More

    Cientistas identificam a primeira proteína EXTRATERRESTRE conhecida

    Cientistas acham que encontraram a primeira proteína alienígena conhecida até agora escondida em um meteorito

    Uma nova descoberta poderia ser uma pista para vermos se a vida poderia surgir em outras partes do Sistema Solar.

    Usando uma nova técnica de análise, os cientistas acreditam ter encontrado uma proteína extraterrestre, escondida dentro de um meteorito que caiu na Terra há 30 anos.

    Se seus resultados puderem ser replicados, será a primeira proteína identificada que não se originou aqui na Terra.

    “Este documento caracteriza a primeira proteína descoberta em um meteorito”, escreveram os pesquisadores em um documento de 33 páginas enviado ao servidor de pré-impressão arXiv da Cornell University.

    Seu trabalho ainda não foi revisado por toda a comunidade científica, mas as implicações dessa descoberta são notáveis.

    Nos últimos anos, meteoritos no Sistema Solar em geral têm produzido alguns blocos básicos de construção para a vida como a conhecemos.

    Cianeto, que poderia desempenhar um papel na construção de moléculas necessárias para a vida:

    Ribose, um tipo de açúcar encontrado no RNA; e aminoácidos, compostos orgânicos que se combinam para formar proteínas.

    Os investigadores agora revisitaram os meteoritos que produziram o último.

    Liderada pelo físico Malcolm McGeoch, da PLEX Corporation, provedora de fontes de raios-X supercondutora, a equipe concentrou sua busca por outra coisa.

    SE EXISTEM PROTEÍNAS, EXISTE VIDA?

    Usando espectrometria de massa “de última geração”, eles descobriram o que acreditam ser proteína em um meteorito chamado Acfer 086, encontrado na Argélia em 1990.

    Embora não seja uma prova de criaturas vivas alienígenas, essa descoberta de proteínas faz com que encontre outro elemento essencial da vida em uma rocha espacial.

    Existem muitos processos que podem produzir proteínas, mas a vida, até onde sabemos, não pode existir sem ela.

    A equipe não apenas encontrou o aminoácido glicina com um sinal mais forte que a análise anterior, mas descobriu que ele estava ligado a outros elementos, como ferro e lítio.

    Quando modelaram para ver o que estava acontecendo, descobriram que a glicina não estava isolada; Fazia parte de uma proteína.

    Os pesquisadores estão chamando essa proteína de hemólitina, tornando-a a primeira proteína “extraterrestre” conhecida.

    Embora a hemolitina seja estruturalmente semelhante às proteínas terrestres, sua proporção de deutério em relação ao hidrogênio é incomparável a qualquer coisa na Terra.

    Isso sugere, argumentam os pesquisadores, que a estrutura que eles identificaram como uma proteína é de origem extraterrestre e possivelmente formada no disco proto-solar, há mais de 4,6 bilhões de anos atrás.

    É MESMO UMA PROTEÍNA?

    Embora a equipe acredite que essa seja a explicação mais provável, também é possível que a descoberta seja realmente um polímero, uma ampla classe de moléculas, das quais as proteínas são apenas uma.

    Portanto, é muito cedo para deixar ir. Mas, no geral, Tremblay está impressionado com o trabalho.

    “Acho isso realmente emocionante”, afirmou. “Acho que tem muitas implicações realmente interessantes e muitos argumentos convincentes. E acho que é um grande passo à frente. “

    Existem vários próximos passos que a investigação poderá adotar. Outros cientistas podem pegar os espectros e usar o software de modelagem para tentar replicar estruturas que produzem os mesmos espectros ou similares.

    Isso pode ajudar a determinar se estamos procurando proteína ou um tipo diferente de polímero.

    Técnicas semelhantes poderiam agora ser usadas em outros meteoritos onde foram encontrados aminoácidos, para ver se estruturas semelhantes podem ser encontradas.

    Como Tremblay explica, estudos recentes na Estação Espacial Internacional indicaram que “a proteína deve ser mais fácil de produzir no espaço devido à gravidade reduzida”.

    Além disso, os cientistas astronautas conseguiram produzir moléculas de proteína bastante grandes, estáveis ​​o suficiente para trazê-las para a Terra.

    “Portanto, temos certeza de que as proteínas provavelmente existirão no espaço”, diz ela.

    “Mas se realmente podemos começar a encontrar evidências de sua existência, e quais podem ser algumas das estruturas e estruturas comuns, acho que isso é realmente interessante e emocionante”.

    Thothhttps://galaxia.news
    Desde muito cedo percebi que a realidade do mundo não é como nos contaram. Desde então, venho buscando e tentando entender tudo e ajudar os outros ao longo do caminho. Como um buscador, estou aprendendo mais a cada dia. - Autodidata possui experiência na área de pesquisa Ufológica, de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva, antropologia, arqueologia e história da ciência. Possui experiência na área da tecnologia, física, química e matemática. Fundador do Projeto Gazeta da Galáxia (https://galaxia.news). Pesquisador e escritor, aficionado por mistérios, pela Ufologia e pelo Universo.

    Últimas

    Estão preparando a humanidade para o “primeiro contato extraterrestre”?

    "Quando a primeira mensagem de uma inteligência extraterrestre chegar, nossa experiência com a pandemia atual pode nos ajudar a planejar uma reação...

    As piores previsões da mudança climática estão se concretizando, alertam cientistas

    As camadas congeladas da Antartica e Groelândia, que poderiam elevar o oceano mais 65 metros caso derretessem completamente, acompanham os piores cenários...

    Existem mais de 1.400 bases alienígenas subterrâneas em todo o mundo?

    Há meses testemunhamos um número sem precedentes de avistamentos de OVNIs. A ponto de vários especialistas assegurarem que superaremos o pico mais...

    5 fatos que você deve saber sobre o Projeto Blue Book

    O Blue Book Project foi uma série de estudos sobre OVNIs da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF). Foi o segundo projeto...

    Artigos relacionados