então, por um tempo, a paz reinou em ERIDU. Era permitido às criaturas serem educadas e civilizadas. O Império de ERIDU, sob EN-LIL cresceu e prosperou.

A manipulação genética havia dado à criatura as habilidade de comunicação e compreensão mínimas. Através da engenharia genética, os ADAPAS que ficaram no Jardim melhoraram significativamente em processamento de pensamentos analíticos. Eles ficaram altamente inteligentes, capazes de tomar pequenas decisões, mas permaneciam dóceis e servis.

Através do uso dos servos ADAPA e HEN-T, Príncipe EN-LIL e os ANUNNAKI conseguiram realizar dramáticos avanços na Operação ERIDU.

As criaturas ADAMUS, entretanto, incontroláveis em suas atividades sexuais, cresceram rapidamente em números.

Manipulação genética encontraria dificuldade em produzir traços específicos neles. Qualquer melhoria genética estaria sujeita a reprodução aleatória, os resultados desejados provavelmente não seriam alcançados. No melhor, somente algumas das criaturas reteriam os atributos desejados, a maioria perderia totalmente os traços esperados.

Mas através de sua presença e seus EA-SU, Lorde EA deu às criaturas ADAMUS o que os ADAPA jamais teriam: a chance de apreciar a beleza. Ensinado a criatura como apreciar e sentir as maravilhas da arte e da música, o Príncipe incutiu uma percepção de ‘si mesmo’ e uma percepção do mundo ao seu redor. Livres de qualquer influência do ‘Sistema’ ASA-RRR, o ADAMUS desenvolveu uma percepção de pertencer a uma família, e uma percepção de moldar e escolher seu próprio destino.

O Príncipe estava feliz. O Sistema não teria o controle; não com as criaturas.

Eles tinham uma chance, era o que ele esperava. Em um esforço para assegurar que as criaturas jamais seriam novamente desejáveis ao sistema, Lorde EA continuou a desenvolver o desejo sexual das criaturas. Se colocado em uma situação de escolha, trabalho a serviço do Sistema ou procurar o prazer sexual, as criaturas sempre escolheriam o sexo. Isso tornaria as criaturas indesejáveis aos olhos de seu Irmão EN-LIL.

Duas criaturas distintas, os ADAPA e os ADAMUS eram parte do planeta ERIDU. Lorde Príncipe EA, um Mestre nas Ciências de Gênese, era ‘Lorde (EL) das Feras’ (EL-EA ou LEO). Príncipe EN-LIL Lorde em Comando, era o ‘Lorde de Servos Obedientes’.

Estrelas e galáxias vizinhas tomaram conhecimento das criaturas do Príncipe EA, e outro grupo de Lordes de Gênese ofereceram um presente a Lorde EA. Conhecidos como os ‘AKHU’, eles descendiam de um ancestral tipo de pássaro. Os Lordes de Gênese presentearam EA com um único filamento que fornecia… ‘paixão’.

Com este único elemento, a força motriz invisível que dava a um ser os sentimentos intensos foi repassada às criaturas do Príncipe. E com este presente, as criaturas ADAMUS teriam ainda mais paixão, mais sentimentos, até mesmo do que os próprios seres do Império ASA-RRR. Retirada das células dos AKHU, o presente ficou conhecido como ‘O Presente da Pena’.

Portanto, os caminhos das duas criaturas, os ADAPAs de EN-LIL, e os ADAMUS do EN-GI ou EN-KI EA, continuavam a se separar. Da mesma origem, inicialmente para o mesmo propósito, os dois estavam agora em caminhos diferentes.

Com o tempo, Príncipe EA e Príncipe EN-LIL foram capazes de fazer ambos os grupos trabalharem juntos. As criaturas ADAPA completavam suas tarefas como servos obedientes, as criaturas ADAMUS completavam suas tarefas em troca de comida e suprimentos. Enquanto ERIDU expandia de um complexo para muitos, o uso de ambas as criaturas virou ocorrência comum. ERIDU era um mundo de criaturas trabalhadoras.

ERIDU, o Mundo, tornara-se a nova capital do distante sistema solar, um sistema quase destruído na Guerra com Lorde AR-ZU e seus rebeldes. Sua reconstrução havia fortalecido o controle do Rei AN-U sobre a Nona Passagem, assegurando sua posição diante das Rainhas ARI-AN.

ERIDU, Cidade Capital, ERIDU, Mundo Capital, e ERIDU, o sistema solar, haviam se tornado um exuberante e produtivo sistema.

Mas os caminhos de ASA-RRR sempre envolveram guerras internas. Com o tempo os filhos de Príncipe EA e Príncipe EN-LIL faziam constantes embates entre si. Ciúmes, inveja e desejo por poder motivaram membros das famílias Reais a se atacarem e tomarem bens. E, enquanto o próprio Império não corresse risco pelas guerras Reais, elas eram permitidas. Era bom para a juventude testar suas habilidades de guerra uns contra os outros. Foram desses eventos que o Caminho de ASA-RRR nascera.

E… já que Príncipe EA havia dado às criaturas a habilidade de aprender e reter o conhecimento, muitos da Realeza começaram a usar as criaturas na administração de seus pequenos reinos, usando umas criaturas para controlar outras. Para o horror do Príncipe, muitas criaturas juraram fidelidade a seus Senhores em troca de uma fonte inesgotável de comida e abrigo.

O único medo de Príncipe EA era que as criaturas pudessem retornar ao sistema se sua sobrevivência fosse ameaçada, e agora seu medo se realizara. Mas elas seriam parte da experiência das criaturas, se Príncipe EA interferisse ele estaria contra seu propósito ao fazer as criaturas. E então as criaturas aprenderam… a guerra.

As guerras da Realeza eram meramente um jogo de xadrez planetário cujas peças eram preenchidas com servos e criaturas. Reanimação, uma técnica que trazia de volta um ser já morto, e transplantes médicos, sempre estavam disponíveis para a Realeza em casos de ferimentos ou mortes. Mas feridas graves, ferimentos mais leves e morte, isso era para os soldados nos campos de batalha, isso era para as criaturas.

Mas as criaturas provaram seu valor de novo e de novo. Leais e inteligentes, as criaturas tornaram-se participantes vitais nos eventos diários de ERIDU. A bagagem genética de ASA-RRR na criatura teve uma profunda influência em suas habilidades para aprender e se adaptar ao ‘Sistema’.

Através dos esforços de Príncipe EA, a Realeza e os ANUNNAKI, com o tempo,às criaturas fora permitido cuidar de seus próprios interesses, reger seus próprios pequenos reinos ou territórios… contanto que continuassem a jurar lealdade e fidelidade a um de seus Senhores Reais… e finalmente, ao Império ASA-RRR.

E ADAMA tornou-se parte de ERIDU. De um papel estritamente de escravos de trabalho para um papel de membro contributivo da sociedade (com um entendimento de fidelidade a um Senhor acima), os ADAMAS chegaram a uma posição acima das outras criaturas do mundo, abaixo somente de seu Senhor no alto.

As Guerras da Realeza continuaram, fiéis ADAMAS servindo nos campos de batalha. Reinos de ERIDU erguiam-se e caíam nas costas e sangue dos ADAMAS. Filhos de Lorde EN-LIL e Lorde EA constantemente se desafiando pelos direitos de dominação e poder.

E então começou a era que veria a Guerra do Grande Golpe. Uma tentativa do Lorde Príncipe MARDUK, filho de EA, Rei das Criaturas. Um completo Mestre nas habilidades dos Guerreiros DAK, Príncipe MARDUK queria ser o Rei do sistema de ERIDU. Desafiando outros membros da família Real pelo Trono, inclusive seu tio, Príncipe EN-LIL e mesmo seu pai, Lorde EA, MARDUK usaria a guerra, intrigas e até mesmo a fatal arte da traição para tomar o Trono.

Ao seu pai, EA, fora negado o trono de ERIDU e ASA-RRR… ele, MARDUK, não sofreria o mesmo destino.

Mas no caminho de sua ascensão ao poder, Príncipe MARDUK foi erradamente acusado do assassinato de seu próprio irmão, Lorde Príncipe DUMUZZI.

Recusando-se a ser aprisionado, MARDUK escolheu lutar contra seus acusadores, refugiando-se dentro de uma fortaleza-pirâmide. Um conselho de emergência foi chamado, a decisão tomada para findar a guerra era selar MARDUK dentro da estrutura de pedra. Encurralado, Príncipe MARDUK estava condenado à morte.

Mas a sorte estava com ele. Muitos de seus seguidores conseguiram cavar um túnel vindo debaixo da estrutura, portanto, dando a MARDUK a oportunidade para escapar. Com uma recompensa sobre sua cabeça, Príncipe MARDUK fugiu para os céus.

E, por um tempo, a paz votou novamente a ERIDU… mas como tudo no Império ASA-RRR, ela não duraria muito.

Bem acima, dentre as estrelas do Império ARI-AN, MARDUK encontraria um aliado, um inimigo de eras de AN-U e das Rainhas do Trono SSS-T.

Conhecidos como ‘SSA-TA’, ‘os subterrâneos’, eles eram parte de um grupo reptiliano que habitavam imensas cavernas dentre os mundos de ARI-AN. Constantemente ameaçando as Rainhas no poder, eles incessantemente procuravam por novas formas de abalar a regência das Rainhas.

Desinteressados e apreensivos, os rebeldes SSA-TA concederam audiência ao Príncipe. Prometendo-lhes grandes fortunas e poder, e completa participação em seu Império em troca de seu apoio, um MARDUK apreensivo pediu a ajuda deles.

Rapidamente os SSA-TA agarraram a oportunidade de apoiar um golpe contra ASA-RRR. Enfraquecendo o Império DAK as Rainhas SSS-T também seriam enfraquecidas. Talvez o bastante para que sua própria rebelião em ARI-AN tivesse sucesso. Enviando um comunicado por todo o Império ARI-AN para seus aliados, os SSA-TA conseguiram imenso número de Guerreiros, todos dedicados e motivados inimigos das Rainhas SSS-T.

Ao apoiar secretamente MARDUK, o sucesso na tomada das colônias de ERIDU daria aos rebeldes SSA-TA um tremendo poder na Nona Passagem. As Rainhas SSS-T teriam que negociar com eles. Se a rebelião não fosse bem-sucedida, a morte de MARDUK agradaria a ambos, SIRIANOS e as Rainhas. A falha de uma guerra civil tão longe do Império SSS-T seria tolerada pelas Rainhas.

Mais uma vez o espectro da Guerra estava no horizonte do sistema solar de ERIDU.

Mas o sucesso de outra rebelião em ERIDU era, na melhor das hipóteses, remota. O Grande AN-U havia tomado muitas medidas para assegurar-se de que outra Guerra Revolucionária não ocorresse.

Para ter sucesso, deveria haver outro grupo que teria que dar apoio ao Príncipe MARDUK, um que tivesse uma forte presença dentro do próprio sistema solar de ERIDU e era parte integral das Forças de Comando de EN-LIL.

Bem fundo nas operações de mineração, os híbridos HEN-T haviam provado serem servos leais. Muito antes dos ADAMUS terem conseguido, os HEN-T haviam alçado a uma posição, dentre as famílias Reais de ERIDU, como os mais fiéis administradores. E embora muitas das novas famílias Reais tivessem usado os ADAMUS como administradores acima das outras criaturas, Príncipe EN-LIL continuara a usar somente os HEN-T, considerando-os como sendo de menor ameaça e muito mais obedientes. Posições intermediárias chave da administração eram dadas estritamente aos híbridos HEN-T e jamais a uma criatura ADAMU.

Diferente das criaturas ADAMUS, Lorde Príncipe EA não havia alterado ou manipulado os HEN-T para conseguir mais inteligência, assim, deixando-o mais servil e com menor capacidade de fazer escolhas. Mas, o aspecto crucial da Guerra das Sombras planejada por Príncipe MARDUK: os HEN-T foram criados do material celular de lagartos… eram répteis!

Como “primos distantes” dos rebeldes SSA-TA, poderiam ser abordados e possivelmente persuadidos.

Com o apoio secreto dos SSA-T, o Príncipe MARDUK e um exército de Mestres de engodo iniciaram sua campanha para seduzir os servos HEN-T de Lorde EN-LIL. Prometendo aos HEN-T que eles seriam seus administradores, se a tomada fosse bem-sucedida, MARDUK e os SSA-T usaram todos os truques para levar os HEN-T para o lado rebelde.

MARDUK até ofereceu participação nas riquezas do Império e futuro território sob o controle deles. O lugar deles no Império de MARDUK seria somente abaixo do próprio Príncipe.

E então, a tomada sorrateira começou. Usando híbridos HEN-T, criados e desenvolvidos pelos ARI-AN SSS-T para seu próprio uso, o vingativo MARDUK secretamente infiltrou seus agentes nas profundezas das minas, nos escritórios administrativos e nas Forças de Comando do próprio EN-LIL.

Como os HEN-T subiram na hierarquia do Príncipe EN-LIL, eles eram conhecidos como ‘TCHET-T’, ‘Aqueles da TCHET (A ‘Palavra’… a ‘Palavra’ sendo EN-LIL). Chamados de ‘SUET-I’ ou ‘SHET’ pelos membros administrativos de EN-LIL, eles se tornaram servos confiáveis tanto do Lorde Príncipe EN-LIL quanto das famílias Reais. A lealdade deles nunca era posta em dúvida, ninguém suspeitava de uma traição.

Devagar e sem alarde a conspiração começou. O plano era simples, lagartos SSA-TA, treinados em manipulação, se infiltrariam nas fileiras dos trabalhadores HEN-T. Eles espalhariam a palavra e recrutariam seus primos distantes para a rebelião. Em pouco tempo, os SHET foram capazes de persuadir os trabalhadores HEN-T a entrarem para as fileiras dos rebeldes.

Os HEN-T que uniram-se ao golpe ficaram conhecidos como ‘SHET-I’, ‘Os Secretos’.

Após a infiltração inicial nas fileiras HEN-T nas operações subterrâneas, a conspiração avançou para o centro da administração de Lorde Príncipe EN-LIL. As Forças de Comando, incluindo os departamentos de Comunicação e Logística, também eram alvos. Cuidadosa e deliberadamente a conspiração ganhou presença em todos os departamentos administrativos de Lorde Príncipe EN-LIL.

Então, Príncipe MARDUK e os SHET-I escondidos estavam prontos. A ordem foi dada para iniciar o ataque. Invadindo ERIDU com suas naves de guerra, MARDUK atacou traiçoeira e impiedosamente. As forças DAK e BEH de ERIDU foram surpreendidas. Trabalhadores HEN-T nas salas de comunicações interromperam as transmissões sobre a invasão, impedindo que uma defesa efetiva fosse realizada.

Quando finalmente notificados, os Guerreiros DAK contra-atacaram em naves de guerra sabotadas, deixando-os indefesos. Muitos navios se desviaram ou eram dadas coordenadas erradas. O sistema de comunicação de ERIDU ficou mudo. EN-LIL fora derrotado. Os SHETI, e os HEN-T traidores cumpriram bem seu papel.

ERIDU, o posto ilha do Império ASA-RRR, agora era o capturado Império de Lorde Príncipe MARDUK, filho do Príncipe EA (EN-KI) e neto do Rei AN-U. MAR-DUK saíra vitorioso, a ‘Guerra de Tomada’, apoiada pelos rebeldes reptilianos, fora um sucesso além das expectativas. A ocultação, o subterfúgio, as ações escondidas, haviam evitado um confronto direto.

Príncipe EN-LIL e seus seguidores fugiram de volta aos mundos distantes de ASA-RRR. Príncipe EA levou muitos de seus seguidores e criaturas ADAMUS para seu sistema solar, ‘BAAL-EA-DAUS’ (Plêiades) ‘Lugar de BAAL (Lorde) EA DA (O Criador)’.

Os filhos Reais de ambos os Lordes EA e EN-LIL também foram forçados a fugir. Quando MARDUK pousou no planeta ERIDU, seu lugar no Trono não tinha desafiante. Para assegurar-se de que nenhuma ameaça ocorreria no futuro, o Príncipe imediatamente ordenou a busca por qualquer herdeiro Real. A escolha deles seria fácil: subjugação total ou a morte. Todo o Império ERIDU reverenciaria MARDUK, isso ele garantiria.

Assegurado no Trono, MARDUK iniciou sua campanha final… mudar ou destruir qualquer menção atribuindo qualquer ato heróico ou realizações Reais para outro que não ele mesmo. Monumentos de pedra, obeliscos e edifícios foram alterados por cortadores de pedra, placas de argila ou madeira foram queimadas ou destruídas (NT – usadas para escrever). Nenhuma lembrança de qualquer outro Monarca poderia subsistir. MARDUK se tornara o início e o fim de todas as coisas. Ele se auto-proclamou Senhor Deus e Criador do Universo.

Dali em diante ele era o ‘Deus Sol RRA’.

Então, os registros de ERIDU foram alterados. O Reinado de RRA-MARDUK era total e retroativo.

Somente uma mudança restava a ser feita. Os registros ganharam uma nova roupagem, mas as memórias ainda permaneciam. Usando técnicas de alteração de memória de seus subordinados reptilianos SSA-TA, o novo Rei RRA ordenou a sistemática mudança nas mentes dos seres de ERIDU.

Para cumprir a tarefa monumental, os SSA-TA converteram estruturas existentes, com câmaras, para ‘reprogramação’. Um por um, ou em grupos, os colonos e as criaturas, ADAMA e ADAPA, recebiam promessas de riquezas, propriedades, poder, favores sexuais, qualquer coisa que dirigisse as vítimas para dentro dos túneis que desembocavam nas salas de ‘reprogramação’ bem iluminadas. Uma vez lá dentro, as memórias eram apagadas ou alteradas.

Memórias ‘de fundo’, imagens feitas para impedir a volta da memória original eram comumente implantadas.

O Deus Sol RRA seria o único Deus nos registros, o único Deus nas memórias. Colonos e criaturas que recusavam o tratamento voluntário eram aprisionados e levados à força para as câmaras de alteração para ajustamento. Alguns EA-SU fugiram para a natureza selvagem e montanhas, ali para gravar em pedra as pistas da ‘tomada’ secreta, o Deus Sol RRA e os SHET… ANTES de sua captura e reprogramação.

De alguma forma a verdade viria à tona novamente. As pistas, entretanto, permaneceriam escondidas, até serem descobertas e reconhecidas ou decifradas. (A ‘Face de Marte’ e as ‘Cidades Condenadas da Lua’ são alguns exemplos.

Com o tempo, os SHET-I completaram sua tarefa. A população de ERIDU havia ‘esquecido’.

Ao tomarem seus caminhos, entretanto, todos tinham uma vaga sensação de aflição, alguma coisa não estava mais lá, algo estava faltando. E curiosamente, embora não tivessem um passado em comum, cada um se lembrava, uma luz brilhante no fim de um túnel. E todos sabiam que deveriam ir para a luz e entrar na luz… pois lá estava sua maior recompensa.

Como garantia, os SSA-TA tiveram mais uma precaução.

Para garantir que a ‘paixão’ inseria na Criatura, o Presente da Pena, não desse ímpeto a uma rebelião, os lagartos rebeldes construíram imensas torres que transmitiriam uma nuvem de sinais eletrônicos destinados a manter a Criatura em uma névoa, um estado dócil. O cobertor eletrônico também servia para prevenir que sinais externos alcançassem a Criatura.

A ninguém, nem EA, nem EN-LIL, nem as Rainhas ARI-AN, seria permitido contactar a Criatura.

Para continuar controlando a Criatura, as Casas de Obediência de Príncipe EN-LIL, onde as Criaturas deveriam ir a cada sétimo dia para lições de obediência, foram tomadas pelos SSA-TA.

Doutrinas que apoiassem o Império tornaram-se dogma. Os ensinamentos, o Caminhos de EA, tornaram-se malévolos e as palavras de um demônio. EA, um fornecedor de vida K-D (G-D) seria chamado ‘DA-EA BA-EL’ (Criador EA, Senhor Pai’) ‘O Malvado’, ‘O Diabólico’.

Mas os SHET-I não arriscariam nada. Se uma única placa de argila aparecesse com a história dos seres antigos, metade homem, metade fera, seres estelares que voavam pelos céus, ou um Deus rebelde no Monte Olímpio… seriam todos fábulas e mitos do homem primitivo. Eram histórias de fantasia, nada mais. O Homem ‘racional’, o Homem ‘trabalhador’, não deveria se preocupar com os ‘assuntos de crianças’.

A negação do mundo antes do Senhor RRA estava completa.

Os lagartos SHET-I que tiveram um papel ativo na tomada e na reprogramação foram elevados ao status de Senhores-Supremos e Administradores dos sistemas existentes de trabalhadores. A era dos Lordes e Mestres SIRIANOS acabara. Príncipe EN-LIL, o Senhor do Mundo se fora. A ‘Era Dourada’ de crescimento e desenvolvimento acabara.

ERIDU, um sistema solar primitivo desenvolvido como uma fortaleza por um Rei da Estrela Sírius; ERIDU, um planeta praticamente destruído em uma Guerra de Rebelião liderada pelo Senhor da Guerra AR-ZU (Zeus) e reconstruído por Cientistas de Gênese; ERIDU, o primeiro acampamento e cidade do planeta renascido; ERIDU, o lugar de conquistas e guerras, o lugar de subjugação e reinado das estrelas, era agora ERIDU, um mundo com uma história reconstruída, um passado fabricado, RRA era o Deus Sol, mas os répteis é que mandavam.

Assim como os ASA-RRR haviam feito antes, os SHET-I começaram a aumentar a produção e a eficiência da Operação. Adicionado a isso, entretanto, eles iniciaram o desenvolvimento e produção de uma nova droga chamada ‘S-MA’. Originalmente uma droga usada somente por Reis, os SHET-I começaram a fabricar e vender a droga a todos os seres da galáxia. Os lucros eram estratosféricos e Lorde RRA rapidamente tornou-se um dos Reis mais ricos do Nono Setor.

Com sua imensa riqueza, RRA construiu um Império e um exército que nada devia aos outros. Sua aliança com os SSA-TA havia dado a Lorde RRA a segurança de manter AN-U e outros Guerreiros Conquistadores bem longe. Senhor Deus RRA viveria para sempre!

Bem… era o que ele esperava…

O Grande Senhor Deus RRA governava com mãos-de-ferro, os caminhos de ASA-RRR ainda em suas veias. Os SHET-I auxiliavam na regência de ERIDU, eficiente e friamente. Mas Lorde RRA não confiava nos SHET-I. Se eles traíram sua própria Rainha, eles não hesitariam em trair Lorde RRA.

Os SHET-I eram répteis de sangue frio, antipáticos a qualquer raça. E, embora ele fosse Deus, RRA era um estranho no ninho. O relacionamento entre eles, sua aliança, eram negócios e nada mais para eles. RRA sabia que eles não eram confiáveis.

Então Lorde RRA manobrou para colocar seus mais leais sacerdotes e seus filhos no controle do Império. Conhecido por todos como ‘RA-KA’, ‘RRA, o Senhor Pai’, ele instruiu seus filhos na gerência das riquezas do Império. Ao serem designados em suas posições, eles ficaram conhecidos como ‘RA-KA-M’, ‘um filho de RA’. (posteriormente KA-M seria convertido em KAM, o nome de um escudo. Isso daria aos filhos de RA um novo nome, ‘RA-KAM’, ‘aqueles do Escudo de RA’).

Para manter controle do Centro crucial de Reanimação, Lorde RRA selecionou um grupo de sacerdotes de elite para proteger e se responsabilizar pelas câmaras. Eles também seriam Senhores Administradores dos assuntos do Império. Conhecidos como os ‘RA-KA-PER-A-A’, ou os “Faraós RA-KA’, eles serviam como subordinados leais a Lorde RRA.

Mas o Senhor Deus RRA não era onipotente. Seu poder, seu Império, era dependente dos SHET-I. Reconhecendo que seu Trono era vulnerável, Lorde Deus RRA considerou a possibilidade de formar uma aliança com o Império ASA-RRR. Sua riqueza e poder certamente lhe garantiriam barganhar, ele sentia. Lorde Deus RRA precisava de outra aliança para proteger-se.

Já era, no entanto, tarde demais.

Antes que ele pudesse fazer qualquer coisa, na escuridão da noite, um golpe ocorreu. Sem violência, sem batalha, os SHET-I simples e silenciosamente, tomaram conta de tudo. Quando o sol raiou no Palácio, os SHET-I estavam no controle. Todos os Guerreiros de elite e guardas de Lorde RRA estavam aprisionados ou mortos. Restava somente a tarefa de capturar o próprio Deus RRA.

Mas o destino estava com o Rei Sol. Leais seguidores do Rei entraram em seus aposentos Reais para despertá-lo de seu sono. Para sua sorte, um plano de fuga havia sido elaborado para afastá-lo do alcance de seus perseguidores. Com os guardas reptilianos nos seus calcanhares, Lorde RRA escapou por pouco.

Ao observar abaixo, a partir de sua nave estelar que estava no alto, ele olhou para o que uma vez fora seu magnífico Império, mas agora ele acabara. O Reinado de RRA não mais existia.

Com a partida de Lorde RRA, a era do Império Siriano sobre ERIDU estava acabada. ERIDU, o sistema solar que havia sofrido guerras devastadoras e destrutivas, caiu nas mãos dos répteis SSA-TA sem luta. As criaturas subterrâneas haviam desfeito os Impérios do Deus Sol RRA, do Príncipe EN-LIL, do Grande Rei AN-U e até mesmo das Rainhas ARI-AN SSS-T, com sucesso.

Os SSA-TA tornaram-se Donos do mercado S-MA, um negócio ilícito lucrativo, e Mestres da Nona Passagem, as rotas Estelares necessárias para viajar de e para as Estrelas Centrais e o Império ARI-AN.

Em um movimento rápido e corajoso, os SSA-TA fizeram-se uma das mais poderosas e ricas raças do Nono Setor. O controle do sistema solar não daria chance ao inesperado. Manipulação das mentes de todos os habitantes, incluindo o controle das mentes dos rebentos de RRA, seus fiéis sacerdotes e todos os membros da corte de RRA, foi realizada imediata e completamente.

O que Lorde RRA havia começado… os SSA-TA terminariam. O apagar de memórias e o controle das mentes seriam expandidas para incluir sua própria família e corte. Dali por diante, os Escudos de RA (RA’s SHIELD) e os Faraós RAKA, seriam leais porém inconscientes, servos dos Répteis.

As criaturas ADAMA continuaram a trabalhar para seus novos Senhores, inconscientes das mudanças, inconscientes de que eram escravos. A vida era trabalhar diariamente para os Mestres. Se a criatura fizesse bem seu dever, o futuro significava ser libertado e viver por conta própria.

Em algum lugar, no fundo de sua mente, a criatura tinha memórias de uma vida anterior.

“Não estão nos dizendo toda a verdade…Pensava a criatura”.

A criatura tinha razão…

NAASHA, um termo que significa ‘para ser forte, ser grandioso’ era mostrado nos primeiros hieróglifos como um braço segurando um chicote. Nas eras subsequentes, foi mudado para uma figura de lagarto. Nenhuma explicação foi oferecida.

PESTCH-T, um termo que significava ‘Primeiros e Grandiosos Nove Deuses’, foi mostrado nos primeiros hieróglifos por um machado. Nas eras seguintes, os machados foram substituídos por crocodilos. Nenhuma explicação foi oferecida.

OS SHET-I

Pelos últimos quatro mil anos, a Humanidade foi enganada.

Os SHET-I ainda estão aqui. Índios Americanos que sabem de sua existência os chamam de ‘CHET-U’, ‘Homens Lagarto’. Escondidos na escuridão, eles emergem de seus domínios para atormentar e usar os humanos para seus propósitos.

Os SHET-I são conhecidos atualmente como os CINZENTOS (GREYS).

Criados a partir do material genético dos seres SSS e dos próprios seres ASA-RRR, os SHET-I são lagartos híbridos que mantém muitas das características de seus progenitores.

Como os seres ASA-RRR (EA, EN-LIL, AN-U, etc) tinham grandes caixas cranianas (maior capacidade cerebral) os CINZAS também têm. Mas grandes olhos negros são remanescentes da tendência SSS para olhos enormes, principalmente se eles tendem a habitar cavernas, câmaras subterrâneas, onde a luz seria mínima.

Os SHET-I também mantiveram uma estatura média baixa de sua ancestralidade de lagartos e uma aparência de fragilidade corporal. A comparação com a ramificação dos pequenos lagartos mostrará uma forte similaridade.

Como descendentes dos répteis SSS, os SHET-I também mantiveram a cor e a textura de pele dos répteis. De um cinza rajado a um bege claro, a pele dos SHET-I é fria e úmida ao toque. Embora os seres ASA-RRR tivessem narinas e orelhas, os SHET-I tendem a não ter mais do que orifícios para ambos as narinas e ouvidos (remanescentes das cobras). Suas mãos são reptilianas, com garras e membranas.

Alguns relatos revelam que o crânio dos CINZAS têm um osso cristalino (e em forma de crista) separando os hemisférios do cérebro. Esse é um resultado direto das melhorias que Príncipe EA fez nos SHET-I. Ossos cristalinos no cérebro permitem maior receptividade de sinais de controle.

Um outro depoimento revela que os CINZAS possuem um sistema circulatório com dois corações; o motivo será discutido mais à frente. Praticamente não há um trato gastrointestinal, ele encolheu para perto de nada devido ao uso persistente das glândulas. Órgãos reprodutivos geralmente não estão presentes – reprodução não é uma das funções da existência dos CINZAS.

Por milhares de anos, os CINZAS foram os principais, embora não os únicos, agentes por trás dos fenômenos conhecidos como ‘abduções’. Utilizando as técnicas de alteração de mentes de seus ancestrais SSA-TA, os CINZAS continuam a apagar e alterar as mentes como uma ‘máscara’ para esconder a experiência da vítima.

Pessoas abduzidas sempre reportam perda de memórias, um estado mental alterado, geralmente constante, a não ser que ocorra alguma hipnose ou outro fator externo que as faça lembrar.

Numerosos psicólogos reportam memórias implantadas, aparentemente com a intenção de se sobrepor ao real evento, enterrado na psique da vítima de abdução. Comumente as memórias mudam de um medo por CINZAS de olhos grades para medo de corujas de olhos grandes ou outros animais.

Embora a alteração das mentes de vítimas de abdução possa, às vezes, aumentar as habilidades mentais (exemplo: clarividência, clariaudiência, etc), o propósito das abduções não é benevolente, mas sim, apagar memórias ‘inapropriadas’ ou para preparar o sujeito para outros fins.

E eles estão entre nós, nos vigiando, fazendo abduções e apagando memórias como uma fita de vídeo em branco… pois isso serve a seus propósitos.

Nós somos deles…

Por enquanto…

A GUERRA

Tendo lido esse artigo até aqui o leitor está certamente se perguntando:

Se o autor propõe que o conteúdo desses textos sejam verdade, então onde ELES estão agora?

Onde estão os répteis SSA-TA?

Onde estão os seres ASA-RRR EA, EN-LIL ou AN-U? Os répteis rebeldes SSA-TA ainda estão no controle? As batalhas sobre ERIDU (Terra) terminaram? Eles se foram?

A resposta é um simples… Não.

Nos últimos dois mil anos, várias tentativas foram feitas para tentar minar a ocupação dos rebeldes reptilianos SSA-TA. Uma das mais recentes tentativas foi de um braço do próprio Império SSS. Penetrando a cobertura eletrônica e contactando um humano vulnerável chamado Adolf Hitler, que admitiu abertamente ser visitado ‘Pelos Antigos’ um movimento ‘ARIANO’ mundial, encabeçado pelo corpo de elite ‘SS’, quase conseguindo dominar a totalidade de nosso mundo ‘dócil’.

Se, como o autor sugere, os ARI-AN continuam em seus esforços para retomar o sistema solar, novos movimentos advindos diretamente dos SSS deverão eclodir. Eles aparecerão na forma de grupos de supremacia ‘ARIANA’, como os Skinheads, Irmãos Brancos, Neonazistas, etc.

Répteis como seres amigáveis ou ‘heroicos’ lutando pelo bem da humanidade aparecerão em todos os campos da mídia. Figuras como Barney, Tartarugas Ninja e outros Super-heróis se tornarão heróis de nossos filhos e modelos de comportamento. Répteis, particularmente na forma de dinossauros aparecerão por toda parte em nosso pequeno planeta.

Os SIRIANOS, os criadores originais das religiões usadas para controlar a humanidade, também tentaram retomar. Fervor religioso recorrente já ocorreu no mundo em eras passadas, a Inquisição, as Guerras Papais, os numerosos ‘messias’ e as visões de ‘milagres’ foram todos esforços de trazer a humanidade de volta à influência de ASA-RRR.

Se eles também estão tentando retomar a Terra como o autor sugere, então o ressurgimento do fundamentalismo deverá ocorrer.

Embora a imagem dos anjos como protetores da Humanidade tenha começado com Príncipe EN-KI, ‘EN-KI-ELS’, ‘Lordes de EN-KI’ (EA), posteriores poderes dentro da Igreja removeram a figura de anjo de Príncipe EA e botou sob seu próprio domínio. Para se estabelecer como única Salvação para o futuro da Humanidade, a Igreja (sistema ASA-RRR), na forma e nas imagens de anjos, aparecerá por toda a parte!

Como um sinal para os seguidores SIRIANOS que a Nave-estelar AR partiu em direção a este sistema solar, imagens de enormes Naves-planetárias e suas tripulações apresentadas como heróis salvadores da Humanidade e da Terra, estarão por toda a parte. Há seres ‘bons’ e divinos vindo para cá.

Para contrapor a imagem de seres ‘bons’ e divinos, os répteis SSA-TA estão preenchendo o cenário com imagens de asteroides ameaçadores, cuja intenção é causar preocupação à população mundial, dando uma justificativa para mirar mísseis anti-asteroides para o céu com propósitos ‘defensivos’.

Por conta da cobertura eletrônica colocada sobre a Humanidade e a Terra ser tão espalhada e intensa, outros sinais transmitidos, das forças ARI-AN e ASA-RRR, são evitados ou embaralhados.

Como tentativa de se comunicar com os Homens, especialmente aqueles capazes de se lembrar ou decifrar as ‘pistas’, sinais visuais estão sendo enviados. Eles são conhecidos como “círculos de plantações”.

Círculos de plantações dirigidos às forças secretas Sirianas carregam incríveis semelhanças com antigos glifos egípcios. Círculos de plantações dirigidos às forças de Lorde RA, comumente tem um formato de bola de futebol americano (a ‘boca’ de RA), ou um círculo com um ponto no centro (o ‘Deus Sol RA’). Círculos com a Cruz Céltica ou outras formas de ‘Cruz’ são dirigidas às guerrilhas Sirianas, para que elas saibam que não foram esquecidas.

Círculos de plantações dirigidas às forças Arianas comumente tem o formato de cobra. Criaturas tipo insetos também são parte das tentativas de comunicação.

Formas matemáticas (MANDELBROT, triângulos, etc.) são sinais do Príncipe EA para a fera ‘aguentar firme’. Ele não esqueceu seu ‘experimento renegado’.

Alguns destes círculos são ‘cópias’ forjados por passantes querendo participar dos acontecimentos. Outros são círculos deliberadamente alterados pelos nossos governos ou uma agência, para impedir que ‘muita informação’ chegue a público.

O mundo do Homem está sendo bombardeado por sinais de uma guerra que se aproxima. ‘Gatilhos de memória’ (JOGS), lembranças na forma de filmes, livros, artigos de revistas, gibis, propaganda e comerciais são uma ocorrência diária, visível se o Homem puder olhar… e ouvir.

Isso será perturbador para a humanidade? Sim.

Mas a ‘fazenda’ não deve ser perturbada. Ninguém quer a ‘fazenda’ destruída. E, se a Fera (Humanidade) despertar, poderá participar da guerra do sistema solar que se aproxima, e então causar a destruição da Fazenda, a Fera deverá ser controlada.

Implantar dispositivos de controle mental seria desejável, mas infelizmente (NT – felizmente para nós), é muito pouco prático. Se um dispositivo de controle no cérebro não é possível, um dispositivo externo localizado na proximidade do cérebro é uma alternativa viável. Mas como a Fera poderá ser persuadida para usar e carregar o dispositivo voluntariamente? A Fera deve ser enganada.

O cérebro humano funciona em frequências eletrônicas que são equivalentes a somente um dispositivo disponível no mercado atualmente, um aparelho chamado… telefone celular. Missão cumprida!

Novos aparelhos eletrônicos pessoais, outra forma de unidades de controle, também aumentarão em número e variedade. Fitas cassetes, toca CD’s com headfones, dispositivos de realidade virtual, analisadores de ondas cerebrais, notebooks, pagers, beepers, e uma nova gama de aparelhos manterá o Homem ‘encoberto’ pela nuvem eletrônica de embaralhamento e controle.

Drogas, na forma de remédios, alteradores de humor, controle de peso e dietas, analgésicos/anestésicos, para dormir e para evitar de dormir também serão usados para controlar o Homem. Drogas legais, tais como cigarros, álcool ou ilegais (narcóticos), são ainda outra parte dos programas de controle desenvolvidos para manter o Homem dócil.

Para evitar qualquer chance do Homem ser motivado a agir contra qualquer dos grupos em conflito, e lutar por si mesmo, a modificação de comportamento requer que nenhum ser humano receberá o status de ‘Herói’.

Portanto, somente pessoas que são exemplos de comportamento ‘adequado’, receberão reconhecimento e recompensas.

Vítimas, mártires, prisioneiros de guerra torturados, pessoas que morreram a serviço de seu país… todos exemplos de humanos que não reagiram, mas aguentaram grande sofrimento… esses serão os novos ‘Heróis’, os novos padrões desejados. Qualquer humano que chegar muito perto do status de Herói, que se comporta independentemente, será alvo de campanhas difamatórias e coisas piores, tudo na intenção de derrubá-los.

Controle populacional deve aumentar de intensidade e em número de programas. Somente os homens e mulheres ‘certos’ serão permitidos continuar dentro do sistema da ‘Fazenda’.

Desaparecimentos e abduções, particularmente de mulheres e das crianças mais novas aumentarão – ‘Diminuir’ a quantidade de populações indesejáveis aumentará – Novas e misteriosas doenças aéreas serão desenvolvidas.

A obesidade aumentará, a passividade será desejável e as disfunções sexuais aumentarão nos machos da espécie. Um aumento nas transmissões eletrônicas causará na maioria das mulheres uma diminuição no ciclo menstrual de 28 para 25 dias.

O palco está montado. A Guerra começou. ERIDU é o prêmio, o Homem é seu servo.

Enquanto o Homem procurar por salvação “lá fora’, ele pavimenta o caminho para Seres que desejam tornar-se seus Mestres.

TERRA – LIVRO 2

ERIDANUS, nossa galáxia, é o lar de bilhões de seres, raças estelares tão variadas quanto as próprias estrelas, mas cada raça nascida da mesma fórmula evolucionária.

Do primeiro lampejo de Vida para o nascimento da primeira célula, da divisão da célula para a formação de amebas e delas para altamente complexas criaturas aquáticas, do primeiro peixe grande para os seres que saem para a terra firme, cada raça dos Povos Estelares essencialmente seguiram o mesmo caminho… de estruturas celulares simples para ‘humanoides’ complexos, tal é a ‘norma’ da nossa galáxia.

Humanoides são a regra, NÃO a exceção.

As Raças Estelares são descendentes de Répteis, Insetos, Pássaros e outras formas que a Humanidade nem poderia imaginar. Duas raças de Seres Estelares monopolizam a história de nossa galáxia… e da Terra.

No Nono Setor, uma das mais antigas Raças Estelares é a dos reptilianos ARI-AN. Descendentes de ancestrais dinossauros, as Rainhas ARI-AN criaram o único mais poderoso Império galáctico neste setor de ERIDANUS.

Possuindo Guerreiros de inigualável ferocidade e coragem (chamados de M-K ou M-G), o Império ARI-AN não tinha rival em poder e tamanho.

Milhões de anos de incontáveis batalhas haviam levado as Ciências de Guerra do Império ARI-AN até quase à perfeição.

Novos métodos foram desenvolvidos. Populações conquistadas eram uma propriedade ao invés de uma responsabilidade. A resistência era eliminada simplesmente reprogramando as mentes daqueles ‘mais difíceis’. Um inimigo capaz se tornava um servo obediente ao Trono com uma simples operação.

O domínio ARI-AN no Nono Setor era virtualmente completo, e definitivamente produtivo. Até o tempo de uma evolução inesperada em outro Sistema Estelar.

Esta segunda Raça Estelar era descendente de criaturas caninas similares a lobos. Eles eram chamados de ‘KANUS’, Seres Lobo do Sistema Estelar de SIRIUS (a Estrela Cão).

Seu Império não era tão antigo ou desenvolvido como o Reino ARI-AN, mas o fervor, a ferocidade de seus Guerreiros (conhecidos como os D-K ou T-K) era feroz e bárbaro, o suficiente para preocupar até mesmo o mais disciplinado dos Guerreiros M-K ARI-AN.

Avançando contra os exércitos inimigos e depois parando para devorar a carne dos caídos, os soldados D-K deram a seus Reis vitórias atrás de vitórias. Ao expandir seu Império, os Reis KANUS começaram a preocupar as Rainhas ARI-AN.

Uma ‘Avenida Estelar’ conhecida como PESH-METEN (Nona Passagem) era um super corredor estelar vital que ligava as Estrelas Centrais com a periferia da galáxia. Controlando essa Avenida Estelar, as Rainhas ARI-AN mantinham o poder sobre seu Império, coletavam pedágio, e influenciavam os assuntos políticos das Estrelas Centrais.

A expansão dos Reis Sirianos começou a ameaçar PESH-METEN, uma possibilidade que as Rainhas não iriam permitir.

As Rainhas se aproximaram dos Reis Sirianos com uma oferta de aliança. Se os Reis KANUS concordassem em jurar lealdade para as Rainhas ARI-AN, as Rainhas lhes permitiriam manter controle da porção exterior da Avenida Estelar, obtendo lucros e poder sobre o tráfego nessa Passagem. Se a oferta da Aliança fosse recusada, as Rainhas ARI-AN não teriam outra escolha a não ser varrer as Forças de Guerra Sirianas… e o próprio sistema estelar Siriano.

Os Reis Sirianos enxergaram o poder oferecido a eles nesta aliança com as Rainhas ARI-AN e prontamente aceitaram. Então, a Aliança entre as Rainhas Reptilianas e os Reis Lobos nascia. Guerreiros M-K e D-K lutariam lado a lado… os sistemas estelares de ARI-AN (Órion) e SIRIUS eram aliados.

E por um tempo, a paz reinou no Nono Setor.

Um novo sistema estelar nasceu muito próximo à Via Estelar, sua posição muito claramente um lugar de onde o Rei Siriano poderiam fortalecer sua presença na Passagem Estelar e tornar sua posição mais importante para os assuntos da galáxia. Novos mundos também são fontes de metais preciosos e minerais não explorados, bem como compostos elementais vitais.

O Rei Siriano rapidamente tomou posse do novo sistema estelar e começou a explorar seus recursos. O sistema estelar BAD tornou-se um posto avançado crucial para ambos Sirianos e Arianos. Poder e riqueza para ambos os Impérios continuou a crescer.

Mas um golpe na corte Real Siriana forçou o Rei que fora responsável pelo desenvolvimento da nova estrela e seus planetas a fugir por sua vida. Os residentes do novo sistema solar cumprimentaram alegremente seu benfeitor, dando-lhe o paraíso. E em seu posto na colônia, o Rei continuou a desenvolver os planetas e luas de BAD.

Costurando um acordo com as Rainhas de Órion, o Rei concordou em pagar tributo aos Tronos ARI-AN e KANUS, em troca de sua segurança. Embora o novo Rei Siriano, AN, quisesse a morte do Rei deposto, ele foi forçado a obedecer, a aceitar o acordo imposto pelas Rainhas.

E novamente, por um curto período… a paz reinou.

O caminho dos Conquistadores demanda constante vigilância. Poder não é transmitido… é tomado… ou perdido. Este é o caminho de ambos os Impérios de Órion e Siriano. O Rei ou Rainha que é pego ‘dormindo’ quase certamente permanecerá dormindo… eternamente.

A morte do Rei deposto nos mundos longínquos deram ao Rei Siriano razões para alegria, seu odiado rival de longa data estava morto. Mas o neto do agora morto-Rei deposto, um irado jovem Príncipe, subiu ao poder… e com ele veio a Grande Rebelião.

Lorde ZU, conhecido como ZU-ZU (ZUZ), expulsou o Rei Siriano e os Guerreiros D-K. A lealdade do povo de BAD e uma incrível habilidade militar, permitiram ao Rei Lorde ZUZ vencer contra as estrelas distantes de Sírius. A ‘Era Dourada’ de um antigo Deus ZUZ no Monte AL-AMBU-Z (Olympus – Olímpio) havia chegado.
Mas o tempo conspiraria contra o jovem Rei.

As forças dos Impérios de Órion e Sírius se juntariam contra ele. O sistema solar BAD sofreria toda a devastação das Naves de Guerra e seus armamentos. Toda lembrança do Lorde rebelde e (UPSTART) do Rei ZU seria eliminada. Mundos inteiros e suas populações foram destruídos, luas e suas pequenas colônias foram demolidas. A ira do Rei AN foi impiedosa e total, nada permaneceria… e não haveria prisioneiros.

A Era Dourada de ZUZ acabara.

Milhões de anos mais tarde, Rei AN enviaria seu filho, um cientista de Gênese, para reconstruir os mundos destruídos. Recursos eram muito necessários e o valor estratégico do posto do sistema estelar era muito importante para permanecer abandonado.

Através dos esforços do jovem Príncipe EA (EN-KI), um planeta foi trazido de volta à vida. O Criador de Gênese devolveu vida à atmosfera, os mares novamente cheios de vida e movimento. Plantas, árvores e flores apareceram na superfície das terras, criaturas foram mescladas… a vida caminhava novamente no mundo tido como morto. ERIDU surgiu das cinzas.

Trabalhadores e técnicos vieram com suas famílias, cidades floresceram, as operações de mineração de metais preciosos, minérios e outros elementos começaram a dar resultado. Colonizadores vieram de diversas partes do Nono Setor para serem residentes no novo mundo.

O jovem Príncipe continuou a fabricar novas criaturas para habitar o planeta, um deles… uma mescla fera-hominídea. Seu único propósito era servir aos Senhores e Mestres, ser escravo nas minas e campos para um Império nos céus necessitado de metais preciosos e outros elementos, este era o destino da Fera.

Reis Sirianos, Príncipes e Princesas vieram governar os novos mundos.

Inveja, ganância e o caminho do Conquistador tornaram-se parte da vida em ERIDU. O jovem Príncipe Criador, o cientista de Gênese que havia reconstruído o mundo, foi removido como Lorde do Domínio.

O Império, a manutenção do próprio sistema, estava ameaçado. A criação da vida, experimentos explorando os potenciais de novas criaturas, deveriam ser postas de lado. E então o jovem Príncipe foi substituído, por seu próprio irmão como Lorde do Domínio.

Então, a Saga da Fera, a Iluminação e a Escravização do Homem, continua…

O EA-SU

Príncipe EA achou a Fera no Jardim no centro do complexo Bio-Agrícola.

A criatura seria a chave para desfazer o domínio de EN-LIL sobre ERIDU. A Fera só poderia procriar sob estritas condições, e somente com um parceiro selecionado especificamente. Os programas de reprodução genética deveriam ser cuidadosamente controlados. O Império dependia de forças de trabalho compostas de trabalhadores subservientes e obedientes.

O irado Príncipe decidiu balançar as próprias fundações da nova colônia. Ele revelaria à Fera os conhecimentos secretos dos Deuses… o sexo poderia ser feito a qualquer tempo e pelo simples prazer que proporcionava. Enquanto o escravo deve botar o trabalho à frente de tudo, os Senhores botavam os prazeres acima de tudo. Servos trabalhavam sem parar para que os Mestres pudessem se deliciar nos inebriantes prazeres eróticos.

À Feras foi dado o conhecimento de “se conhecerem” a qualquer tempo e a si mesmos.

O Príncipe ensinou à criatura como ter um encontro clandestino, como se esconder de observadores, e onde procurar por locais escondidos para apreciar seus recentemente adquiridos conhecimentos. E a Fera se entregou ao prazer…

Mas a Fera seria descoberta. Sua transgressão, um crime contra o Estado, não podia ser escondida. Sua nudez revelava seu estado de excitação. Os Guardas não tinham dificuldade em identificar os transgressores. Até as fêmeas mostravam sinais externos, embora de forma bem mais sutil.

As Feras desobedientes foram expulsas dos Jardins, eles ficaram conhecidos como ADA-MUS, as ‘criaturas monstro’. Feras leais permaneceram, eles eram conhecidos como ADA-PAS, ‘os sábios’. Estas Feras trabalhadoras foram permitidos permanecer no Jardim… mas as Regras sob os quais viveriam aumentariam em número e severidade. A punição tornou-se mais brutal.

Príncipe EA foi descrito como o próprio Mal. Todo e qualquer trabalhador do Príncipe foi rotulado como ‘anti-Estado’, e recebia a tarefa do pior criminoso. DA-EA (O Criador – EA), BA-EL (Pai-Lorde) então o Lorde Pai Criador EA fora chamado de DA-EA-BA-EL (Diablo – Diabo), ‘O Malvado’.

Por muitos milhares de anos o tumulto continuou. Lorde Príncipe EA pagaria o preço por seu crime, mas ele era o primogênito do próprio Rei. As Feras desobedientes foram exiladas, a morte certa as aguardava. Príncipe EA não mais teria os poderes que tivera, suas honrarias, retiradas. Outrora um Príncipe orgulhoso, ele fora permitido permanecer nas colônias, mas nunca mais seria uma fonte de influência.

Embora sem poder, o Príncipe continuou seu trabalho com as Feras rejeitadas. Nas pobres criaturas ele podia enxergar uma possibilidade, uma vida fora do sistema. A vida seguindo os caminhos das suas escolhas, a vida sendo vivida pela vida em si.

Instruído para criar escolas especiais para ensinar os leais subordinados de Príncipe EN-LIL nos segredos das Ciências, o derrotado Príncipe EA começou a criar a ‘Irmandade’, aqueles que seriam os administradores e sacerdotes de Lorde EN-LIL. O símbolo das Ciências, Conhecimento em si, era uma serpente facilmente reconhecível (um tributo às Rainhas reptilianas ARI-AN e ao próprio Império).

Então, os iniciados destas escolas seriam conhecidos como a ‘Irmandade da Serpente’.

Mas as escolas deram a Príncipe EA uma ideia. À Fera seria dada a oportunidade de aprender os segredos também!

Secretamente, o Príncipe encontrava-se com as Feras nas cavernas das colinas. As cavernas seriam conhecidas como as ‘TCHE-L-US’ (A Palavra-Lugar-de, ‘Lugar da Palavra ou Ensinamentos). Através dos anos de aparentemente infindáveis esforços, os ‘Tche-l-us’ (Che-r-ush/Sheirosh/Church – Igreja) deram esperança à Fera.

Histórias do paraíso perdido eram freqüentemente contadas, mas as lembranças eram tão distantes que tornavam-se vagas, na melhor das hipóteses.

O aprendizado da Fera começou com ensinamentos simples de sobrevivência, cozinhar com fogo e caçar, criar abrigos, fazer armadilhas simples e evitar os perigos do mundo selvagem. A Fera aprendeu e começou a passar suas habilidades para os mais jovens.

Para a agradável surpresa do Príncipe, algumas Feras eram capazes de aprender rapidamente e buscavam ainda mais conhecimento. Ansiosamente, o Príncipe começou a instruir a Fera nas artes secretas que ele houvera começado a ensinar nas escolas de Mistérios de EN-LIL. E a criatura aprendeu!

Os encontros nas cavernas permaneceram secretos. As Feras que mostravam potencial para ensinar ficaram conhecidas como EA-SU (EA-Os Sábios) ou ‘Filhos de EA/Filhos da Serpente’. (O símbolo de Príncipe EA, um cientista de Gênese, era um grupo de serpentes, não a serpente única da Irmandade. O próprio Príncipe EA era chamado ‘O Lorde Serpente’ ou ‘A Serpente’. Ele seria, então, a Serpente Sedutora do Éden).

Os EA-SU iniciaram sua missão de ensinar outras criaturas o que eles haviam aprendido do Príncipe Serpente. À medida que eles se embrenhavam na vastidão inexplorada, Príncipe EA observava orgulhoso. Eles haviam aprendido e se tornaram Professores por seus próprios esforços. Os EA-SU poderiam ajudar a liderar o caminho para uma vida de livre-arbítrio.

Mas Príncipe EN-LIL ficou sabendo das escolas secretas e imediatamente implementou seus próprios planos.

Despachando Feras híbridas leais, criadas por seus próprios cientistas de Gênese, Príncipe EN-LIL os infiltrou nas escolas das cavernas. Disfarçados de EA-SU, aqueles leais a EN-LIL criaram suas próprias ‘igrejas’, confundindo as Feras e provocando abandonos.

O Príncipe do Mundo estava contente com seus agentes. Eles confundiram as criaturas. Com as palavras dos falsos EA-SU, as Feras não podiam mais se entender ou se comunicar entre si… era pior que Babel.

O falso EA-SU sorriu, o verdadeiro EA-SU chorou.

RA

O golpe fora um sucesso.

Lorde Príncipe MAR-DUK, o primeiro filho do insultado Deus Criador EA, havia se tornado o ‘Primeiro e Único… Deus Sol RA’. Os lagartos SHET-I haviam reprogramado todos os súditos remanescentes em ERIDU. As Rainhas rebeldes SSA-TA, dos subterrâneos dos mundos de ARI-AN, haviam apoiado MAR-DUK sob a promessa de que os lagartos SHET-I seriam os administradores do novo Império. Eles haviam realizado bem o seu trabalho, MAR-DUK os manteria… por enquanto.

Com suas memórias apagadas, as Feras continuaram leais e muito desejosas em servir.

Outros membros de famílias Sirianas também deram apoio e legalidade a RA. Eles também haviam perdido suas memórias. E então o Império adentrou uma fase gloriosa. Todos aspiravam o mesmo objetivo… honrar e servir ao Deus Sol.

As Escolas de Mistérios tornaram-se fonte de sacerdotes que tinham somente um pensamento: honrar Lorde RA, de onde todas as coisas, criaturas e sabedoria provinham. Os segredos da galáxia e do Universo vinham pela boca de RA.

E então, as ‘igrejas’ se tornaram alvo de Lorde RA e dos SHETI. Onde antes os ensinamentos eram aqueles de Lorde Príncipe EA, agora eles eram ‘RA-LEG-US’ (‘RA-Leis/Palavras de’) – ‘Lugar das Palavras de RA’. (RA-leg-us/Religion – Religião). Aqui também, o propósito do sacerdócio e da irmandade era o de perpetuar a confusão e manter a verdade longe de ambos a Fera e os Lordes Sirianos.

Enquanto antes todas as Feras e súditos Sirianos eram forçados a honrar os Lordes Sirianos e, em última análise, oferecer maiores honras às Rainhas ARI-AN. Lorde RA, com a aprovação das Rainhas rebeldes SSA-TA, começou a sistematicamente remover todos os traços da presença de uma Deusa Mãe. Dali por diante, o Ser Onipotente era um macho… o próprio Deus Sol RA. Os machos dominariam todas as áreas da vida. Era chegado o tempo das fêmeas deixarem suas destacadas posições de poder.

Os lagartos SHETI, e seus primos lagartos HENTA, eram reconhecidos por suas habilidades em trabalhar pedras com equipamentos de corte. Usando seus cortadores sonoros e raios de calor com incrível precisão, os lagartos, com muita habilidade, podiam construir estruturas de pedra que não precisavam de nada além das próprias pedras para se manter de pé.

Essas criaturas, lagartos híbridos SHETI e HENTA, cruciais para o bom andamento do Império do Deus Sol RA, eram os ‘pedreiros-maçons’ originais.

(Nota – o glifo egípcio para os Maçons, ‘HUN-U’. ‘HUN’ é a palavra raiz que significa ‘Lagarto’. ‘HUN-U’ é, literalmente, ‘Aquele que é – dos Lagartos’).

O Deus Sol havia se tornado ‘O Primeiro e Único Deus-Rei’.

Mas o Rei estava preocupado com os lagartos. Eles haviam se tornado muito poderosos. Nenhuma área do Império estava longe de sua influência. Nenhuma posição administrativa estava livre da presença SHETI/HENTA. Com cuidado e em segredo, o Deus Sol RA tentou tirar a riqueza e poder dos controladores lagartos… mas não adiantou. Era tarde demais.

Os SHETI/HENTA e os rebeldes SAA-TA tomaram o Império… sem batalhas, com nenhum tiro… eles simplesmente desligaram tudo. O Deus Sol não podia se comunicar com ninguém. O Deus Sol não conseguia dar ordens. O Deus Sol não conseguia governar. O Deus Sol nada podia.
Com pouco a fazer, o Primeiro e Único Rei fugiu em sua Nave Estelar de volta aos céus.

Os lagartos SHETI nada mudaram. O Império continuou funcionando como antes. Embora os súditos de ERIDU houvessem sido programados para esquecer sua história, a aceitação do Deus Único e Onipotente não fora alterada. Isso servia bem aos objetivos dos lagartos. Eles assumiram o papel do Senhor do Mundo, Príncipe EN-LIL, eles assumiram o papel do Senhor da Criação, Príncipe EA, e eles organizaram todas as instituições que governariam a Humanidade, sua vida e seu destino.

O Deus Sol se fora, os Reis Lagartos estavam no comando.

Escolas de Mistérios foram fechadas por Thut-Mose, permanecendo somente algumas selecionadas. Somente os novos Pedreiros-Maçons poderiam participar. Em todos os cantos do reino, os Maçons controlariam os segredos e conhecimentos escondidos sobre o Universo.

Descendentes Sirianos dos Lordes originais de NIBIRU tornaram-se um alvo para o Novo Império. Suas riquezas e poder, direitos de nascença inerentes, começaram a ser retirados. Eles eram vistos como ameaças potenciais para o Estado. Os N-IBIRU (IBIRU/HEBREW) são tratados como indesejáveis e escravizados pela Nova Ordem do Império. O palco para o Êxodo está armado.

Moisés, um filho IBRU (Hebreu), é abandonado em um rio. Uma criada da Princesa, filha do Faraó, encontra a criança flutuando nos juncos. Ela o resgata e o leva à Princesa. A Dama Real o leva aos seus aposentos e o cria como se fosse seu filho. Já crescido e um jovem adulto, Moisés tem a oportunidade de estudar nas ‘Escolas de Mistérios’. Ele aprende os caminhos dos Maçons, mas é ensinado a acreditar no Deus Único.

Nas montanhas do deserto ele encontra uma pequena nave; suas luzes são ofuscantes. A tripulação é composta de Sirianos que buscam vingança contra os lagartos. O Comandante fala para um estupefato Moisés. Ele promete a Moisés que o Senhor do Mundo irá ajudá-lo se ele agir contra o Faraó. O Comandante e sua tripulação procuram libertar os descendentes de IBRU de seus opressores.

Moisés retorna ao Palácio, amedrontado, mas convencido que um Deus poderoso está lhe ajudando. A tripulação da nave Siriana e um pequeno esquadrão de apoio desce sobre o Palácio e seus guardas armados. Eles criam uma série de confusões enquanto Moisés está reunindo o povo IBRU.

A morte vem do céu sobre o povo do Faraó enquanto os IBRU fogem com Moisés liderando-os. As naves Sirianas agem rápida e eficientemente. Eles desejam dar a seus descendentes uma chance de escapar. Quando os exércitos do Faraó os perseguem, as naves Sirianas os atacam com raios lasers destruidores. Em um esforço final, as Naves Estelares dividem as águas do mar que bloqueia o Êxodo. Quando os IBRU passaram, as águas do mar voltam ao seu lugar, caindo sobre os perseguidores.

A história da abertura das águas do mar é verdadeira. Os IBRU escapam por conta de ajuda extra-terrestre. Os Sirianos partem, cumpriram sua missão. Os lagartos não se preocupam com os resultados. Eles ainda estão no controle.

Moisés continua a ser contatado pelo comandante Siriano. A ele é dito sobre o Senhor do Mundo e dos seres malévolos que controlam o Império. Moisés instrui os IBRU a fazer uma estátua de bronze de uma serpente, o símbolo galáctico de Conhecimento e Sabedoria. É chamado ‘NA-HUSH-TAN’. É um sinal aos Reis Sirianos e as Rainhas de Órion que os IBRU permanecem leais ao verdadeiro Senhor do Mundo.

O Patriarca IBRU é levado ao topo do monte, para lá receber mais uma vez os Comandos elaborados por Príncipe EN-LIL. Moisés recebe dois cristais planos, cada um com uma biblioteca da história da Terra. Moisés desce com os cristais e ordena seus seguidores para construírem uma urna para guardar os cristais.

Quando colocados na ‘Arca’ os dois cristais são ativados e tornam-se um dispositivo de comunicação. Dois ajudantes chegam muito perto e tocam a Arca quando ela está ‘ligada’. Eles provocam um curto circuito e destroem os cristais.

O Comandante não dispõe de cristais adicionais. Moisés, sentindo-se responsável, pune-se, jurando não entrar na Terra Prometida quando os IBRU chegarem. Seus seguidores acreditam que Deus puniu Moisés por ele ter matado o guarda.

O Êxodo fez com que o Novo Império procurasse por naves Sirianas e de Órion. O Comandante e seu esquadrão estavam em perigo e tiveram de partir. Sem comunicação e apoio, Moisés e os IBRU vagam pelo deserto, tentando evitar serem localizados e procurando abrigo.

Uma terra árida é onde as tribos decidem se estabelecer. Os lagartos entendem que não vale a pena perseguir os IBRU. Eles esperam que eles morram no deserto.

Os descendentes de IBRU, cansados e com fome, estabelecem-se em um local onde eles possam se recuperar.

Um grupo de Guerreiros M-G ARIANOS, que abandonaram as Rainhas no poder nas Estrelas de Órion para se juntar às forças Sirianas, deixam o Novo Império para formar uma colônia própria nas regiões montanhosas hoje conhecidas como Índia.

Embora anteriormente Sirianos leais, eles são conhecidos como os ‘ARYANOS’. De pele clara e possuindo sangue Guerreiro, eles rumam para o sul em direção às planícies.

Versados nos segredos Sirianos, eles estabelecem ‘Escolas de Mistérios’ próprias. Prometendo não desafiar ou sabotar o Novo Império, eles concordam em partilhar seus conhecimentos com os iniciados Maçons do Império Egípcio.

Mas em segredo, sua lealdade permaneceu com os Sirianos. Os Seres Estelares de Sírius são conhecidos como ASAR-U (‘Sirius-Aqueles de’). A religião ARIANA honra o Ser Celestial chamado ASURA. Fiéis aos caminhos dos Sirianos, eles estabelecem o que seria conhecido como sistema de ‘castas’, um modo de o poder ficar centrado nos Altos Sacerdotes e as elites.

A classe Guerreira está abaixo apenas da elite. Em seguida vêm os administradores, com os indesejados na base da hierarquia. Obediência é exigida. Fiel execução de suas funções serão recompensadas em vidas futuras. A busca por iluminação espiritual é desencorajada, somente o serviço para os Deuses leva ao paraíso.

Uma cópia dos modos Sirianos é criada. Nasce o Hinduísmo.

Embora confusa e desorientada, a religião ARIANA usa os símbolos combinados dos Impérios de Sírius e Órion como seu próprio emblema, quando as Rainhas ARI-AN e os Reis Conquistadores de Sírius uniram-se em aliança, eles adotaram a imagem de uma galáxia estelar espiralada como sua marca. A imagem de uma galáxia de quatro braços era chamada ‘SSS-DAK-U’ (‘SSS-DAK-de’, Suástica).

Os lagartos controladores observavam com atenção, mas não interferiram nos esforços ARIANOS em se estabelecerem em ERIDU. Religiões adicionais em ERIDU não preocupavam os répteis, a confusão os ajudava. Sem o apoio dos ‘céus’, nenhuma facção em ERIDU era uma ameaça.

Os lagartos estavam no controle.

Guerreiros Sirianos DAK, que uma vez ficaram orgulhosamente ao lado do todo-poderoso Deus Sol RA eram conhecidos como os ‘RA-IM’ (‘RA-ao lado de’). Poderosos e corajosos, suas memórias removidas, eles deixam o Egito para se estabelecerem em terras no norte do Mediterrâneo. Chamados de DAKANS (celestiais-DAK) ou DRAKANS, eles seriam conhecidos como os ETRUSCOS. Eles ficam nas terras depois conhecidas como Itália.

Os RA-IM começam a construir seu próprio Império. Memórias distantes de dois irmãos (Príncipe EA e Príncipe EN-LIL), ambos criados nos caminhos Sirianos e co-fundadores de ERIDU, estão presentes nas mentes dos RA-IM. As vagas lembranças desses Príncipes é a base da leda RA-IM (Romana) de Remo e Rômulo.

Os lendários co-fundadores de Roma, Remo e Rômulo são retratados como sendo amamentados e cuidados por uma Loba (KANUS).

Os líderes RA-IM constroem um Império poderoso e iniciam guerra contra os Egípcios. Os lagartos não se preocupam. Eles têm o controle e não impedem a expansão Romana. Eles manipulam as lideranças do governo RA-IM através de controle mental. A confusão funciona bem para os propósitos dos lagartos.

Roma se estabelece como um Império.

IEJU

Os SSS-IM (ESSKNESS) são escolados nos ‘Mistérios’ Arianos.

Eles mantém isso para si nos desertos do antigo Oriente Médio. Os Iniciados acreditam que um dos deles pode ascender ao Trono da Terra. Mas o Ungido/Messias (ANOINTED) deve ser descendente do Senhor do Mundo (Siriano), e deve se unir com uma descendente das Deusas Mães (Órion).

Os líderes SSS-IM iniciam uma busca por um possível candidato. O futuro Rei deve ser um Iniciado, escolado nos ‘Mistérios’… e ser um deles.

Um segundo grupo de Iniciados, escolados nos ‘Mistérios’ dos Sirianos, secretamente aliam-se a ASAR (Sírius).

Eles são os N-ASAR-IM (Dos Céus-Sírius) ou Nazarenos. Os N-ASAR-IM e os IBRU unem-se para obter poder.

Um bebê nasce no antigo Oriente Médio, ele é nascido da linha Siriana pela Casa de Davi. Iniciados de Órion acham que ele, junto com vários outros, são potenciais candidatos ao Reinado da Terra. Os M-G (MAGI ou Magos) de Órion vêm para demonstrar respeito e plantar as sementes desse possível futuro.

Como um jovem, Joshua vive uma vida normal, mas ao atingir certa idade, ele é enviado às escolas de ‘Mistérios’ Orientais para receber seu treinamento. Joshua aprende o que o Rei deve saber e o que deve fazer. Ele é ensinado que ele também é o ‘Filho de Deus’, o Primeiro e Único Deus. Ele está sendo preparado para o Sacerdócio e uma posição de poder.

As escolas de ‘Mistérios’ continuam a perpetuar o mito do Deus Único; que a recompensa vem após a morte. A ‘salvação’ é obtida através do serviço à Igreja; sacrifício de si e fé sem questionamentos. As fundações do Império dos lagartos está baseada em obediência cega e não questionamento de Deus, pois, de fato, os lagartos assumiram o lugar, a manifestação de Deus.

Joshua torna-se um Iniciado, mas encontra-se questionando aquilo que ele aprendeu. Algo não está totalmente certo e um sentimento de que há algo mais do que lhe está sendo dito o atormenta. Lembranças vagas cruzam sua mente, sentimentos, pensamentos de blasfêmias e sacrilégios inundam seu ser. Ele procura a solidão do deserto, talvez lá as dúvidas cessarão. Ele sente que deve limpar sua alma.

O deserto é solitário à noite. Joshua está nervoso. Quando uma figura se aproxima ele se prepara para fugir. Uma estranha sensação de familiaridade diminui suas preocupações. O estranho na noite era um EA-SU, um dos poucos professores remanescentes dos segredos do Príncipe EA.

Enquanto o Professor se sentou ao seu lado, Joshua pôde sentir que sua vida estava prestes a mudar. Pelas próximas horas o estranho começou a falar dos ‘Mistérios’. Joshua estava aliviado: ele também era um Iniciado.

Mas, à medida que as horas passavam, o estranho somava novas peças ao quebra-cabeças, que Joshua não ouvira antes. Joshua sentiu fome em saber mais. O estranho continuou. E as horas tornaram-se dias, e os dias tornaram-se semanas.

Ao final, o Professor levantou-se. Joshua estava em um estado de euforia e antecipação. E assim como ele aparecera, o estranho rápida e silenciosamente partiu. Joshua, seu mundo virado de cabeça para baixo, sentou-se e chorou. As palavras do estranho eram verdadeiras. Ele sabia disso. Ele chorou pois um mundo dormente, ignorante da verdade, estava diante dele.

Joshua fora abençoado e amaldiçoado. Conhecimento não usado é Conhecimento desperdiçado. Joshua fora colocado em uma situação que não escolhera… pelo menos não neste mundo. Ele teria de se mexer, de agir… ou seria culpado do crime de inação e ajuda aos opressores da Humanidade.

O EA-SU o encontraria novamente, Joshua sabia disso. Mas qualquer ação tomada deveria partir do próprio Joshua. Chegaria um tempo em que ele deveria agir, por enquanto ele faria planos. Isso levaria anos, ele pensava, mas valeria a espera.

Joshua não era, afinal de contas, ‘Um Escolhido’?

Ele imaginava porque aquele nome havia sido escolhido. Agora ele sabia. Ele era IESU… ele também era um EA-SU.

IESU ouvira que havia outro ‘Potencial’ não muito longe no deserto (com quem IESU poderia simpatizar). Não foi uma grande surpresa quando ele descobriu que o ‘outro’ era da mesma linhagem sanguínea dele mesmo. Foi com um pouco de decepção, entretanto, que ele ficou sabendo que o ‘outro’ era mais velho do que ele, assim obrigando IESU a lhe dar a preferência.

Mas o destino estava com IESU, pois embora João Batista tivesse prioridade por conta de sua idade, a reputação de João traria um rápido fim à sua existência. Ao saber do destino de seu primo João, IESU continuou seus planos para o futuro. Fora bom que João o houvesse batizado, os outros aceitariam bem mais fácil o seu papel como um Homem espiritualista.

Para ser Rabino, ele deveria ser casado. Essa era a Tradição e a Lei. Mas para cumprir a profecia, aqueles requerimentos dos ‘Potenciais’ exigiam que ele se casasse com uma descendente da própria Deusa Mãe. Com esse propósito, IESU encontrou e desposou Maria Madalena.

Eles casaram e ela teve filhos (NT: plural).

IESU havia se tornado um Rabino completo, com todos os direitos e responsabilidades. Ele era tanto um Iniciado como um Rabino honrado. Os primeiros requerimentos da profecia foram cumpridos.

Agora era tempo de iniciar os estágios finais.

IESU sabia que ele precisaria do apoio do povo. Caifás, Sumo-Sacerdote do Templo, e até Pôncio Pilatus, teriam dificuldade em atacar um homem que tinha a simpatia do povo. Seria ainda pior se ele fosse um homem santo.

IESU andou pelo interior, agindo como conselheiro, curador e advogado do povo. As massas o amavam e seus modos gentis. Mas em segredo, ele atacava os guardas Romanos e tirava-lhes as armas. Com o passar do tempo, ele reuniu um pequeno número de seguidores.

Embora doações chegassem para apoiar sua causa, os recursos eram escassos para sustentar um grupo crescente. Foi com um pouco de temor que ele decidiu atacar os cambistas no mercado local. O plano era simples: o próprio IESU criaria a distração, seus seguidores pegariam o dinheiro dos agiotas.

IESU entrou propositadamente no mercado local. Todos sentiam que os cambistas estavam praticando furto autorizado, mas com a anuência do Templo, os cambistas podiam fazer o que bem entendessem. Certo de que o povo lhe apoiaria, IESU começou a revirar as mesas de dinheiro. Enquanto o povo gritava em apoio a ele, seus seguidores pegavam as moedas que podiam, e depois lançavam em todas as direções quando os soldados Romanos chegaram.

Como IESU esperava, o povo apoiou seu ato com grande entusiasmo. O Sanhedrin do Templo, entretanto, o via como um fora-da-lei que precisava ser detido.

O plano teria sido perfeito, mas a execução resultara em algo inesperado. O filho mais velho de IESU, em sua euforia, não notara a chegada dos soldados. Como resultado, ele fora capturado. IESU estava preocupado, o Sumo Sacerdote poderia mandar matar seu filho. Seus planos eram certamente perigosos, ele já estava pronto para entregar sua própria vida, se necessário, mas perder seu filho seria demais.

A morte de IESU não impediria seu filho de reivindicar o trono, mas a morte de seu filho mais velho significava que o trono estaria perdido, para sempre, para todos de sua família.

E então, IESU planejou libertar seu filho. O Sanhedrin há muito o procurava, IESU lhes daria a chance de encontrá-lo. Ele chamou seu mais confiável discípulo, Judas, e lhe ordenou que fosse até Caifás, Sumo Sacerdote do Templo, e fingisse trair IESU.

Relutantemente, Judas assim o fez, desempenhando seu papel o melhor possível. Os guardas do Templo prenderam IESU, levando-o a Pôncio Pilatus para execução. Mas Pilatus não queria participar da política dos judeus. Ele estava contando o tempo para retornar a Roma. Qualquer problema em sua jurisdição refletiria mal para ele, e então ele rejeitou qualquer participação no complô do Sanhedrin para matar IESU.

Caifás não seria contrariado. Ele foi a Herodes e exigiu a morte do ‘pretensioso”. Mas Herodes não queria problemas com os Romanos. Se Pilatus não queria participar da execução, ele também não se dobraria às exigências do tumultuoso Sanhedrin.

Negado novamente, Caifás retorna a Pilatus.

Ele ameaça com uma rebelião em todo o território se a execução de IESU lhe for negada novamente. Mas Pilatus acredita que pode enganar Caifás. Ele cria uma oferta de clemência por conta de um feriado desconhecido. Ele acena com a possibilidade de libertar qualquer prisioneiro, quem a multidão escolher. Ele presume que eles escolherão IESU, um Rei popular.

Os seguidores de IESU imediatamente clamam por BARABBAS, surpreendendo Pilatus. BARABBAS é o primeiro filho homem de IESU (BAR-RABBI, ‘Filho do Rabbi’).

Os aliados de Caifás também clamam por BARABBAS. A morte de IESU é seu objetivo. O prisioneiro é libertado, o filho de IESU está salvo. Mas a multidão não está satisfeita, eles foram pagos para pedir a execução de IESU. Relutantemente, Pilatus concorda em açoitar IESU para aplacar o desejo da multidão por sangue.

Pilatus açoita IESU, seus seguidores choram. A visão de seu sangue alimenta o frenesi. A revolta prometida por Caifás está para explodir diante de Pilatus. Ele implora a IESU que renegue sua reivindicação ao Reinado dos Judeus. IESU não o faz. O plano original era pendurar IESU na cruz por crimes contra o Estado Romano. Heresia também serviria se a punição fosse a mesma.

Enquanto estudava no extremo oriente, IESU aprendera sobre muitas plantas medicinais. Com a ajuda de José de Arimatéia, IESU tinha um plano para vencer a morte na cruz. Uma erva pouco conhecida, quando ingerida, causaria a quem bebesse cair num desmaio similar à morte. Este seria o segredo que lhe permitiria ressuscitar como só um Deus poderia.

IESU é levado às colinas e crucificado. José havia subornado os soldados. Tradicionalmente, o criminoso tinha suas pernas quebradas para que não pudesse suportar seu próprio peso. Isso não é feito com IESU.

A um sinal, um dos soldados mergulhou uma esponja em uma mistura já preparada. A esponja foi enfiada na ponta de sua lança e oferecida a IESU para beber. Aqueles que estavam vendo, acreditavam ser água, mas cheirava a vinagre.

IESU bebeu com vontade. Dentro de momentos, sua cabeça pende. Ele está inconsciente, todos acreditam que está morto. Um soldado que não fora subornado testa para ver se IESU está vivo enfiando sua lança em sua lateral. Ao fazer isso, o sangue escorre de IESU. Como seu coração ainda bate, o sangue continua a escorrer. IESU está vivo. Para o horror de José e seus discípulos, ele estava ferido.

Rapidamente, José se aproxima e reivindica o corpo, dizendo que IESU está morto. Mas na tradição Judaica é proibido a qualquer um tocar um corpo, mesmo os entes queridos. José sabe que IESU está vivo, então nenhuma tradição ou lei é violada. Mas IESU está ferido, é vital que eles o levem a uma caverna onde possam tratá-lo em segredo.

Eles levam o corpo a uma caverna em um Jardim que pertence a José. Uma pedra arredondada é movida para cobrir a entrada, um médico já está lá dentro para cuidar de IESU. Ele está vivo, mas o ferimento é grave. Ele deve ser levado a um lugar mais seguro para ser curado.

Sob o manto da escuridão, IESU é levado. A caverna é encontrada vazia na manhã seguinte, IESU se foi. A lenda de um Filho de Deus está para nascer.

Convencido de que o Rabino está à salvo, José vai proteger a família de IESU. Preparativos já haviam sido feitos para levar Maria e as crianças para longe em uma embarcação alugada. Após a partida, é dito a IESU que eles já estão a caminho. Eles ficarão a salvo.

José dirige-se às praias do sul do que seria conhecido como França. Seguidores acompanharam a família, os Judeus estabeleceram uma colônia. IESU queria reivindicar o Trono da Terra para a Humanidade… e os filhos da Humanidade. Ele intentara descartar o ‘sistema’, para despertar a Humanidade para a presença dos lagartos. O tempo havia trabalhado contra ele.

IESU morreu no extremo oriente, sua esposa e filhos estavam bem, o sangue de IESU sobreviveu. Os lagartos ainda estavam despreocupados, o conceito do ‘Deus Onipotente’ não fora desafiado. A manipulação de mentes e a reprogramação continuavam.

Nada mudara.

250 DC.
Seguidores de IESU são declarados inimigos do Templo e da fé Judaica. Os Hebreus (IBRU) perseguem os Cristãos (NAZRIN). Roma é convencida de que os Cristãos também são inimigos do Estado. Os seguidores de IESU são caçados.

O discípulo Paulo, não bem aceito pelos outros discípulos, usa suas ‘conexões’ em Roma para se salvar. Ele sobrevive a um expurgo que outros não conseguem. Ele manipula os ensinamentos e palavras de IESU para seus próprios interesses políticos.

Seus escritos e interpretações da fundação da igreja.

325 DC.
Trezentos anos depois, Constantino acredita que as profecias Hebraicas de um Messias divino não são preenchidas por IESU.

Mesmo os judeus não o aceitam como o Mensageiro. Aos seus olhos, ele, Constantino, está bem mais perto de ser o verdadeiro Messias do que IESU jamais fora. Com seus exércitos ele havia tomado posse de todas as terras de influência e poder. Somente um poder lhe fugia: o Trono da Terra. Ele se vira para a Cristandade, na esperança de que a igreja o declare o verdadeiro Messias Salvador.

Ele convoca o Concilio de Nicéia. Sua tarefa é juntar todas as histórias da profecia do Messias Hebreu. Constantino acredita que a coleção irá suportar sua alegação de que ele deveria ser o Rei da Terra. Embora a Igreja tornar-se extremamente poderosa com seu apoio, a declaração de que ele é o Messias não ocorre. Elevar Constantino ao status de Filho de Deus forçaria um abandono de um poder recém adquirido. Algo que a Igreja não está disposta a fazer. IESU está morto. A Igreja é seu agente.

A Igreja não sabe que descendentes de IESU estão vivos.

525 DC.
MOHAMMED (M-K-M) é visitado em seus sonhos. Um ser celestial entra em seus sonhos e lhe revela os planos de uma nova fé.

Uma facção M-K de Órion conseguiu se infiltrar em ERIDU. Seu alvo é um homem que poderia obter o Trono. A religião do Islã nasce, ela significa ‘render-se’. O Islã é exigente, sua total servidão a DEUS é mandatória. Mohamed organiza os Muçulmanos em um poder militar.

Eles movem-se para e conquistam a Terra Sagrada.

1000 DC.
A mensagem do dissidente IESU é distorcida. Cristandade sob Constantino torna-se um poder político, apoiando o próprio sistema que IESU tentara desfazer.

Descendentes de IESU retornam à Terra Santa. É intenção deles declarar sua descendência e reivindicar o lugar que é verdadeiramente deles. A Igreja Cristã está horrorizada. Se os descendentes provarem sua linhagem, todo o poder e riqueza da Igreja seriam perdidos.

Eles iniciam uma caçada ao SANGRE’REAL (‘Sangue-Real’), o Sangue Real de IESU. Os Cruzados não entendendo as palavras, acreditam estar em uma busca pelo SAN’GRAAL, um cálice sagrado contendo o sangue de Cristo. A primeira Cruzada é uma tentativa de caçar a maior ameaça à Igreja: os filhos de IESU. É declarado que as Cruzadas são lançadas para tomar de volta a Terra Santa das mãos dos Muçulmanos.

Os Cavaleiros Templários são reunidos para proteger a família de IESU. Eles se destacam e ganham riqueza e poder, sempre mantendo seu segredo. Quando forçados a beijar o crucifixo, eles recusam. Eles cospem na cruz e pisam nela. Eles sabiam que a igreja era baseada em falsidades. Os filhos de IESU estão vivos, a Igreja NÃO é a verdadeira Voz de Deus.

Os ‘ASSASSINOS’ (‘SSS-EM’, Lordes de Órion) são uma sociedade secreta que usa drogas para induzir estados hipnóticos.

Manipulação da mente é a base de seu culto. Liderados por um homem que havia sido contatado por um soldado reptiliano Órion, o culto ASSASSINO prova ser uma poderosa força na guerra contra os Cruzados. Uma facção Órion escondida em ERIDU, está tentando proteger os filhos de IESU. O sangue das Rainhas corre em suas veias.

O Império dos lagartos ainda está despreocupado. Guerras e confusões políticas trabalham para a vantagem deles. O conceito do DEUS Único Onipotente continua sem ser desafiado, seu controle sobre o mundo é forte. Ninguém sabe que ELES é que fazem o papel de DEUS.

O Poder Germânico é centralizado nos Hesse (SSS), um dos mais poderosos estados da Alemanha. Carlos Magno cria uma sociedade secreta chamada os Rosacruzes (‘Rosicrucians’). Eles são um braço da ‘Irmandade da Cobra – Brotherhood of The Snake’ e mais tarde serão conhecidos como ‘A Ordem dos Illuminati – Order of the Illuminati’, ‘Os Iluminados’.

A Igreja está convencida de que a ameaça dos descendentes de IESU fora eliminada.

O Papa Inocêncio IV centraliza o poder do Papado na cidade capital de Roma.

Várias incursões a ERIDU de tripulações Sirianas e Órianas preocupam os lagartos. Várias ‘sociedades secretas’ foram criadas sob a influência dessas tripulações. Os lagartos iniciam uma caçada atrás dessas tripulações ‘escondidas’. Embora a instituição do Deus Único ainda esteja forte, muitos novos ‘Iluminados’ começam a emergir. Os lagartos não podem arriscar que a ‘Verdade’ seja conhecida.

A caçada e a Inquisição são simultâneos. Céus e terra são flagelados.

Batalhas nos céus são vistas sobre a Europa. Destruídos nos céus, naves partem-se. Elementos químicos e bactérias alienígenas ‘chovem do céu’. A Peste Negra assola. Um grande número de avistamentos de OVNIS são acompanhados mais tarde de surtos da Peste (em todas as áreas da Europa e Ásia).

A caçada dos lagartos continua por centenas de anos. As batalhas resultam na destruição das tripulações Órianas e Sirianas que tentaram trabalhar secretamente para destruir o Novo Império dos lagartos.

Efeitos colaterais da guerra infectam as populações humanas com a Peste Negra. Mais de 100 milhões morrem em 400 anos de retaliação dos lagartos.

A história não consegue explicar o esporádico e súbito aparecimento e desaparecimento da Peste.

1350 DC.
A Igreja Cristã culpa os Judeus (IBRU) pelo surgimento da Peste Negra. Eles são expulsos da Europa. Uma vez os Hebreus (IBRU) perseguiram os Cristãos (NAZARIN), agora os Cristãos (NAZARIN) perseguiam os Hebreus (IBRU).

1500 DC.
A família Médici recebe o poder de coletar impostos e taxas pela Igreja de Roma, sob o Papa João XXIII. Eles rapidamente tornam-se os mais proeminentes banqueiros da Europa.

1600 DC.
É criado o Banco de Amsterdã. É o primeiro ‘banco’ que institui a Ciência do Dinheiro, emitindo notas em garantia dos depósitos, comumente, mais notas do que depósitos.

A ‘Revolução Gloriosa’ coloca William III de Orange, da Casa Alemã de Orange-Nassau, no Trono da Inglaterra. William III é um Maçon. A Casa Alemã cria uma guerra contra a Inglaterra, e então aluga mercenários para a Inglaterra para lutar a guerra pela Inglaterra! Isso é repetido várias vezes e o tesouro Inglês é ‘saqueado’.

O Banco da Inglaterra é criado sob o plano de um Escocês, William Paterson, um Maçon. O Banco da França é criado sob o plano de outro Escocês, John Law. Ele também um Maçon.

Os lagartos tencionam fortalecer seu controle sobre as riquezas do planeta. Tripulações Sirianas e Orianas que conseguirem infiltrar não podem conseguir sabotar sua base de poder. O sistema bancário deve ser centralizado.

1700 DC.
Europeus frustrados mudam-se para o Novo Mundo em uma tentativa deliberada de deixar para trás o ‘sistema’ que os persegue e esvazia seus ‘cofres’.

Os lagartos enxergam uma oportunidade de explorar novas terras.

  • Em 1694, os líderes Rosacruzes criam uma colônia em Pennsylvania, no Novo Mundo.
  • Em 1730, Daniel Coxe é indicado Grão Mestre da Loja em Nova Iorque, Nova Jersey e Pennsylvania.
  • Em 1733, Henry Price torna-se Grão Mestre da Loja de Boston em Massachusetts.
  • Em 1752, George Washington é introduzido na Maçonaria com a idade de 20.

Maçons na Guerra Revolucionária incluem: George Washington, Benjamin Franklin, (desde 1731), Alexander Hamilton, Patrick Henry, Henry Knox, James Madison e Grão Mestres: Paul Revere, James Clinton e John Hancock. (Ambos George Washington e Benjamin Franklin também eram Mestres). Dos 14.000 oficiais no Continente, quase 2100 eram Maçons.

Barão Von Steuben, um soldado Alemão que organizou e treinou as tropas de Washington era um Maçon. L’Marquis de La Fayette, um habilidoso militar que navegou para a América para ajudar os revolucionários era um Maçon. Frederick da Prússia, um ardente defensor dos colonialistas, era um Maçon.

O Partido do Chá de Boston é liderado por membros da Loja Maçon de St. Andrew em 06 de dezembro de 1773.

Os Maçons tem uma sólida presença no Novo Mundo.

A nova nota do dólar é desenhada por William Barton. O ‘Olho que Tudo Vê” é um símbolo Maçon. Ele perpetua o mito do Deus Onipotente. ‘NOVUS ORDO SECOLORUM’ está escrito na faixa abaixo na nota. Significa ‘O Começo de Uma Era de Nova Ordem’. (A Nova Ordem Mundial).

É uma referência direta ao Novo Império dos lagartos. Uma pirâmide inocente representa o local de nascimento dos grupos Maçônicos. É um símbolo dos pedreiros originais. A águia na parte de trás da nota era originalmente uma fênix, uma criatura que ressurge das cinzas. Ela também refere-se à ascensão de um Novo Império das cinzas do antigo. A fênix não é substituída até 1841.

O Banco dos Estados Unidos é criado por Alexander Hamilton em 1791, ele é um Maçon. Em 1863, o Banco se tornaria o Federal Reserve Bank (Banco Central Americano).

Presidentes que foram ou são Maçons incluem:

George Washington, James A. Madison, James Monroe, Andrew Jadkson, James Polk, James Buchanan, Andrew Johnson, Wm. McKinley, James Garfield, ‘Teddy’ Roosevelt, Howard Taft Warren Harding, Franklin Roosevelt, Harry S. Truman, e Gerald Ford. J Edgar Hoover também era Maçon.

Rei George I, da Inglaterra era da Casa de Hannover (Alemã) e não falava inglês.

Ele acreditava que seu Trono era temporário até que pudesse retornar ao trono na Alemanha. Enquanto sentado no Trono da Inglaterra, sua mente e foco continuaram nos assuntos da Alemanha. De 1700 até 1901, um membro da realeza da Casa de Hannover sentou-se no trono da Inglaterra. A Casa de Windsor, da Rainha Elizabeth, descende da Casa de Hannover.

É uma prática das sociedades secretas, guiadas por mãos de lagarto invisíveis, criar guerras para proporcionar a ambos os lados um exército e/ou um arsenal para alugar. Guerra é lucro.

1800 DC.
Em 1836, a ‘Liga da Justiça’ é outra Sociedade Secreta criada por um Maçon.

É a primeira Sociedade que Karl Marx entra. Ele é influenciado e guiado para o conceito de Uma Ordem Mundial, um eufemismo para um controle totalitário pelos lagartos. Enquanto membro da Liga ele escreve o Manifesto Comunista.

A ‘Liga da Justiça’ torna-se a ‘Liga Comunista’. O Comunismo declara que todos são iguais, que ninguém pode possuir nada, que todos dividem igualmente a partir de um todo comunitário, mas que o primeiro passo para esse ideal é uma ditadura política. (Essa é a justificativa para um controle total pelo Império dos lagartos).

A Távola Redonda, uma sociedade secreta criada depois da Maçonaria, foi criada por Cecil Rhodes, um magnata de mineração de ouro e diamantes. (Escolas Rhodes são homenagem a ele). Suas ideias altruístas de ajudar a população são transfiguradas, por seus colegas da Távola Redonda, em métodos para manipular a população.

A Távola Redonda torna-se o principal local de reunião de poderosas organizações tais como o Carnegie United Kingdom Trust, numerosas associações J.P. Morgan, virtualmente todas as organizações Rockfeller, etc. Nos Estados Unidos, um recém formado ‘Conselho de Relações Exteriores’ torna-se o local de trabalho da Távola Redonda.

1900 DC.
Houston Stewart Chamberlain escreve a Fundação do Século Dezenove, um trabalho sugerindo que a Alemanha é, de longe, a melhor nação para trazer à tona a manifestação da Nova Ordem na Europa. Imperador Wilhelm Kaiser da Alemanha endossa o trabalho, seus esforços para estabelecer a ‘Supremacia Ariana’ começam.

A manipulação das Sociedades Secretas continua através das mãos invisíveis dos lagartos. Um assassino da Sociedade Mão Negra, da Europa central, mata o Arquiduque Ferdinand, da Áustria. O incidente inicia a Primeira Guerra Mundial.

Jacob Schiff, um cidadão Americano ligado às poderosas Casas Alemãs e à família Rothschild, financia os esforços conhecidos como Revolução Bolshevista. Lênin é introduzido no palco mundial. É 1917.

Após a Revolução, a Polícia Secreta na Rússia são virtualmente o controle político total. Torna-se conhecida como KGB.

O Plano Quinquenal é instituído na Rússia. Campos de trabalho provém os ‘Mestres’ com mão-de-obra barata. Terra e propriedades são ‘coletivizadas’. 35 a 40 milhões de pessoas morrem nos campos de trabalho entre 1917 e 1950.

A TENTATIVA DE GOLPE

A confiança dos lagartos está abalada. A tentativa de golpe está perigosamente perto do sucesso. Está claro que eles devem usar sua arma mais poderosa para por fim à ameaça.

A guerra está arrasando a Europa. Embora a liderança americana desse seu apoio, isso não era suficiente. Está muito claro que as pessoas nos EUA não querem entrar na guerra. É necessário encontrar uma razão que crie um forte desejo para ir à guerra.

O Presidente e seus conselheiros militares estão cientes de um planejado ataque a Pearl Harbor pelos Japoneses. Ao invés de alertar as forças navais Havaianas, eles decidem segurar a informação. Um ataque em Pearl Harbor poderia justificar a declaração de guerra que seria fortemente apoiada pelo povo americano.

Manhã de 7 de dezembro de 1941. Os Japoneses atacam a base naval de Pearl Harbor. O Presidente e seus conselheiros subestimam o poderio das forças Japonesas. A base é completamente destruída. A devastação deixa a costa oeste dos EUA praticamente indefesa. Nada poderá impedir os Japoneses se eles quiserem avançar rumo à Califórnia.

Os lagartos conseguiram atravessar as defesas do Grupo Psicológico Óriano. Eles conseguiram penetrar na mente do Almirante Yamamoto e intruí-lo a recuar. Almirante Yamamoto inexplicavelmente retorna com sua frota.

Seus conselheiros tentam convencê-lo a continuar o ataque e capturar as ilhas Havaianas. Ele se recusa. Ninguém entende. Foi dito que ele agia de modo confuso e ‘distante’.

Também é dito que ele declarou o seguinte…

“Eu receio que nós acordamos um gigante adormecido.”

Sem saber, ele enxergou corretamente as conseqüências do que havia acontecido.

O Império dos lagartos jamais acreditou que seria ameaçado. Seu controle havia sido total e completo, uma guerra de conquista era considerada inconcebível. O Império havia, de fato, sido acordado de seu sono profundo.

A tragédia do ‘Dia da Infâmia’ persuadiu o povo dos Estados Unidos a ir à guerra. Eles se sentiram traídos, eles buscaram vingança. O maior e mais rico país do mundo estava mobilizado para a guerra.

O Presidente sanciona o início do projeto de duas armas secretas. À primeira, com resultados concretos, foi dado completo desenvolvimento.

O ‘Projeto Manhattan’, liderado por Robert Oppenheimer, teve início em Los Alamos, Novo México. Seu propósito era desenvolver uma ‘super bomba’ para uso contra os Japoneses, os Italianos e os Nazistas.

O ‘Experimento Filadélfia’, liderado no começo por Nicola Tesla, inicia pesquisas de um gerador ‘hiper-dimensional’. Um aparelho que permitirá a navios de guerra viajarem através do tempo e espaço. A história divulgada é a de que o projeto busca o desenvolvimento da ‘invisibilidade ao radar’ para navios.

O Grupo Psicológico de Órion está sendo enfraquecido pelo próprio Hitler. Drogas anuviam seus pensamentos. Ele começou a tomar decisões erradas, acreditando-se infalível. O Grupo de Órion deve fazer uma escolha: eliminar Hitler e substituí-lo ou tentar acabar com um dos projetos de arma secreta dentro dos EUA. Um dos projetos é perigoso. Ele provocaria caos e destruição que alcançariam muito além do sistema solar (NT – Projeto Filadélfia).

Hitler é um caso perdido. A tentativa de golpe está acabada por conta de seu uso de drogas. O Grupo Psicológico deve partir. Mas decidem destruir o projeto perigoso.

A Máfia se aproxima do governo Americano. Eles ajuda na Sicília e na Itália em troca da libertação de Lucky Luciano. A barganha é realizada, Luciano é libertado. A Máfia diminui o ritmo do trabalho nas docas da Itália. Mussolini é sabotado. O avanço de Patton sobre a Sicília recebe ajuda da Máfia. Eles providenciam combustível e pneus, atacam atrás das linhas inimigas e passam informações vitais.

Os Estados Unidos e a Máfia são agora aliados.

Reinhard Gehlen, chefe da Inteligência SS aproxima-se do chefe da OSS (Office Secret Services – Serviço Secreto Americano), Allen Dulles. Ele havia criado toda uma rede de espionarem dentro da Rússia. Se Dulles oferecesse anistia à sua Gestapo, Gehlen e todo o seu grupo iriam trabalhar para os Americanos contra os Russos. Ninguém confia na União Soviética. A oferta de Gehlen é aceita.

Os Estados Unidos e a Gestapo agora são aliados.

A OSS lança a ‘Operação Paperclip’ (Operação Clip de Papel). Agentes da Gestapo e cientistas são retirados da Alemanha… via Vaticano.

Os Estados Unidos e o Vaticano agora são aliados. Em 1948, a OSS (depois chamada de CIA), a Máfia, a Gestapo ‘SS’ e o Vaticano são aliados.

O Grupo Psicológico nada mais pode fazer. Eles partem.

Em 30 de abril de 1945, Hitler comete suicídio. A tentativa de golpe falhou.

O TRATADO TRILATERAL

Os lagartos mantiveram o controle do Império. O seu uso das forças militares e riqueza dos Estados Unidos teve sucesso. Mas a tentativa de golpe do Grupo de Órion havia chegado perigosamente perto de desfazer o Império.

A posse de ERIDU pelos lagartos do Novo Império havia sido totalmente ilegal. Plenos direitos de desenvolvimento haviam sido dados aos Reis Sirianos quando o sistema solar nascera.

Mas ERIDU havia sido tomado dos Sirianos por MAR-DUK.

E os lagartos haviam tomado-o de MAR-DUK.

As leis Galácticas determinam que o desenvolvimento de qualquer raça não poderia sofrer qualquer interferência a menos que os próprios seres especificamente convidassem outros seres para participar plenamente de suas vidas e sua evolução.

Os habitantes de ERIDU eram originalmente de sangue Siriano. A posse do sistema solar pelos lagartos Orianos era um ato ilegal. Então, para permanecer em ERIDU, para ter uma presença legal e apropriada no sistema, era requerido um convite pela maior parte da população da Terra.

Sem o convite apropriado, a Corte Galáctica poderiam declarar o Império dos lagartos ilegal no sistema solar e enviar uma Tropa Guardiã para, pela força, exterminar sua presença. Se um convite pelo principal povo, ou seus representantes fosse feita, os lagartos poderiam ficar. Até mesmo os Reis Sirianos teriam de abrir mão de qualquer direito prévio de posse.

Um Tratado convidando os lagartos a ficarem era necessário.

Um novo esforço de reprogramação começa. Seria crucial que o número de humanos ‘que sabiam’ fosse reduzido a quase zero. Não poderia haver nenhuma prova de manipulação, falsificação ou influência sobre a humanidade para que o cenário planejado fosse bem-sucedido.

O palco está montado… a peça começa.

Em 20 de fevereiro de 1954, o Presidente Dwight David Eisenhower estava em Palm Springs. Sua agenda indica que ele terá um encontro com a imprensa, mas é cancelado no último minuto. Sua secretária informa a imprensa que ele estava com dor de dente e não poderia comparecer. Na realidade ele fora levado bem depressa para a Base da Força Aérea chamada Muroc (depois conhecida como Andrews).

Nas pistas da base aérea, juntamente com seus conselheiros militares a alguns seletos civis, o Presidente observou a aproximação de várias naves extra-terrestres. Nos próximos minutos, os discos realizaram uma série de manobras que aturdiram e surpreenderam todos os presentes. Com uma última demonstração de invisibilidade e ‘saltos espaciais’, as naves subitamente pararam.

Enquanto a comitiva Presidencial continuava a observar, aparentemente do nada, uma porta abriu do disco mais próximo e uma figura intimidadora avançou devagar.

O ser Cinza tinha quase seis pés de altura (1,97m). Sua cabeça é estranha, é muito grande e traz dois grandes olhos na face. Seu nariz é largo, sua boca, orelhas e queixo desproporcionalmente pequenos.

Ele se aproxima, e toca uma pequena caixa em seu peito. Ele retira algo da caixa e com um gesto simples começa a se comunicar com o grupo do Presidente.

O ser identifica-se como KRLL, um emissário de outro planeta. KRLL, informa o Presidente que seu povo observa a Terra há bastante tempo. Embora sua raça não possa compreender nosso comportamento animalesco, eles estão, mesmo assim, impressionados com os seres humanos.

KRLL explica ao Presidente que eles estão impressionados, aturdidos mesmo, com a composição genética humana. Humanos são resistentes e altamente adaptáveis. Além do mais, são uma espécie extraordinária, capaz de viver e respirar em uma atmosfera composta primariamente de nitrogênio, um gás venenoso.

KRLL fora instruído por seu povo para vir à Terra e examinar seres humanos, retornando com amostras de material genético celular. Em troca, ele estava autorizado a oferecer tecnologias de discos voadores e armas leves de desintegração para a liderança da Terra. É sua esperança de identificar e isolar o material genético celular que poderia fazer sua própria raça ficar mais forte.

KRLL continua, explicando que eles vêm de um planeta moribundo e esperam integrar nosso material genético e o deles para criar uma raça hibrida que lhes permitirá perdurar.

O Presidente está horrorizado. É inconcebível para ele que pudesse permitir que seres humanos fossem dissecados… por qualquer razão! Ele imediatamente recusou a oferta.

O alienígena alto responde. Ele assegura ao Presidente que nenhum mal seria feito a qualquer ser humano examinado. Todos os indivíduos selecionados teriam seu sistema nervoso eletronicamente desconectado. Eles não sentiriam dor. (NT: então o problema é só não sentir dor?)

Além disso, eles terão suas memórias desconectadas, assim prevenindo qualquer trauma psicológico. Como medida de precaução, serão implantadas ‘memórias falsas’, uma técnica que irá mascarar qualquer memória do incidente, criando a ilusão de que qualquer memória que ressurja seja vista como um sonho.

Indivíduos selecionados para exame serão levados somente sob as situações mais discretas, a maioria da população não saberá das abduções. Aqueles que forem removidos serão devolvidos ao mesmo local de onde foram tirados. Eles não terão memória do ocorrido, somente tempo perdido.

O Presidente ainda não está convencido. Exame de qualquer ser humano sem sua própria permissão ou conhecimento parece ser uma violação de suas privacidades e direitos. Ele novamente recusa. Seus conselheiros militares argumentam a favor do Tratado. O debate continua. Finalmente, um General faz uma observação que decide a questão. Se a oferta alienígena for recusada… como a Humanidade se preveniria das abduções ocorrerem mesmo assim?

O Presidente não vê alternativa.

Ele pede que mais um ponto seja parte do acordo: um grupo de médicos humanos participe de cada exame. Eles observarão todos os procedimentos clínicos e terão acesso irrestrito a todo e qualquer aspecto do processo de abduções. Ele reportarão qualquer violação tanto para humanos como para alienígenas. Qualquer violação porá um fim no Tratado. Os alienígenas concordam.

O pacto agora é o Tratado Trilateral. Ele tem um impacto inigualado nos assuntos do planeta. Por parte do planeta Terra, o Presidente dos Estados Unidos, inegavelmente o homem mais poderoso nos assuntos globais, havia feito um convite para os lagartos, agora conhecidos como os ‘CINZAS’, para tomar parte no desenvolvimento do nosso planeta.

O Império dos lagartos estava agora legalmente presente na Terra! Nenhum dos dirigentes dos governos do mundo tem lembrança de acordos anteriores. Apenas uns poucos se tornam membros do governo SHETI ou ISHETU (o ‘governo das sombras’).

O Presidente requisita a formação de um grupo de supervisão de alienígenas. Alguns dizem que seu nome é MJ-12, outros dão um nome diferente. Sua tarefa é monitorar todas as abduções e informar ao Presidente.

Duas bases subterrâneas são planejadas. A primeira será uma instalação enorme para que os militares desenvolvam e se familiarizem com a tecnologia e armamento alienígena. Essa base é construída sob uma área de tiro ao norte de Las Vegas.

A primeira é chamada ou de Área 51 ou de Terra dos Sonhos (Dreamland).

A segunda base é construída usando-se cavernas na área de Quatro Cantos (Four Corners), próxima a uma pequena cidade chamada Dulce. É para ser usada por alienígenas para examinar os humanos abduzidos.

Humanos e Cinzas (Grays) trabalham de mãos dadas.

Mais sobre a Base DULCE

OPERAÇÕES OBSCURAS (BLACK OPS)

Dinheiro é necessário para financiar os recém adquiridos armamentos e tecnologia alienígena, os assim chamados Projetos Pretos.

O “governo paralelo” influencia o Presidente e suas mentes foram cooptadas. Eles argumentam que o público não deve tomar conhecimento do contato alienígena: o pânico que adviria seria desastroso, particularmente se eles descobrissem que os alienígenas não podiam ser controlados. Recursos para as ‘Operações Pretas’ não devem vir de taxações; eles devem vir de uma fonte indetectável… e a quantia necessária seria enorme.

O ‘governo paralelo’ não deseja que as ‘Operações oBSCURAS’ sejam bem-sucedidas, mas não se esquiva em lucrar com isso. Os dirigentes do ‘governo paralelo’ sugerem pedir ajuda a um ‘aliado’ dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial… a Máfia. Embora um pequeno protesto seja esboçado por alguns altos oficiais, a Máfia uma vez mais é parceira do Tio Sam. Os chefes do crime são rápidos em oferecer uma saída… drogas ilegais.

A primeira fase da operação concentra-se em campos de papoulas já existentes na Turquia. A Máfia será a responsável por trazer as drogas para as águas fora da costa dos Estados Unidos. A CIA trará as drogas ilegais para dentro do país.

A Máfia encontra um jovem magnata de navios de carga que trará seus contrabandos em seus navios para as águas Americanas. Este jovem torna-se um gigante. Ele é Aristóteles Onassis.

A CIA usa os talentos de um contrabandista, um homem que tem conexões com a Máfia e tem experiência em transportar cargas roubadas de pequenas embarcações no mar para receptores ‘amigáveis’ em terra. De lá, as cargas são transportadas em caminhões para as principais cidades. Este homem é Joseph P. Kennedy.

As drogas começam a circular, enormes quantidades de dinheiro são divididas entre a Máfia e a CIA. As Operações Pretas são financiadas, o ‘governo paralelo’ controla os reinos. Altos oficiais do Governo, agora ligados à Máfia, podem ser chantageados e facilmente controlados… ou eliminados.

As operações com drogas são extremamente lucrativas, mas as Operações Pretas precisam de mais dinheiro, e o ‘governo paralelo’ é simplesmente ganancioso e quer mais dinheiro. O ‘Triângulo Dourado’ do extremo oriente é o alvo. Os franceses recentemente perderam uma guerra muito cara. Sem a presença deles aviões podem voar para os campos do Camboja e Vietnam, o contrabando de drogas começa.

O sucesso das drogas aumenta, um maior número de vôos é difícil de esconder, uma justificativa é necessária.

O Golfo de Tonkin é escolhido para prover um motivo para uma guerra. Guerra exige vôos para a área.

Drogas do extremo oriente (Camboja, Vietnam) são trazidos pela Air America, uma fachada da CIA. A guerra do Vietnam é uma operação de drogas. Sacos Pretos (NT – aqueles para os soldados mortos) são enchidos com drogas. Soldados são viciados para criar um mercado consumidor. O Vietnam provê as drogas e os usuários.

Os recursos das Operações Pretas aumentam; o ‘governo paralelo’ não está satisfeito: eles querem mais lucro. O governo oficial continua a se aprofundar ainda mais no Vietnam.

A América do Sul é generosa produtora de drogas. A fase anterior que usava contrabandistas é utilizada novamente. Os Chefões das drogas das Américas Central e do Sul trazem suas cargas até uma pequena companhia petrolífera no Golfo do México.

Plataformas de petróleo que mandavam determinado número de barris de petróleo cru quase duplicam esse número para os EUA. Petróleo cru só ocupa metade dos barris. Drogas são contidas na outra metade. As operações mais bem-sucedidas giram em torno de uma nova companhia de petróleo chamada Zapata Oil.

Seu jovem presidente faz o seu nome. A operação tem tanto sucesso que o jovem torna-se íntimo da CIA. Ele está presente em Dallas, naquele 22 de novembro de 1963. Ele avisa o FBI, antes do dia fatídico, de um ‘possível problema’ com a pessoa de Lee Harvey Oswald, que pode ser uma potencial ameaça a JFK.

A ligação com a CIA torna-se tão forte que com o tempo ele é nomeado seu Diretor. O jovem presidente é chamado de George Bush (George Bush é, na verdade, primo em segundo grau da Rainha da Inglaterra, Elizabeth).

‘Operações Pretas’ e ‘Operações de Drogas’ tornaram-se uma só… a Máfia e a CIA são indistinguíveis… o Governo dos Estados Unidos e o ‘Governo Paralelo’ fundiram-se.

Eles são os perpetradores de crimes contra a humanidade… nós somos suas vítimas.

JFK (Joseph P. Kennedy)

O patriarca Joseph P. Kennedy propõe um acordo com a organização CIA/Máfia.

Se eles ajudarem na eleição de seu filho mais velho para a Presidência, seu filho, em retribuição, irá obedecer os ditames do pai. De fato, a Presidência dos Estados Unidos estará completamente sob o controle da Máfia e da CIA.

O ‘governo paralelo’ sorri.

O filho mais velho de Joseph Kennedy é morto em um ‘misterioso’ acidente. Joseph assegura à CIA/Máfia que seu outro filho, John Fitzgerald Kennedy, concordará com o cenário que Joseph propôs. John não tem conhecimento do ‘acordo’ de seu pai. Ele é um jovem inteligente mas tem uma atração irresistível por mulheres. A eleição passa. JFK é o novo Presidente. John segue a vontade de seu pai, mas o Patriarca fica doente.

De repente John e seu irmão mais novo Bobby, percebem que o caminho à frente deles está aberto a suas próprias decisões. Tomados por suas consciências eles começam a trilhar seus próprios caminhos.

Sabendo, em um certo grau, das conexões de seu pai, todo o alcance do acordo com a CIA/Máfia estava além de seu conhecimento. Eles descobrem as ‘Operações Pretas’ e o tráfico de drogas… e a ligação CIA/Máfia. Os dois sentem um enorme sentimento de traição: eles são parte do sistema injusto que eles juraram lutar contra.

John prometeu desfazer a CIA e o negócio de drogas. Um Bobby preocupado procura a Máfia. Ambos os grupos vêem que o acordo foi quebrado. O consórcio petrolífero do Texas tem suas próprias estruturas ameaçadas. Os próprios militares sentem que seus esforços de guerra na Baía dos Porcos foram traídos.

Os dois jovens efetivamente ameaçaram as mais poderosas organizações no mundo.

Em 22 de novembro de 1963, à tarde em Dallas, Texas, John Fitzgerald Kennedy é assassinado.

Em 5 de junho de 1968, em Los Angeles, Califórnia, em plena campanha Presidencial, Robert Kennedy é assassinado.

A historia do Homem e do Planeta Terra foi alterada diversas vezes a favor dos controladores, lembre-se!

Quando todos mentem, dizer a verdade não é só rebelião. É um ato de revolução!

Então pense com cuidado quando a disser. Porque a verdade é uma arma…

Uma guerra galáctica de conquista acontece violentamente acima de nossas cabeças. A Terra e suas imensas riquezas – e principalmente o CONTROLE da ALMA do Homem/Mulher (Adão e Eva) – são o prêmio.

Eu me chamo “Morning Sky” ( Estrela da Manhã). Eu cresci ouvindo as histórias que meu avô contava sobre um Ser do Espaço (um extraterrestre) que ele ajudou a resgatar de um acidente com sua espaçonave.

Meu avô era um dos seis jovens Nativos Americanos que testemunharam o acidente com a espaçonave em 1947, no Arizona, agora conhecido como o famoso incidente de Roswell.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *